O que fazer de graça em Mendoza, a capital do vinho na Argentina

Saiba o que fazer, como andar na cidade, onde comprar comida, o melhor dos parques e, o que nunca te falam, como conhecer uma bodega em um tour grátis.


3ffa25ebdbbf8b6b2ef669f020af4270

Felipe

Jun 26, 2019

I've been backpacking since 2011 in many diferent ways and time schedules, going to parts of Bolivia, Peru, Colombia, Argentina, Panamá, Spain and ...

Dicas do que fazer em Mendoza

Mendoza é uma capital, mas ao contrário do que isso geralmente significa, é uma cidade bem tranquila e pacata. Conhecida pelos próprios argentinos como a cidade mais limpa do país, isso é exatamente o que você vai encontrar lá. 

Suas ruas com passeios largos, seus prédios não muito altos e nem muito antigos ou novos, as árvores, que são uma constante no centro, tudo isso da um ar de tranquilidade até mesmo nas avenidas principais. Mesmo assim, à noite é bom ter um certo cuidado, ao menos de não andar sozinho - principalmente se carrega câmeras a vista.

A cidade é cara se o seu propósito for realizar os tours tradicionais oferecidos pelos hotéis e agências de turismo. Contudo, é possível passar uns bons dias na cidade e conhecer nela o que há de melhor e gastando pouco. As dicas a seguir são baseadas no que os moradores locais costumam fazer. 

Transporte

No centro da cidade não é necessário o uso do transporte público ou de táxi, melhor mesmo é caminhar e conhecer as ruas dessa pacata capital. 

Se deseja ir para locais mais distantes, o mais indicado seria utilizar o trem urbano. Como de costume na Argentina, não aceitam dinheiro no transporte - ao menos nas capitais - então é preciso adquirir um cartão da RedBus Mendoza, que custa 100 pesos. Para recarregá-lo, pode perguntar nos diversos kioskos da cidade, com tarifa de 24 pesos por viagem. 

No momento o país passa por aumento de preços quase mensais, então é bom averiguar qual é a taxa de transporte no momento da chegada.

O terminal de ônibus de Mendoza fica no coração da cidade, em uma zona cheia de hostels, bares e comércio variado, então dá para ir até sua acomodação sem a necessidade de gastar dinheiro. Vale a pena baixar o mapa da cidade no seu aplicativo preferido para poder usá-lo offline, livrando-se da necessidade de pedir informações e dar na cara que é turista.

O que fazer em Mendoza:

1. Avenida Colón

Uma das principais avenidas da cidade, com fim no Parque San Martin, é recheada com bares e restaurantes modernos, vintages, hipsters e por aí vai. Para os brasileiros, no geral, o preço não é salgado, mas mesmo para os argentinos é um bom preço - percebe-se pela quantidade que frequenta o local. 

2. Mercado Central

Sem dúvida é a opção mais barata para comer a comida local gastando pouco. Dá para encontrar tanto comidas prontas como os ingredientes necessários para fazê-la você mesmo. 

O mercado central funciona de segunda à sábado na parte da manhã das 08h às 13h e na parte da tarde das 17h às 21h. Nos domingos funciona somente na manhã das 09h30 às 13h. Está situado em Las Heras e Patricias Mendocinas.

3. Parque San Martín

O maior e mais belo parque da cidade, de dimensões incríveis e muito cuidado com as plantas, fontes, estátuas e jardins que o compõem. De dar inveja a muitas cidades europeias, o Parque San Martín é uma verdadeira obra de arte a céu aberto.


Parque San Martín

Em todas as zonas do parque tem famílias conversando e fazendo pequenos piqueniques ou praticando esportes, casais das mais variadas faixas etárias em encontros amorosos, praticantes do canoísmo remando pelo limpíssimo rio que corta o parque, apreciadores dos jardins e obras de arte espalhadas simplesmente analisando elas, adolescentes em grupos conversando e rindo sob as sombras das várias espécies de árvores que compõem o parque.

É possível também no parque comprar pães caseiros de ambulantes ou sentar-se em algum dos kioskos que existem no seu interior para tomar uma cerveja - lembre-se que é proibido beber ao ar livre, salvo se estiver sentado em algum estabelecimento - ou comer algo por um preço justo.

4. Plaza Independência


Plaza Independencia 

Uma pequena e charmosa praça que fica no encontro da Avenida Bartolomé Mitre com Rivadavia,  a três quarteirões da estação de trem, é rodeada por bancos, cafés e kioskos, além de contar com o Museo Municipal de arte Moderno - que contém exposições de estudantes e também consagrados artistas locais, sempre em mudança. A praça com seus chafarizes e grandes árvores é um comum ponto de encontro por ser tão central e de fácil acesso por trem.

5. Bodega Lopez

Uma bodega com mais de 120 anos de história, diferente das demais que existem nos arredores de Mendoza por ter entrada gratuita em sua visita guiada. A Bodega Lopez está situada em Maipú - onde existem também outras bodegas- um bairro distante do centro da cidade, onde se pode chegar de várias maneiras, sendo a mais barata e mais rápida os trens urbanos. Saindo da estação Guitiérrez deve-se caminhar cerca de 500 metros (há placas no local).


Bodega Lopez

No tour grátis que oferecem tem a visita à fábrica, aos toneis de armazenamento, uma breve história da formação do local e da família - que ainda dirige a bodega - os processos de fermentação, as utilidades dos resíduos gerados na fabricação dos diferentes tipos de vinhos e degustação de dois dos tipos produzidos ao final da visita. 

Durante às férias - de janeiro à março e em julho - os tours grátis também são oferecidos em português e inglês, no restante do ano apenas em espanhol, e dura aproximadamente uma hora. 

Existe também um tour grátis a Champañera, parecido com o anterior, com duração de 30 minutos.

Além disso, os vinhos custam menos se os compra diretamente deles, cerca de 15% mais baratos que nos mercados da cidade. Ao contrário de muitos estabelecimentos da cidade, não fecham na hora do almoço, funcionando das 09h às 17h nos dias de semana e das 10h30 à 12h30 nos fins de semana e feriados.

Quantos dias preciso para conhecer Mendoza?

Mendoza é uma cidade que se relaciona muito com o vinho, comida e paisagismo, principalmente nos parques e praças, então não precisa de muito tempo. 

O passeio tradicional de bodega requer apenas um dia. Já o Parque San Martín pode lhe tomar mais tempo, ainda assim, no máximo dois dias. 

Para degustar ou aprender a fazer a comida local dois dias mais. Cinco dias são suficientes para conhecer o local, sem contar com os dias de chega e saída. Lembre-se que é uma cidade que pode variar bastante a temperatura.

Espero que essas dicas do que fazer em Mendoza tenham te ajudado! Boa viagem! 


3ffa25ebdbbf8b6b2ef669f020af4270

Felipe

Jun 26, 2019

I've been backpacking since 2011 in many diferent ways and time schedules, going to parts of Bolivia, Peru, Colombia, Argentina, Panamá, Spain and ...


Deixe seu comentário aqui

Escreva aqui suas dúvidas e agradecimentos ao autor