Como um worldpacker pode ajudar o anfitrião a conseguir bons reviews

O Vinicius, do Green Haven Hostel, dá dicas sobre como você pode receber boas avaliações nas plataformas de booking com a ajuda de seus voluntários.

5min

O worldpacker que trabalha em contato direto com o público é fundamental na conquista de bons reviews. Para alguns anfitriões pode parecer óbvio, mas tenho certeza de que seguir esse procedimento vai ajudar muito quem ainda não colheu os frutos de receber bons reviews com a ajuda dos voluntários.

Existem quatro passos essenciais que você deve seguir para que o resultado esperado ocorra, mas antes devo relembrá-los de que os packers são hóspedes que estão trocando acomodação por ajuda; então, precisamos ter a consciência de que eles não são funcionários do seu meio de hospedagem. Também queremos deixar claro que, mesmo seguindo essas diretrizes, você pode errar nas escolhas - mas esses erros vão acontecer de forma bem esporádica pois agora você terá uma linha para seguir.

1. Como escolher o worldpacker - turista colaborativa ou o popular "tuco"

Escolher o viajante certo para o seu negócio não será fácil. Antes de começar a aceitar as inscrições para a experiência no seu meio de hospedagem, você tem de se perguntar:

  • Qual é o tipo de hospedagem que eu tenho?
  • Com qual tipo de público eu trabalho?
  • Se eu fosse meu hóspede, como eu gostaria de ser recebido?

Com isso, você tem uma linha para direcionar a sua escolha. Se eu tenho um hostel mais zen, por exemplo, não vai me ajudar muito ter um packer super baladeiro; se meu tipo de público é na maioria de estrangeiros, não adianta eu ter uma pessoa que não fale inglês – e o mesmo vale para o contrário. Por último, eu gostaria de ser recebido por alguém que se importasse verdadeiramente em receber bem as pessoas.



2. A hora da seleção

Quando você receber a inscrição de um packer, não julgue o livro pela capa: as pessoas são diferentes - e muitas vezes podem até parecer estranhas -, mas aí você se pergunta: e quem não é diferente e estranho? Todo mundo é “diferentemente estranho”, inclusive você. O que realmente importa é a boa índole e o coração.

O primeiro contato com o ajudante é a hora que você recebe a inscrição. Neste momento, o anfitrião deve ser verdadeiro e sempre começar a explicação da função a ser exercida da parte mais legal para a parte menos legal. No final deste primeiro contato, você deve deixar claro que, para ele ter uma experiência inesquecível, ele tem que te ajudar e que você vai confiar nele.

Dependendo da resposta, você já pode aceitá-lo instantaneamente e, se não gostar da resposta, já recuse: no futuro, o voluntário pode fazer algo errado e você atribuir a culpa deste erro à sua omissão de não encerrar a inscrição. Se não gostou do viajante no primeiro contato, não adie o inevitável: lembre-se de que você já tem muita coisa para se preocupar na gestão do seu negócio e não precisa de mais um novo futuro problema.

A partir do momento que você aceitou o worldpacker, é hora de ajudá-lo com todas as informações necessárias, por exemplo como chegar ao seu destino.



3. Treinamento

Lembrem-se de que os packers são hóspedes que estão te ajudando, então não coloque responsabilidades excessivas sobre os ombros deles.

No dia da chegada, a melhor coisa a se fazer é deixá-los sem fazer nada, só conhecendo o ambiente. Nos 3 dias subsequentes, ensine-os a fazer um pouquinho de tudo, um dia em cada turno, mas sem exigir muito. Isso mostrará que a função a ser exercida não é um trabalho.

A partir do quinto dia, você já pode direcioná-los para as tarefas combinadas, mas há casos em que o recomendado seria no sétimo dia, já que existem pessoas que demoram mais para aprender a executar certas tarefas.

Nesses primeiros dias, não esqueça que você deve explicar para o packer como a hospedagem funciona. Esta explicação é basicamente a mesma que você faz para um hóspede. Não recomendo a explicação muito aprofundada das tarefas do staff até passar esse período de testes - entre quatro a sete dias -, porque às vezes o voluntário decide não ficar e você só perdeu tempo.

Passado o período de testes, você ou o responsável por treinar a equipe têm de conversar com os viajantes e explicar as suas respostas das três primeiras perguntas deste texto: qual o tipo de hospedagem ele está, com qual tipo de público você trabalha e como você gostaria que recebessem os seus hóspedes na sua hospedagem.

Depois disso, treine-os para receber bem as pessoas, sempre com muito carinho, pois eles receberão os seus hóspedes ou, como nós chamamos, os seus guests.



4. Dia a dia

Devemos sempre ter uma relação sincera com os viajantes: eles têm de se sentir queridos, bem acolhidos e como parte importante da engrenagem. Não olhe para eles como funcionários, sempre pergunte se eles estão precisando de alguma coisa, se estão bem e, principalmente, se estão felizes.

Na primeira semana eles vão errar bastante, na segunda semana eles começarão a acertar, na terceira semana eles estarão bons e na quarta semana eles irão embora - já que as experiências no Green Haven duram até quatro semanas.

Conversem bastante com os packers e peçam para fazerem relatórios de turno falando principalmente sobre coisas que eles considerem importantes e sobre o estado de espírito dos hóspedes - com uma atenção maior aos que estão reclamando de qualquer coisa. Este relatório pode ser bem simples, como por mensagem de áudio no WhatsApp.

Certifiquem-se de que eles irão viver as experiências que um hóspede normal está vivendo no destino e dentro da sua hospedagem, afinal o worldpacker também é um guest.



Depois desses quatro passos, você terá um ajudante que é, na realidade, um hóspede que recebe muito bem os outros hóspedes.

Por minha experiência, pode ter certeza que bons reviews virão! Uma vez que o hóspede viveu experiências incríveis com um outro hóspede - o próprio packer - que está ligado à hospedagem, isso é nota boa garantida.

Resumindo: para o worldpacker ajudar a hospedagem a receber bons reviews, o anfitrião deve escolher bem, ser sincero, treiná-lo e deixá-lo feliz.




Deixe seu comentário aqui

Escreva aqui suas dúvidas e agradecimentos ao autor