Como viajar para o Peru gastando pouco com a Worldpackers

Viajar para o Peru gastando pouco é possível e você pode economizar muito dinheiro. Nesse artigo você vai encontrar tudo sobre como viajar mais barato para o Peru.

E6c092cf4e24ab26297e84fb519ab91c

Kelvin @sobezito

Nov 26, 2020

14min

como-viajar-para-o-peru-gastando-pouco

Por que viajar para o Peru?

O Peru é considerado um dos países mais baratos para viajar e também um dos melhores destinos com praia na América do Sul para conhecer. O país compartilha muita história, costumes, gastronomia, metrópoles atraentes e uma incrível diversidade geográfica. Como o litoral do Pacífico, floresta amazônica, desertos, montanhas e uma linda porção dos Andes.

Viajar para o Peru gastando pouco pode ser uma excelente alternativa para você desenvolver suas habilidades no espanhol e reduzir os custos em relação a outros países de língua espanhola, como por exemplo a Espanha, que fica na Europa e que costuma ser muito mais caro viajar em relação a países de idioma espanhol e que ficam na América do Sul, como é o caso do Peru.

Brasileiros não precisam de passaporte ou visto para a entrada no país e o único documento necessário para viajar para o Peru é seu RG, que lhe dá permissão para ficar até 90 dias. No entanto, se você é como eu e quer registrar as memórias de viagem, você pode apresentar o seu passaporte para carimbar e colecionar o selo de viagem ao Peru.

É importante lembrar que no Peru não há exigência da apresentação do certificado internacional de vacinação contra a febre amarela. Mas é sempre recomendável ter essa vacina, por se tratar de um país com algumas regiões tropicais.

Destinos para viajar barato no Peru 

O Peru é um dos países onde a Cordilheira dos Andes proporciona grande variedade de paisagens e reservas naturais. Desde o sul, passando por suas montanhas na selva, até trechos onde a neve repousa há milhares de anos. 



Esta magnífica cadeia de montanhas foi casa de grande parte da população peruana por séculos. Além do legado do Império Inca, que dominou essas terras durante o último período antes da colonização espanhola, até hoje pode-se encontrar tradições andinas preservadas, cultura ancestral que o povo cuida com muito orgulho.

As cidades localizadas em maior altura da América do Sul se encontram no Peru. Puno e Cusco são alguns exemplos. Haja fôlego, hein? Então para você não ficar mal de altitude, folhas de coca e munã vão melhorar muito na sua oxigenação.

Enfim, são inúmeras as opções de destinos para viajar barato no Peru. Veja algumas delas:

1. Puno, Peru

Puno se encontra a poucos quilômetros da cidade de La Paz, na Bolívia e está a 3.800 metros de altitude. 

A cidade é conhecida por sua cultura folclórica e pelas águas que banham sua costa, as do Lago Titicaca, que é o lago navegável mais alto do mundo

Compartilhado em partes quase iguais entre o Peru e a Bolívia. As águas deste lago são provenientes das cordilheiras do Andes, que descem de diferentes picos de elevação e dos diferentes rios que chegam ao Lago Titicaca.



2. Cusco, Peru

Cusco se encontra na região sul do país e está 3.400 metros mais perto das estrelas. 

Por ser uma das cidades mais turísticas do Peru, conhecer Cusco e Machu Picchu virou quase obrigatório. Você poderá escolher entre uma série de passeios guiados partindo dali. 

Machu Picchu é uma das sete maravilhas do mundo moderno e símbolo da civilização Inca. Uma cidadela construída sobre as montanhas, rodeada de rios e de uma exuberante vegetação. 

Entre as diversas maneiras de ir para Machu Picchu, a mais econômica é viajar por conta própria, chegar pela rota hidrelétrica e comprar o bilhete de entrada com antecedência pela internet.

Saindo da altitude e indo de encontro ao mar, Lima é a capital do Peru e fica no litoral do país, sendo banhado pelo oceano Pacífico. 

Você irá conhecer a cidade mais populosa, diversa e cosmopolita do país e encontrar de tudo um pouco. Desde sítios arqueológicos, templos (huacas), parques, museus, mercados, os principais bairros da cidade, como Miraflores e Barranco e uma das gastronomias mais ricas do mundo.

Você também pode combinar esses destinos e planejar um roteiro estendido com intercâmbio no Peru. Aqui vão alguns destaques:

Como viajar para o Peru gastando pouco

Viajar para o Peru gastando pouco é possível e você pode economizar muito dinheiro. Tudo depende do estilo de viagem que deseja seguir. 

Os principais gastos de uma viagem no Peru são transporte, hospedagem, alimentação e passeios. Existem gastos que você terá que planejar com alguns meses de antecedência, como por exemplo, sua passagem aérea. 

Para facilitar, você pode utilizar os buscadores Google flights ou Skyscanner.



Muitas pessoas acham que viajar para o Peru é caro justamente por conhecerem apenas o modelo de viagem de 3 a 7 dias dos roteiros de agência. Que além de superfaturados, não te permitem respirar, parar e fazer as coisas do seu jeito e no seu tempo. 

No entanto, existem algumas facilidades que qualquer tipo de viajante pode optar escolher para economizar muito na viagem para o Peru e conseguir viajar por mais tempo. Uma dessas facilidades, por exemplo, é a hospedagem gratuita.

Dicas para economizar em hospedagem no Peru

Pesquise bastante e escolha hospedagens alternativas. Passe mais tempo em cada lugar, viva como um local e converse com os moradores locais. Se você quer viajar bastante e por um longo período de tempo a melhor opção é trabalhar em hostel

É o melhor lugar e a forma mais barata para você conhecer pessoas, fazer passeios, ir em festas e dormir. Inclusive, a maioria tem café da manhã incluso.

O melhor de tudo é que se você possui alguma habilidade, você pode trocar algumas horas de trabalho por acomodação. E não precisa ser algo que você seja expert, aqui é importante estar disposto a aprender e desenvolver novas habilidades.

Então, se você está pensando em economizar bastante em acomodação, com a Worldpackers você pode trabalhar no Peru em troca de hospedagem gratuita. Eu, por exemplo, trabalhei em Puno e em Cusco trocando algumas horas de trabalho por acomodação, café da manhã e almoço. 

Alguns hostels oferecem as 3 refeições e você poderá economizar ainda mais com alimentação.



Você pode ser ajudante de bar, aprender a preparar drinks típicos do Peru, como por exemplo o Pisco Sour e ainda ganhar drinks free (de graça, na faixa mesmo). Como foi o meu caso em Cusco, no hostel Kokopelli

Ou então ajudar na recepção de um hostel, desenvolvendo as suas habilidades no espanhol, como foi o meu caso em um hostel de Puno e de quebra conhecer as maravilhas do lago navegável mais alto do mundo, o Lago Titicaca.

Uma outra alternativa para reduzir seus custos com acomodação e um ótimo coringa para o seu mochilão pela América do Sul é viajar com uma barraca. Principalmente se você optar fazer trekkings que levam mais de 3 dias.

Ah, e para chegar em seu voluntariado no Peru mais preparado, a Worldpackers Academy lançou um curso básico de espanhol para viajantes, perfeito para estudar espanhol naqueles meses de preparação da viagem.

Dicas para economizar com alimentação no Peru

Como fazer para comer bem e barato viajando por Cusco, Puno e Lima? Prepare a sua própria refeição. Cozinhe, como se fosse uma vida normal e cotidiana. 

Por isso morar em hostel é uma ótima opção, a maioria oferece cozinha à disposição para você cozinhar sua própria comida. Cozinhando você economiza e pode fazer uma alimentação saudável.

E se você não come carne é mais barato ainda. Carne é muito caro e se puder evitar, evite. Dessa forma vai pesar bem menos no bolso e no seu orçamento de viagem para o Peru, pode ter certeza. Uma coisa legal das cozinhas de hostel é que sempre tem uma cesta com comida free para você pegar à vontade (caso você esteja realmente na situação de reduzir o orçamento da viagem).

Mas se você optar comer em restaurante, evite lugares turísticos e pesquise bastante, busque sempre se informar onde pode encontrar opções de pratos típicos mais econômicos. A gastronomia peruana é riquíssima e vale muito a pena experimentar, existem diversas opções em restaurantes simples que servem menu completo e com um preço justo.



Dicas para economizar com transporte no Peru

Para se locomover pela cidade e economizar com transporte, explore os lugares a pé, de bicicleta ou então utilize o transporte público local. Por exemplo, eu gastava 1,5 Soles para fazer um trajeto de 15 km do centro de Puno até o hostel, onde eu era voluntário.

Sem dúvidas, o melhor meio é caminhar. Caminhe e sinta a liberdade de usar o seu próprio corpo para se locomover. Sempre que dá eu vou andando para os lugares, pesquiso como chegar, vejo a distância no Maps.me ou Google Maps e vou caminhando. 

Por isso, viaje com pouca bagagem e seja minimalista. Se possível, ande de bicicleta também. Inclusive, alguns hostels oferecem bicicletas grátis se você estiver fazendo trabalho voluntário com a Worldpackers.

Quando você vai caminhando, além de tomar seu próprio tempo, estará praticando uma atividade física, pegando um solzinho, e ainda acaba conhecendo a cidade de uma outra perspectiva. Além disso, você tem um contato mais direto com os locais, escuta as conversas nas ruas, assimila outro idioma e vive realmente como um local.

Viaje de ônibus pelo Peru. É um país sensacional para percorrer de ônibus por suas lindas paisagens naturais. Sem contar que é um país muito econômico para se locomover de ônibus. 

Você também pode optar viajar de carona. Eu tive apenas uma experiência de carona pelo Peru, nas regiões montanhosas de Ancash. E ouvi relatos também que é mais fácil viajar de carona pelo litoral peruano.



Dicas para economizar em passeios no Peru

Explore a cidade com os free walking tours. Pesquise os dias e horários e aproveite para fazer amizade com outros viajantes de diferentes partes do mundo. Combine passeios pela cidade e conheça pessoas locais. 

Isso poderá abrir um universo de possibilidades para você, pois normalmente os locais possuem as melhores dicas para economizar em passeios.

Em algumas ocasiões, você pode contratar agências para fazer os passeios. Mas procure se informar antes qual tipo de atividade que você consegue fazer por conta própria, pois é o caso da maioria. Se joga e vai, não é tão difícil quanto parece. Uma dica extra na hora de você selecionar o seu voluntariado pela Worldpackers é filtrar por lugares que ofereçam atividades e passeios de graça no Peru.

Faça dinheiro enquanto viaja pelo Peru

Faça dinheiro enquanto viaja pelo Peru. Por quê não? Você não precisa ser um expert em nenhuma área específica. Aqui vale muito mais a criatividade! 

Você pode explorar os seus talentos, vender sua arte ou então arranjar trabalho em alguns lugares enquanto viaja. Se você sabe cozinhar, tocar algum instrumento ou fazer artesanatos, você já conta com excelentes alternativas para vender sua arte por aí. 

Eu mesmo já utilizei essas três alternativas viajando pela ArgentinaChile, e assim, pude ir mais longe viajando pelo Peru. Não custa nada tentar, não é mesmo? Comece com uma e vá aprimorando ao longo da viagem. Você pode descobrir novas habilidades que nem imaginava.



Na mesma linha de fazer dinheiro enquanto viaja, pratique também o escambo. Mas nesse caso, você pode trocar um serviço por algum benefício. Por exemplo, se estiver voluntariando em um hostel na América do Sul e quiser fazer um tour de graça, você pode oferecer um serviço extra para seu anfitrião e quem sabe negociar um tour grátis. 

Eu fiz isso em Puno, e consegui 2 tours de graça. Um deles era a visita até as Islas de Los Uros e de Taquile (no mesmo dia) e em outro dia eu saí para visitar o Complexo arqueológico de Sillustani. Eu apenas me disponibilizei para ficar 1 turno a mais na recepção do hostel. E deu certo. 

Tentar não custa nada e o não você já tem. Então, vai na fé.

Minha experiência viajando com pouco dinheiro no Peru

Minhas experiências viajando pelo Peru foram bem econômicas, primeiro porque realizei trabalho voluntário na América do Sul e de quebra economizei muito em hospedagem, alimentação e lazer. 

Segundo, porque o transporte e a comida peruana são muito baratos. Fiz muitos passeios de graça em Puno e consegui preços de passeios em Cusco muito acessíveis pesquisando muito e conversando com moradores locais.

Voluntariado em Puno com a Worldpackers

Meu anfitrião me recebeu em sua casa como se eu fosse um filho e um membro de sua família. 

Além de conhecer sua esposa Yessica e seus dois filhos. Ajudei nas mais diversas tarefas, como limpeza, cozinha, recepção e redes sociais. 

Eu trabalhava no turno da manhã, ganhava todas as refeições, tinha um quarto privado, com televisão, banheiro e bicicletas a minha disposição. Nos meus 2 dias de folga, Rebelhino me convidava para explorar a região.



Viver em Puno foi uma experiência muito valiosa e marcante para a minha vida. Lugar místico, às margens do maior lago navegável do mundo e carregado de muitos mistérios. 

Aprendi muito sobre a cultura local, algumas palavras do idioma Aimará e fiquei encantado com toda a história e vista do Lago Titicaca. Além disso, Rebelhino, meu anfitrião, me levava toda semana para conhecer algum lugar incrível de Puno.

Lembrando que toda essa experiência que tive foi de graça em quatro semanas imersivas e de muito aprendizado. Alguns lugares que conheci:

  • Vale dos Gigantes (Valle de los Gigantes);
  • Tunuhuire (templo sagrado Pré-Inca);
  • As ilhas flutuantes de Los Uros (Islas Flotantes) e a Ilha de Taquile (Isla Taquile);
  • Praia das Charcas (Playa Charcas);
  • Complexo arqueológico de Sillustani (as margens da Lagoa Umayo) e as Chullpas de Molloco: cemitérios de civilizações antigas, construídas com Chullpas de pedra de até 12 metros de altura e que foram levantadas para enterrar figuras de alto escalão da nobreza Colla;
  • Casa do Sol ou portal dos deuses: Willka Uta e a Cidade dos espíritos: Portal de Aramu Muru ou “Hayu-Marka” em Aimará;
  • Mirante da cidade de Puno: O símbolo do mirante é um Puma por tratar-se de um animal vigilante relacionado à proteção dos Andes (Trilogia Andina: Puma, Condor e Serpente). Construído sobre uma fonte de água que simboliza o Lago Titicaca.


Voluntariado em Cusco com a Worldpackers

De Puno fui de ônibus para Cusco para realizar o meu segundo voluntariado no país.

 Viajar para Cusco é vivenciar uma mistura de sensações. Andar por suas ruas é respirar a sua história. Cheguei em Cusco e de cara já dá para sentir toda a sua energia especial e mística.

Trabalhei no bar do hostel Kokopelli fazendo bebidas e o ambiente era mais descontraído e agitado, bem diferente do que vivi em Puno, que era mais calmo e tranquilo. 

Conheci pessoas incríveis e fiz amigos do Brasil, Colômbia, Austrália, Estados Unidos, e é claro, peruanos também. Foi uma experiência muito divertida. O hostel disponibilizava entrada gratuita para algumas festas da cidade e alguns drinks na faixa também, sim, tudinho de graça.

Há muito o que fazer no Peru e em Cusco de graça. Além dos free walking tours, passei pela Plaza de Armas, visitei algumas igrejas e museus, caminhei pelas ruas estreitas de San Blas, explorei algumas trilhas ao redor da cidade com outros viajantes, vi algumas cavernas e ovelhas no caminho e também apreciei um lindo pôr do sol no Templo de la Luna.

Partindo de Cusco, também fiz os passeios para a Laguna Humantay e para a Montanha das 7 Cores. Depois de muita pesquisa e conversa com moradores locais, consegui um pacote de apenas 100 Soles para realizar os dois passeios, em dias diferentes. Inclusive, o café da manhã e o almoço também eram incluídos.

Existem diversos outros passeios que saem de Cusco, como por exemplo alguns dos mais incríveis sítios arqueológicos da América Latina, que ficam localizados ao redor da cidade. No entanto, para visitá-los há que pagar também. Portanto, pesquise bastante antes de sair colocando a mão no bolso e escolha a melhor opção para você.

Viva o Peru que vai além de Machu Picchu

O melhor de viajar é poder conhecer e se conectar com outras pessoas. Conheci Jessica através do Couchsurfing, uma professora de espanhol e português que me convidou para passar alguns dias em sua casa, em Chacas, no Parque Nacional Huascaran, região de Ancash.

Jessica é uma pessoa maravilhosa, com uma energia positiva impressionante. Fui recebido muito bem em sua casa. Ela fala português fluentemente e dá aulas para uma turma em sua casa. Tive o privilégio de conhecer seus alunos incríveis e pude compartilhar um pouco da cultura do Brasil com eles também.



Além disso, mergulhei um pouco na história e aprendi algumas palavras do idioma local Quéchua, como por exemplo os seus deuses incas: o Sol, ou 'Inti', sua principal divindade inca; a Terra ou ‘Pachamama’, a deusa da fertilidade e a Montanha, ou 'Apus'.

Chacas é uma cidade situada no meio das montanhas, a grandes alturas. Suas estradas ainda são rudimentares, sinuosas e, em alguns trechos, perigosas, que contornam altos precipícios e, em outros, a estrada acompanha o curso dos rios.

Tive a oportunidade de conhecer um lugar incrível e ainda pouco explorado, que só quem vive como local conhece bem como fazê-lo da forma mais econômica possível. 

Esta é uma das melhores partes de uma viagem de mochilão por Peru, Bolívia e Chile: conhecer pessoas locais que vão te direcionar para lugares que só eles sabem.  Jessica me auxiliou de como eu poderia fazer o percurso por conta própria. E lá fui eu.

Saí de Chacas em direção ao túnel mais alto do mundo, que está a 4.736 metros de altitude. Peguei um táxi no meio do caminho por 5 Soles, pois não há opção de transporte público e, mesmo assim, é um preço muito justo para 30 km de estrada. 

Outra opção é pegar carona (foi o que eu fiz na volta). O percurso todo é muito bonito. Encontrei animais no meio do caminho como cavalos, bois, vacas e um cachorro. Neste lugar você está cercado por diferentes montanhas e nevados, além de duas lagoas com cores totalmente distintas, Cancaragá (cor turquesa) e Belaúnde (cor verde).



Além disso, tive contato com a neve e aproveitei para fazer um bonequinho. 

Chegando ao túnel (você deve pedir para o motorista te deixar na saída do túnel), inicia a trilha para a Punta Olímpica. Foi uma trilha intensa e cheia de energia. Não havia mais ninguém na trilha, fiz ela toda sozinho. 

Momento perfeito para estar presente e consciente. A parte mais emocionante foi quando cheguei na lagoa Cancaragá. Foi um colírio para os meus olhos e a sensação de gratidão era imensa naquele momento. 

Me apaixonei pela região. Este lugar renovou as minhas energias. Sem dúvidas, uma das melhores experiências que tive viajando pelo Peru. Agora entendo porque os incas veneravam as montanhas e os peruanos também - as montanhas dão a energia para continuar seguindo em frente.

Finalizando o meu roteiro no Peru

Para fechar com chave de ouro, depois de 2 meses viajando pelo Peru, o destino final deste país incrível não poderia ter sido melhor: a praia de Mancora

Depois de meses encarando o frio, pude me reencontrar com a praia e sentir aquela sensação da brisa do mar novamente. 

Diferente das praias do Chile, com as águas geladas do Oceano Pacífico, a praia de Mancora, no Peru, é uma excelente opção para fugir do frio, curtir uma praia, entrar no mar e desfrutar das noites badaladas em todas épocas do ano.



Peru, gratidão por ter me proporcionado momentos tão mágicos. A vontade de voltar é imensa. O que me deixa aliviado é saber que você continuará por aí, enquanto eu, sigo em movimento, deixando rastros das maravilhas por onde passei.

Saraskakiñani jilata o kullaka (Seguimos caminho irmão e irmã) - Idioma Aimará.

Qualquer dúvida deixe nos comentários abaixo ou me dê um oi no Instagram. Também faço vídeos para o YouTube. Até a próxima!



Deixe seu comentário aqui

Escreva aqui suas dúvidas e agradecimentos ao autor












Mais sobre esse tema