Ser voluntario é melhorar a vida de quem precisa

Você que está se preparando para iniciar seu voluntariado ou tem o Quênia destino marcado em sua listinha de próxima viagens, você precisa dar uma olhadinha nessas dicas do que precisa ser feito antes de embarcar para esse país que eu tanto amo, localizado na África.

Passagem, Visto, Vacinas e Seguro:

1. Passagens aéreas

Comprei minha passagem saindo de São Paulo com destino ao aeroporto de Nairóbi, que é a capital e maior cidade do Quênia. 

Você vai se deparar com preços altíssimos de passagens aéreas, principalmente entre julho e setembro, que são os melhores meses para fazer os famosos safáris e ver de perto os "Big Five". 

O custo alto das passagens aéreas pode ser compensado com um custo de vida bem baixo no país, onde você consegue ser bem econômico nas compras do dia a dia.

Esse artigo traz algumas dicas incríveis para te ajudar na compra de passagens aéreas.

2. Visto Queniano

Após passagem comprada, você precisa de um visto para entrar no país, você consegue fazer online até cinco dias antes de embarcar. O visto de visitante te dá direito a ficar 90 dias no país e custa USD 51. Todo o processo é feito online direto pelo site da imigração. Também existe um visto para quem vai visitar outros países do Leste da África.

Para quem pretende ficar mais de 90 dias, a dica é programar uma viagem até algum país vizinho: Uganda, Etiópia, Tanzânia ou Somália, e fazer uma nova requisição de visto para conseguir então estender sua estádia no Quênia.

Você também tem a opção de fazer o visto diretamente na imigração, no aeroporto, mas não recomendo. Alguns amigos voluntários tiveram problemas com seus vistos feitos na hora, um deles recebeu apenas três dias ao invés de três meses e teve que voltar. ☹

3. Vacina da Febra amarela

Alguns países como Brasil exigem que você tenha o certificado internacional da Anvisa de febre amarela para embarcar para a África. Você precisa tomar pelo menos dez dias antes de embarcar e a vacina tem validade de dez anos.

4. Malária

A medicação não é obrigatória, mas é recomendada. O ideal é que você fale com seu médico e compre a medicação certa e suficiente pelo período de tempo em que estará em áreas de risco. Eu não tomei, mas a maioria dos voluntários toma diariamente os comprimidos para se proteger do mosquito que transmite a malária. É indispensável repelente por aqui, são muitos mosquitos.

5. Seguro viagem

O seguro também não é obrigatório, mas é super recomendado, principalmente para quem vem voluntariar e vai provavelmente se encontrar em situações de maior risco. É preciso lembrar que existem vários fatores quando se vem para um país em desenvolvimento e passar perrengue é importante as vezes, mas com saúde e segurança não se brinca.

6. Idioma

A língua oficial do Quênia é o Kiswahili, mas você consegue se comunicar com a maioria das pessoas em inglês. Se seu inglês é muito básico, te recomendo fazer umas aulinhas antes da viagem, principalmente focadas em um inglês britânico. 

Eu fiquei completamente apaixonada pelo Kiswahili e sempre que podia sentava com alguém para aprender palavras. Você se interessando pela cultura deles, além de mostrar respeito, também te aproxima das pessoas.

Preparando a mala e o coração:

Antes de começar sua mala, eu recomendo que você prepare seu coração para experimentar uma jornada impactante e transformadora. Venha com ele bem aberto e tente não criar expectativas. Não tenha tudo absolutamente planejado, deixe espaço para tudo de surpreendente que surge pelo caminho e esteja preparado para assumir a mudança que essa viagem fará na sua vida.


Ser voluntário no Quênia

1. Doações

Como vim para fazer voluntariado, optei por trazer uma mala com doações para as crianças, consegui um voo que me permitia 2 malas de 32kg e por isso foi possível trazer tudo que arrecadei.

Para quem desejar fazer doações, uma boa opção é comprar as coisas por aqui. Você consegue encontrar roupas, sapatos e brinquedos bem baratos, principalmente nas barraquinhas na rua.

Essa mala extra que trouxe com doações acabou se tornando um incômodo pra mim durante o resto da viagem.

2. Mochilão

Me tornei adepta ao  famoso "mochilão". Escolhi uma opção que cabe em média 20 kg, é fácil de carregar e não atrapalha na hora de se locomover de um lugar para o outro. Como vim para ficar praticamente um mês em cada projeto, tive que me locomover algumas vezes e a mala convencional acaba atrapalhando em tudo, te impede de pegar um transporte público, por exemplo, além de que a maioria das ruas é de terra e ela vai voltar destruída pra casa. Acredite, você não precisa de mais do que 20 kg de bagagem!

3. O que colocar na mala

Se você, assim como eu, está vindo para voluntariar, você precisa de poucas roupas e escolha aquelas que possam ser destruídas.

Umas quatro trocas de roupas é o suficiente, calça confortável, blusão e um tênis bem durável e confortável. Não deixe de trazer uma opção de casaco para as noites mais frias e uma roupa de banho para o caso de decidir ir conhecer o paradisíaco litoral queniano – recomendo demais e falo um pouco mais sobre isso no último tópico deste artigo.

A Nath Generoso deu algumas dicas nesse vídeo de o que levar na mala durante um mochilão:

4. Itens pessoais importantes

Algumas coisinhas podem ser bem caras por aqui, principalmente produtos de marcas importadas, então não deixe de trazer de casa: protetor solar, repelente, toalha de banho, e itens de higiene pessoal como: shampoo, condicionador, sabonete e etc..de marcas conhecidas são bem caros, e as marcas daqui nem sempre tem opções para qualquer tipo de cabelo.

5. Medicamentos

A sua alimentação vai mudar bastante por aqui, então traga algum medicamento ou ervas e chás que te ajudem na digestão ou para dores de barriga no geral.

Eu trouxe os remédios que mais uso no dia a dia como paracetamol, dipirona, antialérgico, spray para a garganta e também aqueles itens de primeiros socorros. Acredite se quiser, já não tenho mais quase nada, todos os medicamentos foram necessários em algum momento.

6. Eletrônicos

Além do meu celular e de uma câmera digital para as fotos, eu trouxe um power bank e também meu notebook. O notebook pode ser um peso a mais, mas ele foi muito útil, assisti muitos filmes com as crianças nas horas livres e consegui trabalhar online em todas as minhas folgas.

Você também precisa de um adaptador para carregar seus eletrônicos, a entrada aqui é do tipo G. Eu comprei o meu adaptador aqui mesmo, é super fácil de achar em qualquer lojinha.

7. Dinheiro – moeda local

A moeda local é o cheling queniano (KES) e 100 chelings são equivalentes à USD 1 aproximadamente. Você pode trazer seu dinheiro todo em Dólar ou Euro e trocar aqui pela moeda local. Qualquer banco por aqui faz esse câmbio e no próprio aeroporto de Nairóbi você já consegue fazer a troca.

Você também consegue usar cash card ou Travel Money, nos centros você encontra caixas da ATM para saques e conferências.

8. Dicas de ouro

Como é meio arriscado tomar a água que não é filtrada, e comprar a filtrada toda hora acaba saindo caro, eu indico comprar aquelas garrafas com filtro que limpa a água, sabe? Se você for ficar mais de 1 mês por aqui vai valer a pena, assim você pode tomar água de qualquer lugar sem se preocupar.

Outro utensilio que eu super recomendo é aquelas que pochetes você pode usar embaixo da roupa e colocar passaporte, dinheiro e celular. É mais seguro e prático.

Se puder traga uma bandeira do seu país também, tanto para colocar na parede do local onde você se hospedará quanto para as fotos, eu me arrependi de não levar.

Chegando no Quênia: tipos de transporte, internet e serviços em geral:

Chegando ao aeroporto você já pode trocar seu dinheiro pela moeda local e também comprar um simcard para seu telefone móvel – na parte externa do aeroporto de Nairóbi tem diversas lojinhas vendendo.


Ser voluntário e descobrir novas culturas

1. Internet

É bom você checar com seu anfitrião antes qual a melhor operadora na região onde você ficará. A operadora mais famosa é a Safaricom, mas é também a mais cara pois funciona em todas as regiões e oferece o serviço M-PESA, que é uma moeda eletrônica bem útil por aqui, você pode comprar ou pagar qualquer coisa usando apenas o aplicativo da M-PESA, para isso basta ir qualquer quiosque da Safaricom e colocar o valor no seu simcard.

A internet custa em média 1.000 KES (USD 10) para um mês, com 5GB de internet. Operadoras mais baratas como a Tellkon oferece 10GB pelo mesmo valor e por isso foi a que eu mais usei, funciona super bem em quase todas as regiões.

2. Transporte

Aqui funcionam normalmente os serviços de transporte particular como Uber e Taxify e também no aeroporto você encontra diversas companhias de táxi particular, é bom negociar bem pois eles costumam aplicar “Mzungu price”, que é um preço diferente para turistas e pessoas brancas no geral.

Os transportes públicos aqui funcionam bem e são bem baratos, além de ser uma experiência intensa e engraçada. Eles têm um sistema onde esperam o veículo ficar lotado para sair, não tem uma programação de horários, mas costumam ser bem rápidos.

Aqui eles têm os famosos tuk-tuks, que normalmente fazem trajetos dentro de um bairro ou entre um bairro e outro. Você também encontra as minivans ou lotações, que por aqui são chamadas de Matatu e estão sempre realmente lotadas e com o cobrador pendurado para fora da porta. Os ônibus são sempre muito coloridos e com música alta – são muito legais. Se estiver sozinho e sem bagagem, pode optar pelo moto táxi.

3. Alimentação

Se você for um voluntário com certeza vai provar as comidas locais na sua rotina e se for um turista eu te peço que faça isso, experimente.


Ser voluntário no Quênia e aprender sobre outras culinárias

A alimentação no Quênia, se torna quase que uma experiencia vegetariana, visto que as carnes são supercaras, eles quase nunca as incluem nas refeições. 

Você vai se deparar com muito feijão, milho, arroz, legumes e verduras. Minha comida preferida por lá é o Chapati, que é uma massinha bem fina feita com farinha e água e que você pode comer junto com lentilha, feijão, repolho, ovo, abacate. O que você gostar mais – até com Nutella eu comi e é maravilhoso.

As frutas, verduras e legumes são muito baratos, então é o que mais tem pra comer sempre.

Você encontra muitas barraquinhas fazendo pratos típicos nas ruas e nos grandes centros encontra redes de fast food para quando quiser comer algo especial.

4. Lojas e supermercado

No centro de Nairóbi você encontra de tudo, desde grandes e famosas lojas, shoppings e redes de fast foods, até barraquinhas de frutas – quando precisar de algo mais específico te recomendo ir até o centro que com certeza vai encontrar.

Nas comunidades, cidades litorâneas ou rurais (que foi onde eu mais estive), você vai encontrar pequenos comércios com os itens básicos e infinitas barraquinhas vendendo legumes, frutas, chapatis, mandazis, roupas, panelas e tudo que você imaginar por um precinho bem camarada 😊

5. Lavanderia

Começo dizendo que aprendi a lavar roupa na mão. Acredito que no centro de Nairóbi possivelmente tenha alguma lavanderia, mas provavelmente não será muito barato. Nos projetos onde estive, lavávamos as roupas na mão e segui fazendo isso após estar por conta própria.

Passeios turísticos e o que fazer nas horas livres:

  • Safári: Se você vem para o Quênia, tem que se programar para fazer um safári e observar os animais em seu habitat natural. Existem diversas empresas que fazem esse passeio com várias opções de pacotes diferentes para visitar o parque Masai Mara, também alguns outros locais onde se pode fazer passeios de bicicleta ou escalar uma montanha para avistar a savana de cima.
  • Arredores de Nairóbi: Pertinho do centro de Nairóbi existem alguns parques e orfanatos animais que você pode visitar pagando pouco. Nairóbi também possui opções de museus, teatros e parques abertos.
  • Litoral/ Mombasa: O litoral é uma experiência a parte, é incrivelmente lindo e eu recomendo que você inclua em seu roteiro, se possível.


Praia no Quênia

Para ir de Nairóbi até Mombasa existe uma alternativa barata e surpreendente, um trem que passa por dentro do Parque Nacional, onde você consegue observar alguns animais, como elefantes, zebras, camelos, gnus e etc.

O trem até Mombasa te leva em seis horas e custa 1.000 KES. Você também tem a opção de pegar um ônibus noturno que te leva em 10 horas e custa o mesmo preço, ou se preferir alugar um carro.

Em Mombasa existem algumas opções na Worldpackers onde você pode trocar horas de trabalho por acomodação e também algumas ótimas opções de hostels, até hotéis de luxo para quem vai apenas visitar por alguns dias.

Além das inúmeras praias, Mombasa também possui alguns pontos turísticos e históricos para visitar.

Te recomendo atravessar a balsa e percorrer mais alguns quilômetros para ir até Diani Beach, que é uma das praias mais lindas da região e foi considerada uma das mais lindas da África e do mundo. Diani Beach fica há mais ou menos uma hora de Mombasa e também possui ótimas opções de hospedagem e de passeios marítimos.

As vantagens de ser um Worldpacker no Quênia:


Ser voluntário e trabalhar com crianças

Sendo um membro da Worldpackers você tem a certeza de experienciar a real cultural e rotina do Quênia, tomar um banho de caneca assim como eles fazem todos os dias, comer a mesma comida, lavar as roupas a mão e pegar água do poço. 

Sendo um worldpacker você vai conhecer lugares que somente os locais poderiam te levar, vai conversar com todos os tipos de pessoas e ainda vai acrescentar de alguma forma na vida das crianças. Ser um voluntário traz proposito para a sua viagem e te faz enxergar muito além do que um simples turista, te faz viver o Quênia em todas a sua beleza e em todos os seus desafios também.

Hakuna Matata! Karibu Kenya!


6e985cee463702f6d482507f1fbb6bd4

Melanie

Voluntária, viajante, astróloga e apaixonada por pessoas e culturas. Tenho muito mais à aprender...

+ Ver mais

Nov 09, 2018


Gostou? Não esqueça de deixar Melanie saber :-)


Deixe seu comentário aqui

Escreva aqui suas dúvidas e agradecimentos ao autor