As melhores cidades na América do Sul para ser nômade digital

O nomadismo digital ganha cada vez mais popularidade. Por isso, vou te ajudar a achar as melhores e mais baratas cidades na América do Sul para ser nômade digital.


83c7d46f2267b3467948759dc509165d

Juliana @virandogringa

Mai 17, 2019

Engenheira que largou tudo para ser tradutora e autora do Virando Gringa, segue lá! Gosta de falar de viagem muito barata (mochilão), dicas de inte...

Dicas das cidades mais baratas da América do Sul para ser nômade digital

Nômade digital é aquela pessoa que usa a tecnologia para trabalhar de forma remota e, geralmente, só precisa de um computador com internet. Esse novo jeito de oferecer serviços e produtos é resultado do descontentamento crescente com o modelo padrão de trabalho.

A maioria dos nômades digitais empreende online com cursos sobre os mais diversos assuntos, ou presta serviços como programação, design, tradução, fotografia, produção de textos e outros trabalhos que podem ser feitos independente da localização.

O termo nômade digital pode soar meio estranho para alguns brasileiros, mas já é bem estabelecido no mundo. Nos Estados Unidos, mais de 4 milhões de pessoas já se declaram nômades digitais segundo a revista Forbes. 

Parece tão simples quando a gente vê alguém postando aquela clássica foto do laptop na praia, né? 

Basta achar uma cidade bonita, pegar um quarto com vista pra praia, conectar seu notebook e pronto, virou nômade! Mas nós sabemos que não é bem assim! 

Ser nômade digital exige um alto grau de disciplina, já que você não tem horário fixo, nem escritório. Esse tipo de trabalho pode passar a impressão de que você "não tem chefe", porém, o mundo freelancer é bastante competitivo, então o respeito aos desejos e prazos dos clientes é muitíssimo importante! Ser nômade digital não é tirar férias permanentes, pode ter certeza disso.

Por outro lado, é muito bom poder determinar quantas horas por dia você vai trabalhar e poder tirar férias com uma flexibilidade muito maior do que seria num escritório normal. 

Na era digital, as velhas normas e estruturas de trabalho estão lentamente desaparecendo e as oportunidades de trabalho remoto aumentando, mas é importante se organizar caso você ache que chegou a sua hora de virar nômade digital.

Por onde começar? Como escolher um trabalho remoto ou um local para executá-lo? Já falamos em outros textos sobres os tipos de trabalho de um nômade digital e como ganhar dinheiro sendo nômade digital.

Ficou curioso? Dá uma olhada em todos os nossos conteúdos sobre nomadismo digital ou nos cursos online da Worldpackers.

O que torna uma cidade boa para viver como nômade digital?

Inicialmente, quem opta pelo estilo de vida nômade quer curtir, ir para lugares que nunca foi e explorar novas possibilidades. Mas depois de um certo tempo fazendo isso, você vai descobrir que conforto e estrutura facilitam demais o trabalho e são fundamentais.

Devido a isso, dentre as cidades mais baratas da América Latina que separamos pra vocês, o leque de opções se torna um pouco menor, pois é preciso achar uma cidade que permita que você trabalhe com a maior produtividade possível e com conforto. 

Por isso, quando for reservar um espaço para ser sua nova casa temporária, ou quando for escolher uma cidade para se mudar (de novo), considere os seguintes aspectos:

  • Qualidade da internet

Acesso à internet é o primeiro parâmetro que você deve olhar pra escolher seu destino. Como trabalhar com vendas ou serviços online se você não conseguir fazer upload do seu vídeo, do seu e-book, do seu curso?

Pesquise qual a qualidade do sinal no país, pesquise se é fácil achar locais com wi-fi grátis. Existe um site que te mostra onde está o wi-fi grátis perto de você em qualquer lugar do mundo

Da mesma forma, se for escolher um hostel e for ajudar um anfitrião, tente perguntar sobre isso antes de ir.

  • Custo de vida 

Isso é essencial se você ainda não se estabeleceu e não está ganhando muito dinheiro com seu negócio digital. É muito importante considerar os custos básicos de vida naquele país e o quanto irá ganhar trabalhando remotamente. 

Nunca esqueça de pesquisar o preço de alimentação, transporte, moradia, internet e outros gastos comuns no dia a dia.

  • Ambiente internacional e número de co-workings

É muito legal criar sua vida internacional. Porém, mesmo que seja algo mais normal para quem é nômade, ficar sozinho todo o tempo pode ser enjoativo. 

Além de procurar as cidades mais baratas da América do Sul para nômades digitais, é legal escolher uma cidade onde você possa encontrar outros nômades. É uma maneira legal de conhecer pessoas que pensam parecido e poder compartilhar experiências.

Às vezes compensa gastar um pouco mais, mas ter uma vida confortável, com atividades diversas para seus horários livres, uma forte comunidade de expats como você, ou pelo menos a possibilidade de viajar nos arredores da cidade que você escolheu viver!

Por isso, você vai perceber que nas nossas sugestões de cidades, tem algumas que não são absurdamente baratas, porém elas tem outras coisas que as tornam ideais para nômades digitais, como um grande número de co-workings, um ambiente favorável a estrangeiros, um apego por inovação, entre outras características que podem tornar sua vida de nômade digital muito mais agradável.

  • Segurança 

Pesquise sobre os melhores bairros na cidade que deseja, onde você pode economizar com transporte e caminhar, ou pegar ônibus. Para conseguir fazer isso, é preciso encontrar cidades seguras. 

Apesar de brasileiros estarem, infelizmente, acostumados a estar sempre alerta, ainda assim é bom saber se o local que você escolheu é mesmo seguro.

Lista de cidades na América do Sul que são boas e baratas para os nômades digitais:

1. Buenos Aires, Argentina

Buenos Aires tem de tudo, a vida noturna é agitada, com restaurantes, bares e baladas. É uma cidade com cultura, arte, parques e mais. Embora não seja a cidade mais segura possível, em comparação com o Brasil é praticamente o mesmo nível de segurança.  

A cidade tem um grande número de co-workings, como você pode ver no mapa feito pelo site NomadList:



O crescente número de co-workings indica que existe uma demanda por espaços de trabalho coletivos. Então você não vai encontrar dificuldade em conhecer outros nômades. 

O custo de vida é mais baixo que no Brasil. Por exemplo, você pode encontrar um loft confortável no Airbnb por R$ 59 a noite (inteiro pra você!). 

Porém, já sabe né? Uma opção mais barata que um airbnb é conhecer os anfitriões da Worldpackers em Buenos Aires. Você pode fazer uma viagem pra conhecer a cidade como worldpacker para depois decidir se quer se mudar. Que tal?

2. Medellín, Colômbia

Medellín é a segunda maior cidade da Colômbia e fica numa região central da Cordilheira dos Andes. De acordo com o Departamento de Estatística de lá, a cidade tinha uma população de 2,5 milhões em 2017. 

As nove cidades na região metropolitana de Medellín formam a segunda maior aglomeração urbana da Colômbia, com quase 4 milhões de habitantes.

É possível que você ultrapasse o orçamento se quiser viver um estilo de vida mais "luxuoso" no centro de Medellín, principalmente se ficar no bairro de Poblado, mas você pode facilmente administrar as finanças e viver bem com pouco dinheiro num bairro mais modesto.

Passeando por Poblado, você passará por cafés cheios de sofisticação e charme, e vai encontrar muitos espaços pra trabalhar com uma excelente conexão de Internet. Compensa, portanto, morar longe de Poblado e ir trabalhar por lá.

Medellín tem uma variedade de cozinha local barata e restaurantes internacionais acessíveis com excelente ambiente. Quanto à vida noturna, há muitos clubes, bem como alguns bares sofisticados e, claro, clubes de salsa.

Conheça também hostels em Medelín na lista de anfitriões da Worldpackers.

3.  Cidade do México, México


Lista de cidades na América do Sul que são boas e baratas para os nômades digitais: Cidade do México

A capital do México, também chamada pelos íntimos de CDMX, é mais cara em custo de vida do que as duas anteriores. Vale a pena considerá-la porque é muito cosmopolita, a mais populosa da América Latina e com forte presença de estrangeiros, o que tem crescido muito com o aumento da segurança. 

Os bairros mais "internacionais" do momento são Condesa, Roma, Coyoca, Polanco e Coyocan, de acordo com fóruns de nômades digitais e usuários do NomadList. 

Confira nossos anfitriões na Cidade do México

4. Florianópolis, Brasil

Pois é, tem uma cidade do Brasil na nossa lista - aliás, tem mais de uma, vocês vão ver. Apesar desse post ser focado em brasileiros que querem sair do país para se tornarem nômades digitais nas cidades mais baratas da América do Sul, nada impede de experimentar o feeling dessa nova vida aqui mesmo na nossa terra natal, afinal, o Brasil é muito grande.

Floripa tem sido indicada por diversas fontes como uma boa cidade para empreendedores digitais e nômades, sendo que até o governo municipal está tentando emplacar Floripa como "o vale do silício com praias".

Florianópolis também é legal porque tem um dos índices de qualidade de vida mais altos do país, mantendo ainda o preço do aluguel mais baixo do que nas maiores capitais. Além disso, é cheio de estrangeiros, o que favorece muito o ambiente para quem trabalha como nômade digital.

Olha que legal essa vaga da Worldpackers para trabalhar com Energia Solar em Floripa!

5. Lima, Peru


Lista de cidades na América do Sul que são boas e baratas para os nômades digitais: Lima

Lima é uma cidade enorme, de 10 milhões de habitantes, que está se tornando um grande ponto de encontro dos nômades digitais na América Latina à medida que continua melhorando seu acesso à internet de alta velocidade e aumentando a segurança. 

Miraflores é o melhor bairro para se conhecer se você depende de internet e não fala muito bem espanhol, mas outros bairros estão se expandindo rapidamente para acomodar os recém-chegados gringos. 

Lima tem muita coisa pra explorar, beleza urbana e cultura e é perto de outros locais incríveis que o Peru tem a oferecer, como Machu Pichu e Cusco. 

Se você é apaixonado por gastronomia, então não há lugar melhor que Lima. A cidade têm uma enorme variedade de pratos insanamente deliciosos que são procurados em todo o mundo, a preços muito acessíveis.

6. Mar del Plata, Argentina

Esta pequena cidade praiana na Argentina vem se tornando um hotspot como destino nômade digital, com um custo de vida de um pouco mais alto, mas que compensa.

Apesar de Mar del Plata poder ficar muito lotada na temporada, os meses fora do verão mostram o charme desta cidade à beira-mar. Até o momento que este post foi escrito, havia cinco espaços de co-working e cafés para trabalhar em Mar del Plata com wi-fi de até 22Mbps. 

A qualidade de vida é incrível, você pode curtir cenários de praias depois de um dia de trabalho e admirar a paisagem inigualável. Mar del Plata traz o entretenimento e o aconchego de outras cidades argentinas, a um custo muito menor que o de Buenos Aires.

7. Cuenca, Equador


Lista de cidades na América do Sul que são boas e baratas para os nômades digitais: Cuenca

Cuenca é cheia de parques ao ar livre e praticamente toda acessível à pé, o que ajuda a economizar. Há muitos restaurantes e cafés com excelentes conexões wi-fi em Cuenca, onde os nômades digitais podem ir trabalhar, e o aluguel acessível a coloca na lista das cidades mais baratas da América do Sul para nômades digitais

Embora seja fora do caminho batido dos nômades, há uma forte comunidade expat na cidade e com apenas um pouco de esforço você pode se sentir em casa. 

Além de boa comida, Cuenca tem um monte de eventos culturais e artísticos, bem como atividades ao ar livre para te manter ocupado durante as horas de folga.

Veja os hosts da Worldpackers em Cuenca.

8. Santiago, Chile

Santiago do Chile é uma das cidades que mais crescem na América Latina, com uma economia em expansão, uma moeda forte e facilidade de visto pra brasileiros. 

As comodidades te fazem sentir numa cidade da Europa ou da América do Norte, e apartamentos são fáceis de encontrar. A cidade oferece uma vida noturna legais, muitas atrações culturais e uma crescente cultura de cafés onde os nômades digitais podem montar seu escritório durante o dia. 

Santiago é uma cidade ativa com muitas oportunidades para se manter em forma, incluindo uma rede de ciclovias pela cidade.

Apesar de não ser a cidade com os aluguéis mais baratos da América Latina, é uma cidade desenvolvida o suficiente para que você evite gastos em outras áreas. Por exemplo, em Santiago é muito fácil usar transporte público ou bicicleta, fazendo com que você não tenha gastos imensos com gasolina, como a maioria das pessoas têm aqui no Brasil.

Além disso, você pode voluntariar num hostel da cidade e economizar com hospedagem também.

9. Quito, Equador


Lista de cidades na América do Sul que são boas e baratas para os nômades digitais: Quito

A movimentada capital do Equador é mais um ponto de encontro para nômades digitais na América Latina. O belo estilo colonial da cidade é baseado na fundação de uma antiga cidade inca. Ela é constantemente classificada como uma das cidades mais bonitas da América do Sul devido a sua arquitetura, incríveis vistas das montanhas cobertas de neve dos Andes e clima incrível. 

O centro histórico de Quito também é um Patrimônio Mundial da UNESCO, e se você é alguém que prefere um verão mais fresco, a elevação de Quito favorece um clima ameno. O povo do equador também é extremamente amigável com estrangeiros, sempre dispostos a ajudar. 

O custo de vida em Quito está abaixo da média das capitais brasileiras, ficando entre R$1000 e R$1500/mês, e você pode economizar ficando num hostel em Quito.

10. Arequipa, Peru

Arequipa é a segunda maior cidade do Peru, apesar de não ser tão conhecida quanto Lima ou Cusco. É, no entanto, uma excelente cidade para nômades digitais - a melhor do Peru, na minha humilde opinião. 

É lotada de cafés perfeitos, todos com wi-fi confiável para trabalhar de forma remota. Também possui um centro muito bonito, com edifícios que foram construídos a partir da pedra branca distinta dos vulcões das proximidades. 

As vistas são deslumbrantes de quase todos os lugares da cidade, onde se vê os dois vulcões adormecidos. Tem também opções de excursões para os arredores, especialmente para o Colca Canyon, o mais profundo do mundo. 

Em resumo, ela é tão bonita quanto as cidades mais "badaladas" do Peru, mas ainda é barata e tranquila de se viver, sem o enorme fluxo de turistas das suas colegas. 

11. Montevidéu, Uruguai


Lista de cidades na América do Sul que são boas e baratas para os nômades digitais: Montevidéu 

Uruguai é o país com a melhor internet do continente, então é favorável para nômades digitais já de cara! Fora o critério técnico, o país é um dos mais seguros e progressistas do continente também.

Montevidéu em particular tem um custo de vida na média dos  R$ 1600/mês, ficando ainda na faixa aceitável na nossa lista. Em Montevidéu, você verá menos cultura de cafés do que no Brasil ou na Argentina, porém ser um nômade digital por lá vai ser barato e você vai ser pioneiro!

O primeiro Starbucks abriu pela primeira vez em 2018, mas a cena tecnológica e empresarial de Montevidéu está em ascensão, e tem espaços de co-working  fazendo seu nome, como o Sinergia.  

Também recente é o primeiro espaço de co-living da cidade, o ZAG, mas você pode encontrar acomodação mais barata em outro lugar, principalmente dividindo casa, ou ficando num anfitrião da Worldpackers.

12. Bucaramanga, Colômbia

Pois é, estamos adicionando outra cidade colombiana à lista? Mas Bucaramanga merece pela facilidade e preço! O custo de vida fica abaixo dos R$1500/mês, com qualidade de vida e conforto de cidade grande.

É fora do caminho batido dos expats, que estão indo aos montes para Bogotá e Medellín, mas tem crescido em popularidade nos anos mais recentes porque os nômades são capazes de ter uma experiência mais autêntica enquanto ainda possuem qualidade de vida. 

Segundo o governo local, muitos estrangeiros estão se mudando para lá para iniciar negócios, abrir empresas, já que é fácil se conectar com outros nômades e moradores locais. 

A internet é ótima em toda a cidade, provavelmente devido às 10 universidades presentes lá, o que também favorece muito um ambiente de inovação!

Confira anfitriões da Worldpackers em Bucaramanga.

13. Bogotá, Colômbia


Lista de cidades na América do Sul que são boas e baratas para os nômades digitais: Bogotá

Quanto se fala em custo-benefício, a Colômbia é difícil de bater! Se temperaturas mais frias te atraem, então Bogotá é uma ótima opção. Mesmo estando tão perto da Linha do Equador, a altitude elevada de Bogotá a mantém mais fria durante o ano todo. 

Essa capital de 8 milhões de habitantes é repleta de restaurantes incríveis de todas as faixas de preço, lojas sofisticadas e tudo mais para satisfazer as necessidades de qualquer nômade digital. 

Bogotá tem uma extensa história que pode ser vista através de sua bela arquitetura, bem como artes em graffiti com uma identidade única, que é uma das maiores atrações turísticas da cidade. 

14. Belo Horizonte, Brasil

Belo Horizonte é uma cidade relativamente segura, com co-workings muito legais, universidades, parques e incentivo à tecnologia. É a 6ª maior cidade do Brasil, mas tem aquele ar gostoso de cidade pequena e os preços dos aluguéis fora do centro são acessíveis.

Por anos, houve um forte esforço da comunidade empresarial local para marcar Belo Horizonte como um pólo empresarial, principalmente depois que a cidade se tornou sede do Google South America. 

Hoje são mais de 200 empresas colaborando e crescendo juntas nesse grupo. O governo local até se envolveu e lançou um programa chamado SEED Minas, que era semelhante ao Startup Chile, pois dava US $ 40 mil a 40 equipes de empreendedores que se mudaram para BH para participar do programa. O programa foi encerrado, mas agora está de volta, criando um impacto na comunidade.

15. Curitiba, Brasil


Lista de cidades na América do Sul que são boas e baratas para os nômades digitais: Curitiba

Da mesma forma que BH, Curitiba proporciona a possibilidade de viver sem carro, tem aluguéis bem mais baratos que as outras capitais (nos bairros certos) e um custo de vida tranquilo.

Para encontrar locais baratos para viver em Curitiba, fuja do bairro Batel! Você pode encontrar apartamentos enormes dos anos 70 e 80 por preços acessíveis no Centro, Mercês, Alto da XV, Água Verde e outros bairros dos arredores. Nada que uma rápida pesquisa não resolva.

Além disso, é uma cidade arborizada, tem ciclovia, parques, eventos diversos, museus, e é uma cidade muito cultural! Curitiba tem centenas de cafés e co-workings com intensa atividade, além de ser a casa do Aldeia Co-Working, um centro de inovação que ajuda empreendedores digitais do Brasil inteiro, tem convenções, simpósios e aulas focadas em empreendedores digitais.

Em Curitiba acontecem muitos encontros para nômades digitais que trabalham com tradução (tem Barcamps mensais) e também programação, com eventos como o Cerveja com Dados.

16. Córdoba, Argentina

Córdoba é a segunda maior cidade da Argentina e possui 7 universidades. Está sempre cheia de vida com jovens sentados em restaurantes e cafés. É uma cidade muito walkable, ou seja, que favorece a caminhada, com muitas opções de lugares para trabalhar de forma remota. 

A cidade tem belos parques e sempre tem coisas acontecendo durante toda a semana e fim de semana. 

O peso não está indo tão bem no momento, o que significa que é ainda mais barato morar lá como expat, então agora é a hora de ir.

Confira opções de hostels em Córdoba.

17. Cali, Colômbia


Lista de cidades na América do Sul que são boas e baratas para os nômades digitais: Cali

Há uma variedade de lugares com ótima comida, cafés fantásticos e internet grátis com qualidade. 

Cali é a capital da salsa no mundo, e os colombianos são sempre amigáveis com os turistas., por isso, se você quer sair e experimentar a cultura, já que há muitas oportunidades. 

É uma cidade com ótimo clima, mas com um nível de segurança similar a capitais brasileiras, ou seja, precisa ficar de olho. 

Você pode facilmente viver uma vida modesta em Cali por menos de R$1.000/ mês, enquanto come todas as frutas e vegetais que você acha nos incríveis mercados locais!

Como procurar uma cidade para trabalhar como nômade digital?

Ainda não achou a cidade ideal? Temos também dicas de onde procurar cidades que vêm se tornando destinos comuns para nômades digitais. 

O site NomadList faz uma categorização de cidades do mundo inteiro com base em input dos usuários e tem muitas variáveis, como qualidade do ar, segurança, possibilidade de andar à pé, número de co-workings, entre centenas de outras, abordando até mesmo a "qualidade do tinder" nas cidades. Vai entender, né? 

Compensa dar uma olhada neste site caso você sinta que nenhuma das cidades mais baratas da América do Sul que recomendamos aqui é a ideal pra você. Essa é uma das coisas mais legais sobre ser nômade digital: a possibilidade de escolha.

Outros sites que podem te ajudar falando sobre custos de vida e trazendo informação em tempo real são o Numbeo e o Expatistan.

E aí gostou de conhecer essas novas possibilidades? Sugere alguma cidade que deixamos passar por aqui? 

Se tem dúvidas, deixe um comentário!


83c7d46f2267b3467948759dc509165d

Juliana @virandogringa

Mai 17, 2019

Engenheira que largou tudo para ser tradutora e autora do Virando Gringa, segue lá! Gosta de falar de viagem muito barata (mochilão), dicas de inte...


Gostou? Não esqueça de deixar Juliana @virandogringa saber :-)


Deixe seu comentário aqui

Escreva aqui suas dúvidas e agradecimentos ao autor