10 dicas que vão te ajudar a receber uma boa avaliação do anfitrião

Boas avaliações aumentam suas chances de ser aceito em hostels concorridos. Por isso, juntei algumas dicas que aprendi depois de dez voluntariados e que podem te ajudar!


49584313a66bc93b8b2645b9ee7864b2

Luan

Ago 19, 2019

Brasileiro, jornalista, mochileiro, gente boa.

dicas para receber uma boa avaliação

Receber boas avaliações vai além de uma sensação de contentamento. É muito prazeroso ser reconhecido, perceber que a experiência foi agradável para o anfitrião e sentir uma boa pitada de orgulho de si mesmo. Tudo isso é importante, mas existe outro motivo para valorizar as recomendações que aparecem em seu perfil.

Sabe aquele hostel concorrido que você está de olho? Boas avaliações aumentam suas chances de ser aceito. Assim como você avalia o hostel a partir das recomendações feitas por outros viajantes, os anfitriões dão atenção às opiniões de outros hosts sobre você. Agora, se você deseja se voluntariar em outro país, as recomendações valem ouro!

Após dez passagens por hostels brasileiros, eu juntei algumas experiências e decidi compartilhar minhas descobertas para que você se torne um voluntário bem avaliado pelos anfitriões.

1. Mostre o que você tem de melhor, mas seja autêntico

As avaliações que recebo costumam ser bem positivas e isso me deixa bem feliz. Sem querer me gabar demais, eu sou um cara que tem duas boas qualidades: sempre faço o melhor que posso e valorizo muito minha autenticidade. 

Eu mostro o melhor de mim, mas não finjo ser uma coisa que não sou. Por exemplo: interação social não é meu forte, prefiro ficar na minha e sou introvertido, então na parte de sociabilidade eu não mando bem. Beleza! Continuo dando o meu melhor em outras atribuições e deixo a interação social para quem for bom nisso. Assim o mundo gira equilibrado! 

2. Seja flexível e tenha jogo de cintura

Sim, existe um acordo entre você e o anfitrião. Você conhece suas atribuições e recompensas. Mas talvez, em algum momento, o anfitrião precise de você para algo que vai além do acordo, sabe? 

Ficar uma hora a mais na recepção, trocar um lençol de cama de última hora, arrumar a bagunça que o hóspede deixou na cozinha... Essas coisas acontecem. Não deve acontecer sempre, mas se acontecer pontualmente, não seja tão rígido. Uma hora ou outra, você também vai se beneficiar da flexibilidade do seu anfitrião.

3. Você pode ir além?

Recentemente eu ajudei no café da manhã de um hostel. O acordo era começar às 06h e finalizar o café às 09h. Depois eu ficaria na recepção até 12h, concluindo, assim, as seis horas diárias. 

Lá pela segunda semana, a anfitriã descobriu que eu sou redator e crio conteúdo para redes sociais. Então, após o café, eu comecei a criar posts para o Instagram do hostel. O acordo era esse, mas eu topei também ficar na recepção enquanto criava. Não tinha movimento e eu basicamente só precisava chamar a anfitriã caso alguém chegasse. Foi uma tarefa simples, não me prejudicou e eu ganhei uns pontinhos.


Voluntário em recepção

4. Lembre-se que você tem compromissos

Parece até desnecessário dizer isso, mas eu já vi voluntário agindo como se estivesse totalmente de férias. A verdade é que somos tentados a ficar soltos demais após algumas semanas, começamos a negligenciar alguns cuidados e até os compromissos vão sendo tratados com certa despreocupação. Isso não é legal.

O tempo da praia é seu, faça o que quiser e desconecte-se dos compromissos, mas quando seu horário de contribuição chegar, desconecte-se da praia e foque no que deve ser feito.

Se você vai começar uma viagem pela Worldpackers agora e tem alguma dúvida sobre a experiência, com certeza esses textos também podem te ajudar:

Além disso, a qualquer momento você pode mandar mensagem para o Suporte da Worlpackers ou para a comunidade de Experts, todos estão super dispostos a te ajudar com qualquer dúvida! 

5. Cumpra o acordo

Cumprir o acordo não significa apenas chegar e partir nas datas combinadas, embora isso também seja fundamental. Cumpre o acordo quem colabora com as tarefas determinadas pelo anfitrião sem perder a qualidade, assiduidade e compromisso. 

De que adianta ficar os dois meses rigorosamente se meu desempenho for despencando ao longo da estadia? Tente ao máximo manter o nível do começo. Se não tá conseguindo, confira a próxima dica.

6. Se perder o tesão, é melhor não forçar a barra

Certa vez, logo no meu primeiro dia no hostel, uma voluntária disse que não estava mais curtindo a cidade. Disse que as primeiras duas semanas já tinham sido suficientes. Tranquilo. Isso é muito comum. Mas ela não tinha para onde ir, então preferiu ficar mais duas semanas. 

O que aconteceu? Ela ficou insatisfeita até mesmo com o hostel e, consequentemente, a relação com o anfitrião estremeceu. Ela estava forçando a barra. Melhor seria dar um jeitinho de conseguir outro lugar para ficar. 

7. Seja gentil, todo mundo gosta disso

Por onde passei conheci voluntários e anfitriões muito gentis. É impressionante o poder que a gentileza tem no convívio. Tudo fica mais interessante, agradável e fácil de lidar. Os pepinos do hostel são tratados com muito mais leveza se houver gentileza no ambiente. E pepino não falta. Então, seja gentil. 

Isso não significa que você vai acordar todo dia como se estivesse num musical da Disney. Por favor, não! Coisas forçadas são muito desconfortáveis. Gentileza é tempero, sabe? É como dar sabor a atitudes simples. Se você faz o check-in com qualidade, isso é ótimo, mas se acrescenta gentileza, fica uma delícia.


Voluntária em bar

8. Espalhe coisas boas (isso serve pra vida)

Não é a intenção deste artigo, mas sugiro que você se alimente de coisas boas para que possa emanar coisas boas também. Mais uma vez: não invente ser o que não é. Energia é uma coisa impossível de fingir. Você oferece o que tem. Então, apenas se observe e perceba o que dentro de você precisa de cuidado.

9. Trate seus erros com honestidade

Na minha terceira experiência como voluntário, fiz uma pequena confusão relacionada à escala de trabalho na recepção do hostel. Achei que fosse contribuir das 09h às 13h, mas o correto seria das 06h às 11h. 

Resumindo, acordei 08h com a mensagem no anfitrião perguntando se eu não tinha observado a escala. Assumi o erro, pedi desculpa e me apressei para assumir o posto. O anfitrião ficou chateado, mas ainda assim deixou essa avaliação após minha saída: "Menino bom, cumpriu o acordado. Recomendo". Sim, foi apenas esse deslize, mas eu poderia inventado alguma desculpa. Escolhi ser honesto e admitir o erro.

10. Extra: a lista do não-faça-pelo-amor-dos-deuses

Para finalizar, uma pequena lista de coisas basiquinhas, mas que no dia a dia vão virando coisas grandes. Faça o possível para evitar essas atitudes:

  • Deixar suas coisas espalhadas. Principalmente se você dividir quarto com hóspedes. Dê uma geral todos os dias. Coloque suas coisas na mochila. Bagunça pega muito mal!
  • Ficar o dia inteiro enfurnado no hostel. Não, faz isso não. Quem cuida da limpeza de um hostel sabe o quanto que isso atrapalha. Vá passear! 
  • Não repor o que apenas você usou. Normalmente, na cozinha do hostel, existem coisas de "todo mundo". Se você consome uma dúzia de bananas sozinho, não é sua obrigação repor, afinal, estava no setor de alimentos compartilhados. Mas cá entre nós, é compartilhado. Você acha justo que os demais deixem de usufruir algo que era de todos? Se deu vontade de comer tudo, beleza, mas tenha bom senso e reponha.
  • Insistir sobre passeios de cortesia. Se o hostel conseguir um passeio na faixa, show. O anfitrião não tem essa obrigação, então, mostre interesse, mas não insista demais. Isso é muito chato.

No fim, vale dizer que não existe uma fórmula. Cada voluntário tem um jeito de ser, com suas qualidades e peculiaridades. O conselho mais importante sempre será "seja você mesmo". Seja honesto, faça o seu melhor e pratique a empatia. 


49584313a66bc93b8b2645b9ee7864b2

Luan

Ago 19, 2019

Brasileiro, jornalista, mochileiro, gente boa.


Deixe seu comentário aqui

Escreva aqui suas dúvidas e agradecimentos ao autor