Qual a melhor maneira de levar dinheiro para uma viagem ao exterior?

Tá em dúvida de como levar dinheiro numa viagem para o exterior? Cartão de crédito? Travel Card? Dinheiro vivo? Reunimos informações para você tomar a decisão certa.


83c7d46f2267b3467948759dc509165d

Juliana @virandogringa

Abr 01, 2019

Engenheira que largou tudo para ser tradutora e autora do Virando Gringa, segue lá! Gosta de falar de viagem muito barata (mochilão), dicas de inte...

Dicas para levar dinheiro para o exterior para uma viagem

Como levar dinheiro para o exterior é um dos assuntos que mais gera dúvidas entre viajantes. Está no grupinho dos assuntos intermináveis junto com “como comprar passagens aéreas baratas” e “como aprender inglês viajando”, que já abordamos por aqui.  

O que esses assuntos têm em comum? Em todos esses casos, cada pessoa promete uma solução ou "fórmula mágica" pra resolver. Um monte de gente diz que sabe “o segredo das passagens aéreas”, mas quando a gente vai verificar, grande parte é apenas um macete específico.

Por esses e outros motivos resolvi fazer esse post sobre como levar dinheiro para uma viagem ao exterior, tentando reunir o maior número de informações possível para tirar essa dúvida! 

Como as empresas que prestam serviços para levar dinheiro para o exterior são muitas, não vamos indicar empresas específicas, apenas falar de métodos e taxas para levar dinheiro em viagem!

Independente do jeito que você escolher, tenha sempre controle dos gastos! Existem alguns apps para organizar seu dinheiro em viagens que já citamos por aqui. Quando controlamos nossos gastos em tempo real, tem maior chance de sobrar dinheiro e até para guardar para a próxima viagem! 

Enfim, espero que te ajude a clarear as ideias. Como é um assunto complexo, não pretendemos esgotá-lo, mas sim enumerar as vantagens e desvantagens de cada método. Inclusive, se você tiver dicas extras sobre levar dinheiro para o exterior, deixe um comentário!

Qual o melhor jeito de levar dinheiro para o exterior em uma viagem?

O melhor jeito vai depender muito das suas preferências pessoais, por isso vou enumerar vantagens e desvantagens de cada método.

1. Dinheiro em espécie para uma viagem compensa?


Mulher contando dinheiro em espécie ao levar para o exterior

Vantagens de levar dinheiro em espécie numa viagem:

  • Maior controle sobre o que você gasta

Você pode separar o dinheiro em pacotes com o valor que você planejou gastar por dia, dessa forma você sabe exatamente quanto vai gastar e quando acabar, acabou. É útil para quem vai viajar com economia!

  • Menos taxas

Levando dinheiro em espécie você também evita de pagar IOF, o Imposto sobre Operações Financeiras, afinal é só sacar o dinheiro no seu banco normalmente como faria no dia-a-dia. No momento que esse post foi escrito o IOF estava 6,38%, o que é bem alto! Fugir dessa taxa é uma grande vantagem.

  • Poder “barganhar”

Outra vantagem do dinheiro em espécie é poder negociar numa casa de câmbio. Se estiver com uma quantidade boa, você ganha poder de barganha. Por exemplo, no Peru o Real estava custando $0,73 soles em 2018. Quando se encontra uma situação assim, é legal negociar centavo por centavo, pois pode ser que na hora de converter a diferença fique bem maior. Imagine assim: no preço que citamos acima, $100 Reais viram $73 Soles peruanos. Se você negociar e conseguir, por exemplo, $0,70 Soles para cada Real você ganha R$3 nessa pequena diferença. Parece pouco, mas quando você troca um montão de dinheiro de uma vez, os descontos se tornam cada vez maiores e esses poucos reais acabam virando muitos!

Desvantagens de levar dinheiro em espécie numa viagem:

  • Segurança

Pois é, levar um monte de grana não é a forma mais segura, pois o dinheiro pode simplesmente ser roubado e aí você se ferra! Existem técnicas como espalhar o dinheiro em vários compartimentos da sua mochila e da sua roupa, mas é sempre um pouco preocupante largar dinheiro no hostel. Se for fazer isso, pelo menos certifique-se de que o hostel tem locker (armário com cadeado ou tranca) e leve o seu cadeado!

Pode parecer que estou exagerando, afinal hostels não são tão perigosos assim, mas basta uma pessoa mal intencionada no meio de centenas bem intencionadas pra sumir todo o dinheiro da sua viagem. Não dê bobeira quando levar dinheiro em espécie no mochilão.

  • Limite de valor

É importante lembrar que, de acordo com as normas estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional e Secretaria da Receita Federal, não existe um limite de valor em dinheiro vivo para ser levado em viagens internacionais. Ou seja, não são cobradas taxas. Porém esse limite é colocado de outra forma: se a quantia alcança os R$ 10 mil, ou o equivalente em outra moeda, é preciso declarar.

É comum as pessoas não declararem a quantia por medo de ter que pagar taxas extras, porém o prejuízo é só em trabalho mesmo. Você precisa preencher um formulário, que pode ser pelo celular mesmo (note, tablet etc) ou ao vivo em postos de atendimento do governo no aeroporto. Procure por e-DVB (Declaração de Bens de Viajantes). Fazendo isso o viajante não paga taxa e não corre o risco de ser pego com uma grana que não foi explicada.

Viajar às vezes envolve umas burocracias chatas, fazer o que? Faz parte!

O que compensa mais: levar dólares ou reais?

Essa é uma dúvida recorrente de quem pretende levar dinheiro vivo para uma viagem. Infelizmente vou ter que te dizer que não existe resposta perfeita. Tudo depende de alguns fatores como a cotação do real e do dólar e pra qual país você vai.

De forma geral, é melhor não se precipitar em comprar dólar porque você pode perder dinheiro ao fazer câmbio duas vezes – de real para dólar e de dólar para a moeda do país de destino. 

Na América do Sul sempre levei Real e deu tudo certo. É melhor pesquisar país por país antes de ir e ver o que outros viajantes tem a dizer sobre cada moeda. 

Como é melhor prevenir do que remediar, lembre-se: nunca troque todo seu dinheiro, apenas uma parte. Diversifique os modos de levar dinheiro para não correr o risco de ficar sem nada caso um método falhe.

Caso você descubra que precisa mesmo levar dólar, ou já tenha certeza sobre a moeda que vai precisar, aconselho observar as oscilações de valor dessa moeda e ir comprando quando ela estiver na baixa. Assim, você pode acumular quanto estiver barato e na hora da viagem você já tem grana mesmo que esteja na alta. ;) 

Cartões pré-pagos são um bom jeito de fazer isso, olha só:

2. Travel Card / Cartão pré-pago

Cartões pré-pagos são muito usados porque são práticos e mais seguros que levar dinheiro vivo. Com esses cartões você tem opção de usar função de débito ou sacar. Você pode carregar tudo antes de viajar, ou pedir para alguém colocar crédito pra você do Brasil.

Um exemplo muito conhecido é o Visa Travel Money, por exemplo, onde você carrega o cartão e o valor do câmbio é aquele do dia de carregamento. É bom, porque não tem surpresas no próximo mês, como seria o caso de um cartão de crédito internacional.

Vantagens de usar cartão pré-pago para levar dinheiro em viagem:

  • Segurança;
  • Mais controle da cotação;
  • Dá para carregar de qualquer lugar, por qualquer pessoa;
  • Permite saque na moeda local.

Desvantagens de usar cartão pré-pago em viagens:

  • IOF de 6,38%;
  • Taxa de saque;
  • Nem todos os lugares e estabelecimentos aceitam cartão pré-pago.

Fique atentx: algumas empresas fazem a conversão para dólar ou euro no momento em que o cartão é carregado. Essa é a melhor forma porque você paga o câmbio do dia e tem mais controle. Aí dá pra acumular dinheiro na baixa, como mencionei. Outras empresas vão converter no dia da sua compra ou saque com o travel card, e você fica sujeito a variações cambiais. Tome cuidado pra não cair em cilada e leia as regras antes de fechar com uma empresa.

Outra coisa importante é o momento de sacar. Evite fazer vários saques pequenos, pois você vai usar bancos parceiros da empresa de cartão pré-pago, então se atente se o banco estrangeiro também não cobra por esse serviço.  Como a taxa de saque costuma ser alta, tire bastante dinheiro de uma vez.

3. Transferwise


O TransferWise mudou a forma de como levar e enviar dinheiro para o exterior

Falamos que não ia ter menção de empresas, mas é que essa merece. A TransferWise (TW) é uma das maneiras mais baratas de enviar dinheiro para o exterior. As taxas são menores que o IOF de 6,38% cobrado quando se usa cartão de crédito por exemplo, que vamos falar mais a frente.

O grande truque da TW é que utiliza o câmbio comercial e não o de turismo. Com isso, o viajante pode economizar até 10% do valor a ser trocado, dependendo da localização.

Além disso, a TransferWise faz uma transferência de recursos, de forma que o IOF a ser cobrado varia entre 0,38% e 1,1%. Funciona mais ou menos assim: a TW tem contas em vários países do mundo. A transferência é realizada sem que o dinheiro atravesse de fato as fronteiras entre países. Quando o seu dinheiro entra na conta da TW no Brasil, um aviso é encaminhado para a agência deles no país para onde você enviou o dinheiro. A unidade do exterior faz a operação para o beneficiário, sem a necessidade dos valores atravessarem fronteiras, o que evita as taxas tradicionais de envio internacional.

O problema é que pra funcionar, você vai precisar de uma conta no país em que está viajando. Vamos falar sobre isso no próximo tópico, que é sobre conta no exterior. Ou ainda você pode mandar para a conta de um amigo ou conhecido, mas nem sempre a gente tem alguém em quem confiamos tanto em qualquer país do mundo. 

De qualquer forma, Transferwise continua sendo um dos jeitos mais baratos de enviar dinheiro pro exterior.

Taxas da TransferWise para envio de dinheiro do Brasil para o exterior:

a) Se o beneficiário no exterior é a mesma pessoa que está enviando o dinheiro do Brasil é cobrado IOF de 1,1%. O custo somando o IOF com a comissão da TW é 3,2%.

b) Se está enviando dinheiro para conta de outra pessoa no exterior, o IOF é de 0,38%. O custo total de IOF + comissão da TW é de 2,5% sobre o valor enviado nesse caso.

4. Abrir conta em banco internacional 

Se você vai mudar de país ou passar um período de meses, compensa abrir uma conta em um banco internacional, ou um banco no exterior.

Um exemplo possível é o banco alemão N26, que atua em toda a Europa. Outro exemplo é o LeoPay (antes chamado LeuPay), que atende em mais de 200 países. É uma plataforma financeira e de pagamento com e-wallet (tipo o PayPal) que permite transferências de dinheiro e oferece aos clientes contas multi-moeda. 

A TransferWise lançou um serviço de conta multimoeda que ainda não está disponível no Brasil, mas logo pode estar! Nesse caso, dá pra receber dinheiro em vários países, incluindo Austrália, Reino Unido, Europa, Nova Zelândia e EUA.

A conta multimoeda também converte com o câmbio comercial e vem com o cartão de débito para gastar em qualquer moeda, em qualquer lugar. Tem várias regras, mas fica barato porque o uso do débito é grátis para pagar com as respectivas moedas da sua conta e os saques são gratuitos (até um limite mensal). Compensa ver com calma os detalhes no site deles. Enfim, são tantas opções que dariam outro post. 

Para abrir contas em bancos assim, você precisará de um endereço no país de destino. Caso consiga o endereço, compensa pois a maioria dos bancos digitais internacionais como esses dois citados não tem mensalidade, cobrando por operação e por saque. Nesse caso, você pode usar o TransferWise que citamos acima para transferir o dinheiro do Brasil para fora e depois só aproveitar sua conta internacional.

Vantagens da combinação conta internacional + transferwise:

  • IOF de apenas 0,38% ou 1,1% se a transferência for entre contas de um mesmo titular;
  • O câmbio praticado é o comercial;
  • Taxa de 2.5% por transferência;
  • Com o cartão de débito de um banco do exterior dá para usar a função saque com menores taxas;
  • Resolver tudo online

Desvantagens da combinação conta internacional + transferwise:

  • Abrir uma conta em banco internacional pode ser trabalhoso demais para quem vai fazer viagens curtas;
  • Se a moeda que você precisa não estiver disponível para uso no Transferwise ou na conta multi-moeda, você precisará transferir para dólar ou euro e depois trocar para a moeda local, o que vai causar prejuízo.

5. Cartão de débito de um banco brasileiro


O cartão de débito ainda é uma formas tradicional de como levar dinheiro para o exterior

O cartão de débito é uma opção cômoda para levar dinheiro para o exterior, já que você utilizará ele como já usa normalmente no Brasil. Se ativar o débito internacional com seu banco, apenas se ligue nas taxas de saque e o câmbio alto que os bancos praticam normalmente, além do IOF de 6,38%.

Vantagens de usar cartão de débito em viagem internacional:

  • Você acompanha com mais facilidade a cotação do dólar utilizada na conversão;

No cartão de débito internacional, a cotação do dólar é a do dia da transação, e não a do dia de pagamento da fatura como ocorre com o crédito. Como nossa moeda não é muito estável em relação ao dólar, a chance de ter sustos com variação cambial é menor quando usamos o cartão de débito em vez do crédito internacional, pois a conta do crédito só vem quando chegamos em casa.

  • Fazer saques na moeda local;
  • As compras com débito caem direto da sua conta, sem muita complicação;
  • Evita a necessidade de levar muito dinheiro vivo;

Claro, existem taxas que seu banco pode cobrar pelos saques e o valor do dólar (incluindo o IOF) costuma ficar em torno de 3% a mais que se levasse moeda estrangeira em dinheiro vivo. Então pense bem se essa comodidade vale a pena.

Desvantagens de usar cartão de débito em viagens internacionais:

  • O limite de gastos é relativamente baixo;

O limite para o uso do cartão de débito internacional costuma ser suficiente para gastos do dia a dia, mas uma grande compra tipo eletrônicos já passa do limite da maioria dos bancos. Em alguns casos, você pode ir ao banco e aumentar esse limite, só tome cuidado!

  • Cobrança de taxas pelo seu banco e às vezes pelo caixa eletrônico do parceiro internacional;

Para fazer saques internacionais você vai usar o caixa eletrônico de um banco parceiro do seu no exterior, que também vai cobrar taxas.

  • IOF de 6,38%;
  • Taxa de saque costuma ser alta;
  • A cotação vai depender do dia da compra e do banco;
  • Nem todos os estabelecimentos aceitam cartão de débito;
  • Em algumas cidades, nem tem caixa eletrônico ou seu banco não tem parceiros, aí ferrou! 

6. Cartão de crédito de um banco brasileiro

Essa é a opção mais perigosa! A gente não pode esquecer que o cartão de crédito é como um empréstimo do seu banco para você. Se não controlar, pode acabar pagando juros e taxas muito altas.

Vantagens de usar cartão de crédito em viagens ao exterior:

  • Adiar as dívidas;

A vantagem de usar o cartão de crédito no exterior é que você pode fazer tudo que tem vontade e depois pagar as faturas quando voltar ao Brasil.

  • Possibilidade de juntar milhas no cartão para as próximas viagens.

Desvantagens do cartão de crédito em viagem ao exterior:

  • IOF de 6,38% cobrado em cada uma das compras, não importa o valor;
  • Variação cambial.

8. Métodos ultrapassados? Cheque ou Traveller Check

Ainda existe cheque? Pois é, sim! Esse é um método que está caindo em desuso, mas já foi muito usado no passado. Alguns bancos já não trabalham mais com traveller checks há alguns anos, mas tem gente que gosta e ainda usa. 

 Vantagens de se levar traveller check para o exterior:

  • Segurança;

Os traveller checks ou cheques de viagem contam com seguro contra roubo, perda ou extravio que permite o reembolso em até 24 horas. 

Porém, é importante lembrar que existe uma certa lentidão nesse processo. O reembolso pode demorar alguns dias e você corre o risco de não ver seu dinheiro até o final da viagem. No mundo das contas digitais e smartphones, a tendência é que esse método acabe.

Desvantagens de se viajar somente com traveller checks:

  • Taxas iguais aos outros métodos;

Desde Dezembro/2013, a alíquota de IOF cobrada é a mesma que a dos cartões: 6,38%.

  • Cada vez menos aceito;

É cada dia mais difícil achar locais onde se troque os checks por dinheiro. Além de ser chato você ter que ficar indo trocar os cheques toda hora. Existem ainda locais de troca que cobram uma taxa extra para receber o traveller check.

  • Você ainda vai ter que lidar com dinheiro e moedas;

Você pode viajar com segurança usando os checks, já que ninguém consegue ir sacar sem ser você. Porém, depois que o dinheiro está trocado, voltamos à estaca zero com a insegurança de ficar andando com todo seu dinheiro vivo nas mãos.

  • Tem que procurar postos de troca;

Você tem que achar postos de troca e locais que aceitam cheque na cidade onde está indo. 

No fim das contas não existe um método único que seja perfeito

É importante colocar dinheiro em diferentes meios para garantir que você não vai ficar na mão.  Além das taxas e impostos para a compra da moeda estrangeira, se atente sempre para a questão da segurança de andar com dinheiro e os limites aplicados caso use cartão. 

A melhor opção é ter um pouco de dinheiro em cada um dos métodos!

Esperamos ter ajudado, se tiverem sugestões, deixe nos comentários!

Se você quer se aventurar pelo mundo como nômade digital e viver a vida com uma rotina diferente, além de diferentes tipos de voluntariado, a Worldpackers também oferece cursos onlines que vão te ajudar a ganhar uma grana extra enquanto viaja. 


83c7d46f2267b3467948759dc509165d

Juliana @virandogringa

Abr 01, 2019

Engenheira que largou tudo para ser tradutora e autora do Virando Gringa, segue lá! Gosta de falar de viagem muito barata (mochilão), dicas de inte...


Gostou? Não esqueça de deixar Juliana @virandogringa saber :-)


Deixe seu comentário aqui

Escreva aqui suas dúvidas e agradecimentos ao autor