Como viajar sozinho pela Worldpackers: um passo a passo

Algumas dicas de como ter uma ótima experiência em um intercâmbio de trabalho ou voluntariado viajando sozinho.


Cd3cfc30cc31a9907ff66c4ba05ba852

Aline Fernanda

Travel blogger - www.clicknaviagem.com.br | Writer | Explorer | Photographer | Nature Lover

Ago 21, 2018

Homem viajando sozinho no alto de uma montanha

Quando você aplica para uma das oportunidades da Worldpackers, você costuma ler atentamente todas as condições? 

Você tem o hábito de sanar todas as dúvidas com o anfitrião antes de confirmar a sua viagem? 

Quer saber como um Worldpacker Expert conduz suas viagens e o que leva em consideração para aproveitá-las ao máximo, sem preocupações e mal-entendidos?

Meu objetivo neste artigo é esclarecer dúvidas e dar uma mãozinha para os novos Worldpackers que querem saber como viajar sozinho e ainda estão avaliando as oportunidades, ou até mesmo para quem já teve a sua primeira trip, mas deixou algum detalhe de lado.

Confira o passo a passo de como viajar sozinho pela Worldpackers: 

1. Escolha do destino

Meus destinos não são escolhidos aleatoriamente, sempre priorizo locais que quero conhecer ou que oferecem atrativos de acordo com o que gosto de fazer ou visitar (trilhas, cachoeiras, mergulho livre, praia, etc).

Na minha opinião é fundamental curtir a viagem e não simplesmente ir para algum lugar que o amigo recomendou sem checar antes se o destino faz seu estilo ou não.

Durante a pesquisa no site Worldpackers, inicialmente, não utilizo muitos filtros para que eu possa visualizar todas as oportunidades disponíveis no destino e então avaliar cada uma delas com calma.

2. Identificação de oportunidades

Ao identificar oportunidades no destino de interesse, primeiramente costumo verificar se atendo aos requisitos definidos pelo anfitrião e depois leio com atenção os itens relacionados às tarefas, recompensas, datas disponíveis, tempo mínimo e máximo de voluntariado e a descrição do anfitrião.

Estes pontos são bem pessoais, pois dependem das aptidões, necessidades e disponibilidade de cada voluntário.

3. À cargo do viajante voluntário

Questões como passagem, seguro viagem, transporte, validade da documentação (RG, Passaporte), visto e vacinas não são oferecidas pelo anfitrião ou intermediadas pela Worldpackers, nesse caso o voluntário precisa se organizar e checar cada um desses pontos com antecedência.

Especialmente em uma viagem internacional, minha sugestão é que validade do passaporte, visto e vacinas, sejam analisados antes mesmo de aplicar para alguma oportunidade, para que as datas não tenham que ser alteradas ou a viagem cancelada, o que pode gerar transtorno para ambas as partes, voluntário e anfitrião.

Dica: não compre sua passagem e seguro antes de ter sua viagem confirmada, assim evita despesas adicionais ou retrabalho.

4. Escolha da oportunidade, seleção de datas e aplicação

Quando me identifico com o anfitrião e oportunidade, chega a hora de “aplicar” e mostrar meu interesse em colaborar voluntariamente. 

Seleciono as datas de acordo com a minha disponibilidade e tempo necessário para organizar minha trip e respondo a todas as perguntas do anfitrião de forma objetiva, sincera e clara.

Considero essas respostas muito importantes, pois me coloco no lugar do anfitrião, que se baseia nelas para pré-aprovar a aplicação do voluntário.

Ah! Também não costumo aplicar para muitas oportunidades na mesma data. 

Geralmente tenho um “plano B” e aguardo a resposta do anfitrião. Se a aplicação for negada ou se o anfitrião demorar em responder e a mesma expirar, aí sim envio para outra oportunidade. 

Por isso é importante não deixar para começar sua pesquisa em cima da hora. O ideal é fazer isso com tranquilidade.

Mulher pesquisando em seu computador e caderno de anotações ao lado

5. Pré-aprovação do anfitrião

Quando recebo a pré-aprovação do anfitrião, caso tenha mais alguma dúvida em relação a oportunidade, esclareço tudo com antecedência e transmito demais informações que considero relevantes.

Por exemplo, em relação ao meu voluntariado na Ilha de Malta, desde as primeiras mensagens trocadas, deixei o anfitrião informado que eu iria conciliar com um curso de inglês, para que pudesse verificar se isso impactaria de alguma forma na organização do calendário de tarefas.

Acredito que a comunicação é a ferramenta mais importante para que não surjam contratempos mais tarde e isso passa segurança aos anfitriões, que perceberão a organização e compromisso do voluntário.

6. Confirmação da viagem

Oba! É chegada a hora de confirmar a trip! Agora sim posso comprar minha passagem.

Particularmente não gosto de enviar a confirmação sem ter certeza que poderei cumprir com as datas. 

Procuro não deixar o anfitrião aguardando, mas prefiro checar todos os detalhes antes de mandar meu “ok”. 

Depois disso, se surgir mais alguma dúvida, continuo a conversa com o anfitrião e o mantenho informado dos detalhes, como horário que vou chegar, por exemplo.

É importante ressaltar que surgindo algum imprevisto em que você não possa cumprir com as datas, cancele ou altere sua viagem com antecedência. 

Lembre-se que o anfitrião está contando com a sua colaboração naquele período.

7. Partiu!

Mala pronta e documentação em mãos, chega a hora de conhecer pessoas, lugares e viver uma experiência onde a base do aprendizado é a troca, e a motivação vem do anseio de ir de encontro com o desconhecido e ter a chance de compartilhar isso depois.

Quer conhecer cada uma das minhas experiências como Worldpacker? Acesse meu blog e confira!


Cd3cfc30cc31a9907ff66c4ba05ba852

Aline Fernanda

Travel blogger - www.clicknaviagem.com.br | Writer | Explorer | Photographer | Nature Lover

Ago 21, 2018


Gostou? Não esqueça de deixar Aline Fernanda saber :-)


Deixe seu comentário aqui

Escreva aqui suas dúvidas e agradecimentos ao autor