10 dias em Ilha Grande fotografando e filmando como worldpacker

Com a demanda de conteúdo para mídias sociais e internet, saber fotografar ou filmar se torna uma habilidade super bem vinda para quem deseja viajar o mundo voluntariando. Absolutamente qualquer tipo de negócio pode fazer bom uso de fotos e vídeos.


96d4019e31cdb4200697f1efad9b6f82

Cadu

Olá, meu nome é Cadu Cassaú, sou Biólogo, Mestre em Engenharia Ambiental e atualmente viajo o mun...

+ Ver mais

Ago 31, 2018

Todas as vezes que eu busquei uma experiência de voluntariado para fazer, eu procurei por lugares que precisam das minhas expertises profissionais, como fotografia, produção audiovisual, gestão de mídias sociais e marketing digital.

Profissionalmente, eu vejo o voluntariado como uma forma de aprimorar os meus conhecimentos técnicos, desenvolver portfólio, construir networking em diferentes lugares e até mesmo encontrar oportunidades de levantar uma grana através de um trabalho como freelancer. Tudo isso através da economia colaborativa que o voluntariado proporciona.

A Ilha Grande tem um lugar especial no meu coração. Eu sou formado em Biologia e já visitei diversas partes distintas da ilha para fazer trabalhos de campo durante a graduação, mas nunca havia ficado no lugar mais badalado da ilha, a Vila do Abraão, e acreditava que já estava na hora de ter esta experiência.

No site do Worldpackers eu pesquisei pelos hostels da Ilha Grande que estavam cadastrados na plataforma, e quais deles estavam procurando por trabalhos relacionados a produção de conteúdo, assim eu poderia também registrar tudo isso em vídeo e mostrar para outras pessoas um pouco sobre como é viajar e trabalhar desta maneira.

Se você não viu esse vídeo ainda, aqui está:

O hostel topou hospedar a gente por dez dias em troca de uma nova sessão de fotos internas e externas para o albergue, abrangendo fotos dos quartos, das áreas comuns e de alguns lugares turísticos da Ilha Grande.

A vida na Ilha Grande não é das mais baratas. Por ser uma ilha, o acesso a mercadorias se torna um pouco custoso e os mercados repassam isso para os turistas que habitam a ilha.

Existem poucos produtores locais que vendem frutas, ovos e legumes por preços mais baixos, mas os mercados costumam vender tudo por até 40% mais caro do que você encontraria em sua cidade.

Comer na rua em lugares simples, como um prato feito para o almoço, girava em torno de 18 a 25 reais, enquanto que a noite as opções costumavam ser mais caras, com os diversos restaurantes e lanchonetes disponíveis na Vila do Abraão.

Detalhe muito importante, não existe caixa eletrônico na Ilha Grande. Para sacar dinheiro, é preciso pegar o barco de volta para Conceição de Jacareí, Paraty ou Angra dos Reis.

O trabalho foi muito tranquilo e não houve nenhuma cobrança com horários, pois o que acordamos com o pessoal foi de entregar todo o material fotográfico que fizemos ao longo dos dias que ficamos na ilha.

Dessa forma, ao longo da semana agendamos com a gerência do hostel os horários que os quartos estariam disponíveis e arrumados para fazermos as fotos necessárias, e o resto de tempo fomos explorar os arredores da Vila do Abraão e alguns passeios de barco para capturar algumas imagens diversas para o site e mídia social do hostel.

Se você está planejando fazer uma viagem trabalhando com produção de conteúdo audiovisual e não sabe o que comprar, a minha dica é que você tente carregar os equipamentos mais compactos possíveis e a menor quantidade deles. Para saber sobre todos os equipamentos que levamos conosco nessa viagem de quatro meses pelo Brasil, assista ao vídeo abaixo:

Essa não seria a minha primeira vez fazendo fotografia de interiores para um hostel / hotel, na verdade esta foi uma das formas que eu descobri de ganhar dinheiro na estrada enquanto viajava pela Ásia e Oceania.

É muito importante que você tenha consigo uma lente grande angular ou uma olho de peixe, pois com esse equipamento se torna possível capturar tudo que há dentro do quarto e dar uma dimensão melhor de espaço para a pessoa que for visualizar a foto.

Nós não tínhamos iluminação artificial para as fotos, então todas foram feitas com a luz do dia mesmo, mas se você quiser investir em um pequeno painel de LED que você possa levar consigo em sua viagem, com certeza será muito útil.

Tirar as fotos no modo manual da câmera, no formato .RAW e depois editar bem a foto no Adobe Lightroom fazem parte do processo básico para registrar os ambientes de um estabelecimento comercial que precisa ter um bom material de comunicação para a internet.

No youtube é possível aprender diversas técnicas bacanas sobre como tirar e editar fotos de interiores, basta pesquisar por "Tutorial Fotografia de Interiores" ou "Interior Photography" se você conseguir entender bem inglês. A verdade é que 95% de tudo que eu aprendi a fazer e se tornou o meu trabalho ou a minha forma de viajar hoje em dia, eu aprendi com tutoriais na internet, e você também pode fazer o mesmo se desejar.

Saiba que na minha jornada eu não planejei aprender a filmar e fotografar para me tornar um youtuber ou um freelancer, eu buscava apenas uma forma de bancar a minha viagem ou voluntariar pelo mundo e, com o tempo, estes conhecimentos foram se transformando no meu negócio e estilo de vida.

A gente nunca consegue vislumbrar o caminho inteiro e todas as possibilidades que temos a nossa frente, mas abraçar o desconhecido e seguir confiante de nossas ideias e vontades é o que nos faz conquistar todos os sonhos que desejamos, inclusive o de viajar o mundo trabalhando para si mesmo. :)

Sucesso na jornada, galera!


96d4019e31cdb4200697f1efad9b6f82

Cadu

Olá, meu nome é Cadu Cassaú, sou Biólogo, Mestre em Engenharia Ambiental e atualmente viajo o mun...

+ Ver mais

Ago 31, 2018


Gostou? Não esqueça de deixar Cadu saber :-)


Deixe seu comentário aqui

Escreva aqui suas dúvidas e agradecimentos ao autor