janela-do-onibus-san-pedro-de-atacama

Eu fui, mas nunca voltei de fato.

Uma viagem, um mês, um ano inteiro, nunca retornei por completo e, não importa o que aconteça daqui em diante, para onde eu vá… sei que jamais partirei o mesmo. 

A volta é feita do todo. Nela cabe tudo que aconteceu, a vida que se fez valer, um mundo que se abriu. 

Por que é sempre pôr do sol quando voltamos? Olho pela janela e lá longe, acima da linha laranja que corta o horizonte, vejo meu reflexo coberto pelas nuvens, hora sorrindo, hora sentindo. 

Me encarando, penso em tudo e em nada. Lembro exatamente do dia em que cheguei, da música dizendo que 'preciso me encontrar'

No ônibus lotado, no vôo alto ou no carro alugado, não consigo parar de pensar no que vai ser daqui pra frente. Tudo passou tão rápido, mas não vejo a hora de chegar, ah, essa é a paisagem mais bela da viagem.

Da janela, tudo é tão dourado que torna-se lucidez. Por que na estrada tudo fica mais intenso? Por que me sinto tão vivo? Para onde vai essa vontade quando volto pra casa?

De tanto pensar, já é noite. Não me vejo mais lá fora. Apenas uma voz ao fundo, a música que me acompanhou por mais essa estória sem fim.

Estou, em parte, de volta. Cansado, quebrado, mas mais preparado do que nunca para partir de novo.

Como Nelson falou, não há nada como regressar a um lugar que está igual para descobrir o quanto a gente mudou. 

E aqui estou. Todo o peso ficou pra trás. Toda a vida tornou-se mais viva. Sou de novo um novo eu.


Ea3dc39ca0b2f6b5f17abddec1f0e9a4

Allan

I'm on a lifetime mission to forge a future of sustainability, equality, altruism & fulfillment. ...

+ Ver mais

Dez 02, 2018


Gostou? Não esqueça de deixar Allan saber :-)


Deixe seu comentário aqui

Escreva aqui suas dúvidas e agradecimentos ao autor