Quer saber o que fazer nas férias sozinho? Aproveite a liberdade!

Viajar sozinho, inicialmente, pode soar um tanto quanto solitário e chato, mas com as rotinas intensas da maioria das pessoas, é quase impossível encontrar um parceiro ou parceira para se aventurar com você.

A verdade é que uma viagem solo não é nada solitária, especialmente quando você fica em hostels e conhece uma galera para explorar a cidade juntos. Muitas vezes algumas dessas pessoas transformam-se em verdadeiras amizades ao longo da vida.

Além da vantagem de conhecer muita gente, tem também o fato de poder fazer tudo no seu tempo: ao viajar sozinho você pode acordar um pouco mais tarde naquele dia cansativo, ir onde quiser e ficar o tempo que quiser, sem ter que se desdobrar para cumprir a “agenda” de pontos turísticos de outras pessoas.

Alguns países são mais recomendados que outros para se estar sozinho. Em minha primeira viagem sola eu fui para a Argentina, país onde tomei gosto oficial por mochilar

Lá eu conheci pessoas incríveis que estavam viajando e trabalhando como voluntários no hostel, onde ganhavam a hospedagem e o café da manhã em troca de algumas horinhas de trabalho por dia.

O Chile é outro lugar CHEIO de oportunidades para voluntariar, foi lá que fiz grandes amigas para a vida toda, aliás, cheguei para ficar um mês e acabei ficando dois meses e meio!

Além disso, passei por várias cidades na Colômbia fazendo voluntariado e assumo: me surpreendi demais com a qualidade do país e com o carinho das pessoas, tanto dos anfitriões quanto das pessoas que conheci fora do hostel. 

Minhas dicas de cidade para Colômbia são Cali, Cartagena, Medellin e Bogotá, esta última minha favorita por ser super fresquinha todo o tempo, já que está a uma altura de cerca de 2.600 metros!

Viajar sozinho não significa estar sozinho

"O que você vai fazer sozinho em outro país?". Toda a sua família e amigos vão perguntar isso e você vai começar a se auto questionar se você está tomando a decisão correta ou se deveria esperar que alguém esteja disponível para viajar com você.

A verdade mesmo é que a maioria das pessoas têm medo da solidão e acham que não vão aguentar estarem apenas com sua própria companhia, mas é quando a gente aprende a apreciar estar sozinho que começa o perigo: você nunca mais vai querer um “papagaio de pirata” atrás de você te dizendo o que devem e o que não devem fazer, nem ninguém para debater com você qual museu é melhor.

Além disso, como citei no começo do texto, viajar sozinho não significa estar sozinho ou viver na solidão. Vai que no primeiro dia (ou no primeiro mês) da sua aventura você encontra alguém que pode ser um grande amor de viagem. Eu só sei que é possível porque aconteceu comigo, caso contrário estaria tão cética quando você!

Se isso não acontecer, existem tantas coisas que você pode fazer num lugar novo, como por exemplo escalar uma montanha, aprender a surfar, fazer uma caminhada longa até um lugar que tenha uma vista incrível, tomar o sorvete mais famoso da cidade, experimentar uma comida típica por dia, fazer aulas de culinária típica, visitar os coloridos e divertidos mercados de rua, conhecer novas frutas, ir ao cinema e ver o filme do idioma do país, visitar um bosque famoso, comprar lembrancinhas para a família e os amigos, comprar decoração temática do país para sua geladeira, ler um livro no idioma do país em um parque com um piquenique, conversar com gente local que possa te dar as melhores dicas de lugares fora da rota turística, participar ou sugerir e ajudar a montar uma festa no hostel em que estiver, entre muitas outras coisas, que acaba sendo mais fácil ficar indeciso sobre quais dessas opções fazer do que choramingar por não ter companhia para fazê-las.

o poder decisão do que fazer é uma das melhores vantagens de viajar sozinho nas férias

Se você não sabe por onde começar, a dica é colocar no papel tudo o que você gosta e não gosta: montanhas, praias, metrópoles, natureza, frio, calor, festas, tranquilidade e baseado nisso traçar o perfil do seu país ideal.

Cusco, por exemplo, tem muitos fatores agradáveis para quem gosta de natureza, de praticar exercícios como caminhada e também para amantes de história, especialmente lindas igrejas antigas para visitar e claro, Machu Picchu, uma das maravilhas do mundo mais famosas!

Já Lima, a capital do Peru, é uma super metrópole e cheia de atrativos, museus e lugares incríveis para conhecer. Sem contar que você pode sempre dar uma escapadinha nas cidade vizinhas, charmosas e cheias de natureza!

Depois de escolher seu destino, você precisa decidir se vai economizar por alguns meses antes de partir ou se prefere trabalhar na cidade para onde for.

Conheço muita gente que trabalha em cafés e bares enquanto viaja, assim faz uma graninha e pode seguir por mais tempo. Outras opções são criar um blog ou algum canal na internet para contar suas histórias de viagem e, com o tempo, ganhar com anúncios e patrocinadores, por exemplo.

Não deixe de começar a buscar hostels para voluntariar o quanto antes, dependendo do país que escolher a demanda é bem grande e é preciso tempo para conversar com os anfitriões.

Nas minhas experiências sempre comecei as buscas por hostels para voluntariar com cerca de três meses de antecedência e sempre foi muito fácil encontrar um lugar mais lindo que o outro, com pessoas amáveis, boa localização, às vezes até com piscina e com o trabalho super tranquilo para ser desenvolvido.

Com todas essas dicas fica mais fácil decidir o que fazer nas férias sozinho, certo? Então separa suas roupas mais leves, aquele casaco quentinho, (não esqueça as meias), coloca tudo na mochila e só vai! Tá esperando o quê?


Ea3dc39ca0b2f6b5f17abddec1f0e9a4

Nathalia

Eu viajo. É disso que eu vivo e eu vivo para isso. Não posso imaginar minha vida de outro jeito ...

+ Ver mais

Nov 07, 2018


Gostou? Não esqueça de deixar Nathalia saber :-)


Deixe seu comentário aqui

Escreva aqui suas dúvidas e agradecimentos ao autor