Categorias

Rotina, trabalho, histórias, diversão e minha opinião sobre ser Worldpacker

Cheguei à conclusão de que viajar como Worldpacker é o melhor jeito de chegar ao seu país de destino. Por quê?


A36964ffddebcfd8d727bcd080724ba1

Ana

Ana, 23 anos, vivendo e compartilhando o sonho de viajar sozinha pela primeira vez! 📍San Diego- CA

Mar 05, 2018

worldpacker

Pensa comigo como é incrível: você tem um endereço seguro para ir quando chega à cidade, tem como segurança uma cama quente, tem a oportunidade de fazer um turismo diferenciado guiado por quem chegou lá antes de você, vai poder conhecer pessoas do mundo inteiro (e elas poderão abrir suas portas para você um dia, ou seja, várias casas pelo mundão pra se hospedar) e se tornar amigo delas.

A partir disso, tudo pode acontecer.

Você pode resolver seguir viagem com alguém, arranjar um companheiro para dividir um apartamento e ficar na cidade por mais um tempo, fazer uma roadtrip ou pode apenas seguir sozinho sua viagem depois de viver essa experiência única como um voluntário Worldpacker. Muitas possibilidades!

O meu trabalho aqui, como worldpacker, é muito tranquilo.  Eu tenho 3 dias de folga, trabalho 6 horas por dia e os turnos são decididos semanalmente.

Durante meu turno, eu sou responsável por fazer reservas, check-ins, por lavar roupas de cama e toalhas, por manter o hostel limpo e organizado, etc.

Aqui eu conheci pessoas incríveis que me levaram para lugares maravilhosos.

Ser voluntária está me possibilitando uma viagem totalmente diferente do convencional!

Todo hóspede quer fazer alguma coisa, conhecer algum lugar, passear.

E eu que não sou boba nem nada vou junto, né?

Vou confessar que às vezes é difícil sair do hostel, mas não é porque eu trabalho demais não! É porque aqui é MUITO legal.

Toda noite nós nos reunimos na cozinha e ficamos conversando por horas. Ou assistimos a um filme. Ou bebemos um vinho. Ou uma cerveja.

Faz parte do trabalho dos voluntários organizar uma atividade em grupo por semana, então, todos os dias temos coisas pra fazer por aqui.

Rola passeio pela cidade, restaurantes, baladas (com direito a descontos nos drinks que às vezes saem por $1), jogos (sinuca, xadrez e até flip cup e beer olympics para os que preferem uma zoeira), fogueira na praia, karaokê e muito mais.

Tudo sempre feito com muita alegria.

Temos a liberdade de sugerir atividades diferentes, então, eu fiz uma “NOITE DO BUFFALO BILL” (se você não conhece esse jogo, vá conhecer agora!!!) e a galera PIROU!

Ninguém conseguia jogar porque tínhamos crises intermináveis de riso.

No próximo domingo, a minha atividade será “FESTA DO PIJAMA”, também quero fazer uma competição de “QUEM CONSEGUE LAMBER SEU COTOVELO” e algumas outras coisas bobas que sei que vão fazer a gente rir muito por aqui!

A galera embarca de cabeça nas doideiras e é sempre muito divertido.

Aqui tem de tudo. Tem voluntário que toca na rua para ganhar uma graninha, tem os que juntaram seu dimdim antes de virem e estão “só” curtindo, tem os que estão aqui há meses e os que vêm e só ficam algumas semanas (e eu sofro em cada despedida, viu?). Então, cada um traça sua história de acordo com suas possibilidades e objetivos.

Se sua vibe é a de explorar cada canto da cidade, é possível sim.

Se você quiser fazer pequenas viagens, também é. E se quiser ficar tranquilo, descansar, rir e fazer muitos amigos, também é.

Não limite sua viagem com pensamentos negativos e medos, porque quando você chegar vai ver como eles são pequenos diante da grandeza de tudo que te aguarda.

Meu Exemplo

Quase morri do coração quando vi que teria um turno de meia noite às 6h da manhã.

Pensei que não iria conseguir ficar acordada, que ficaria sozinha, etc e etc. Perdi energia e horas de sono preocupada com isso.

Eis que chegou o grande dia e fiz meu turno que aqui chamamos de “Graveyard”. E agora eu só quero fazer ele!

É tranquilo, silencioso, sempre tem alguém acordado que vem bater um papo legal e passa muito rapidinho. Ou seja, perdi tempo da minha vida ficando "neurada" com uma coisa que no final foi suuuuper tranquila!

Desde que você aja com responsabilidade (afinal, é um compromisso com seu host), dá pra fazer de tudo um pouco sendo voluntário!

E eu tenho duas certezas:

  1.  a sua história não será igual à minha ou a qualquer outra que eu possa contar aqui.
  2. ela só será escrita se você optar por vivê-la.

Então já sabe, né? Não perca seu tempo alimentando dúvidas e medos. Vai e deixa o mundo te surpreender.

A gente se encontra pelas estradas!

Beijos,

Ana Bertholdo.

((Ah, e pra quem não sabe: você pode me mandar uma mensagem aqui pela plataforma mesmo (clique na minha foto- abra meu perfil- no canto direito tem a opção: mensagem)! Se quiser tirar dúvidas ou só falar da vida... é só chamar, estou sempre por aqui!))


A36964ffddebcfd8d727bcd080724ba1

Ana

Ana, 23 anos, vivendo e compartilhando o sonho de viajar sozinha pela primeira vez! 📍San Diego- CA

Mar 05, 2018


Gostou? Não esqueça de deixar anabertholdo saber :-)


Comentários