10 lições que só se aprende depois de fazer um mochilão sozinha

Quer ficar mais forte, atraente, saudável e rico? Fazer mochilão sozinho é a resposta! As lições que você vai aprender em suas férias sozinho vão mudar sua vida. Encontre respostas, melhore sua saúde e se torne seu melhor amigo com essa viagem agora!


E56e2ad24ca6a189efd54a2cfcd71838

Raquel

Uma jornalista brasileira que escreve sobre pessoas. Eu viajo para conhecer histórias de vida e...

+ Ver mais

Ago 21, 2018

Fazer um mochilão sozinho é muito importante para o autoconhecimento

1. Fazer mochilão sozinho te deixa mais forte

Sua definição de desafio foi atualizada com sucesso.

O que é um ônibus lotado, uma matéria acumulada ou um almoço na casa da sogra diante dos desafios superados por você nessa viagem?

Você carregou toda sua casa nas costas, por semanas. Se virou solo em um lugar estranho, trilhou quilômetros, tomou banho frio e pegou uma carona. Quanto mais perrengue, mais forte.

Essa força pode se expressar no momento em que tomar decisões se tornar uma tarefa simples, no reconhecimento dos seus pontos fracos e na sua capacidade de sonhar viajar cada vez mais longe de casa e por mais tempo. 

2. Te ensina a lidar com seus medos

Pense em uma situação que te apavora. Ela pode acontecer na sua cidade? Se a resposta for sim, se arrisque a caminho da praia em suas próximas férias!

Não é fácil decidir fazer um mochilão sozinho. Você vai precisar se dar um voto de confiança, para ver, que não é tão complicado quanto parece. Com o tempo você reconhece seus medos e começa a viajar mais relaxado. 

3. Fazer mochilão sozinho te deixa mais atraente

Você terá as melhores histórias. Encante seus crushs com suas novas narrativas fantásticas e receba chuvas de likes em cada foto explorando o mundo. Seu sorriso mais sincero, o peito aberto e a energia lá em cima darão um up no seu poder de atração.

Preparado para descobrir a beleza de ser quem se é?

Você vai se olhar menos no espelho, esquecer da maquiagem, repetir as roupas e se sentir bonito e confiante assim mesmo. Quando o que as outras pessoas pensam tiver menos importância, você vai valorizar o que te faz feliz. Isso não significa se fechar para feedbacks, mas sim, ficar melhor na arte de recebê-los.

Viajar sozinho é um convite para a alegria

4. Melhora sua saúde

Longas caminhadas, banhos de cachoeiras, respirar ar puro e pegar um solzinho. Praticar outra língua, experimentar novos sabores, ver paisagens novas, desconstruir crenças, evitar estresse desnecessário, aprender a ceder, sentir na pele a liberdade e saber que você pode escrever o seu futuro faz bem pra alma, faz bem pro corpo, para a sua mente e saúde emocional.

Muitas doenças são causadas por situações mal resolvidas, palavras não ditas e a repetição de padrões tóxicos. Aprender a respirar e se poupar em certos momentos pode ajudar sua saúde globalmente.

5. Te mostra onde gastar seu dinheiro

Depois de perceber que com pouco dinheiro é possível ter experiências incríveis na estrada, você vai começar a achar caro tudo que é coisa.

Além disso, vai aprender a simplificar a vida. Quando tudo que você precisa cabe em uma mochila, seu armário lotado perde um pouco o sentido e a mentalidade que você adquire na estrada tende a permanecer no seu retorno.

Pechinchar é uma arte que vale a pena aprender, mas sempre utilize com educação, respeitando o trabalho do outro. 

6. Fazer mochilão sozinho te liberta

Ho’oponopono é uma prática havaiana muito bonita que se espalhou para o mundo a partir de experimentos bem sucedidos do Dr. Ihaleakala Hew Len. Sua prática principal é a repetição das frases “Eu sou grato” “Me perdoe” “Sinto Muito” e “Eu te amo”.

Você vai viver todas elas na prática, se estiver conectado com uma energia de limpeza e libertação. Ser grato, pedir perdão, sentir de verdade seus erros e amar todas as coisas é um exercício diário. Quem sabe, criar um estilo de vida só seu?

7. Transforma a solidão

Você provavelmente vai fazer amigos nas suas férias sozinho, mas pode contar com momentos completamente sós.

aprender a valorizar os momentos de solidão é uma importante lição ao fazer mochilão sozinho

Você vai aprender a ressignificar isso logo, transformando-os em pausas. Pode escrever pensamentos, escutar uma playlist nova, prestar atenção nos detalhes e nos gestos das pessoas ou reprogramar seu futuro.

Já faz um ano que viajo sozinha e ainda não cansei de escolher o assento da janela. O deslocamento em si pode ser encarado como solidão ou terapia, você escolhe. 

8. Te faz ajudar e pedir ajuda

Não seja mesquinho. Divida o que tiver sobrando com quem foi menos preparado. Acredite, você também vai se encontrar frágil.

Se for para outra cidade e tiver algo em excesso, doe para outro viajante. Fiz isso com um cobertor, que acabou viajando mais que eu.

Os encontros e amizades durante a viagem serão intensos, vale a pena ser sincero e parceiro por mais curta que seja a relação. Se abrir de verdade pode render novos amigos e convites para outras viagens.

Além disso, tem coisas que não se passa no débito, como a indicação que um morador local te dá ou o gole de água de um desconhecido no meio do cerrado. 

Solidariedade é a palavra chave entre viajantes solos

9. Te ajuda a não ficar louco

Você já deve saber que ter uma selfie em cada ponto turístico não te agrega nada. Se permitir ficar um dia sem sair do hostel, hotel ou camping pode ser incrível.

Precisei virar o pé para aceitar ficar um dia inteiro no hostel. Foi ótimo. Cozinhei um almoço com calma, conversei com outros viajantes e o melhor de tudo: Acordei no outro dia morrendo de vontade de sair de novo.

Se você for muito rígido com a uma lista dos lugares obrigatórios e imperdíveis em suas férias sozinho, vai ficar louco. A verdade é que sempre vai sobrar um canto que você não viu e tudo bem.  

10. Te ensina algumas loucuras

Estava sentada em uma praça, tomando um sorvete, observando velhinhos jogando xadrez e pensando em fazer algo diferente. Quatro amigos passaram por mim. Uma menina de dreads, um cara com uma bandana na cabeça, a outra com uma camiseta de basquete muito grande e uma terceira, com brincos grandes e coloridos. Pensei na possibilidade de estarem saindo de alguma festa, mas a maquiagem impecável apontava o contrário. Resolvi segui-los

Fui bem discreta, acredito. Demorei para atravessar as ruas, deixando nossa distância aumentar. Até aí tudo bem. Minha maior surpresa foi acompanhá-los atravessando um estúdio de tatuagem que dava em um bar e dar de cara com um SoundSystem no quintal, cheio de luzinhas amarelas. Acredita que eles puxaram assunto comigo, me incluíram na roda e dividiram a cachaça?

Quer conhecer outras histórias de viagem? Corre para o Sola no Mundo! Para falar comigo, é só chamar no face e no insta!


E56e2ad24ca6a189efd54a2cfcd71838

Raquel

Uma jornalista brasileira que escreve sobre pessoas. Eu viajo para conhecer histórias de vida e...

+ Ver mais

Ago 21, 2018


Gostou? Não esqueça de deixar Raquel saber :-)


Deixe seu comentário aqui

Escreva aqui suas dúvidas e agradecimentos ao autor