O papel do voluntário e do anfitrião em um voluntariado ecológico

A experiência de voluntariado em ecovilas e fazendas pode ser um pouco diferente do que voluntariados convencionais. Veja quais são os compromissos dos anfitriões e voluntários.


83c7d46f2267b3467948759dc509165d

Juliana @virandogringa

Mar 22, 2019

Engenheira que largou tudo para ser tradutora e autora do Virando Gringa, segue lá! Gosta de falar de viagem muito barata (mochilão), dicas de inte...

Direitos e deveres de um voluntariado ecológico

Fazer troca de trabalho por hospedagem em ecovilas e fazendas pode ser uma forma muito barata de viajar enquanto se ajuda uma causa. 

Como o próprio nome já diz, é uma troca, uma via de mão dupla. Ou seja, ao fechar uma viagem como voluntária, você se compromete a fazer parte do time que cuida daquela propriedade.

O trabalho em troca de hospedagem não é apenas um jeito legal de conseguir uma cama gratuita, mas sim uma experiência colaborativa

No caso do voluntariado ecológico, a experiência pode acabar sendo ainda mais imersiva, pois além de envolver as relações interpessoais que já acontecem num voluntariado comum (em hostels urbanos e similares), ainda tem o adicional de estar em contato com a natureza, provavelmente num local afastado ou isolado. Tudo se torna muito mais intenso nessas situações!

Ainda assim, é possível enumerar semelhanças entre o voluntariado em ecovilas e o voluntariado em hostel, que é o mais comum aqui na Worldpackers. Nos dois formatos, quem for te receber deve estar preparado da mesma forma. Ou seja, no momento da sua chegada o anfitrião ou anfitriã tem que ter pensado nas suas atividades diárias e tudo que foi combinado antes da sua ida. 

Ao longo do período de voluntariado, o anfitrião deve cumprir com o que estava colocado na vaga no site da Worldpackers. O mínimo é respeitar os horários de trabalho combinados, disponibilizar as refeições e os outros benefícios conforme informado previamente.

É interessante notar que os horários de colaboração no voluntariado ecológico podem ser um pouco diferentes, o que pode causar confusão ou interpretação errada. O ritmo de trabalho em uma ecovila ou fazenda é completamente diferente daquele de um hostel urbano. Se você vai cuidar de animais, provavelmente vai acordar bem cedinho, junto com eles! :)

Se você vai trabalhar com jardinagem ou plantações em geral, o ideal é também começar cedo, pois é ruim fazer trabalho de roça debaixo do sol do meio-dia! Devido a essas particularidades e por ser realizado ao ar livre, o voluntariado ecológico leva muito mais em consideração o tempo da natureza do que o tempo do relógio.

Converse com seu anfitrião sobre os horários antes de iniciar sua viagem, assim não tem erro!

Existem particularidades, mas os combinados e as regras servem para todo tipo de anfitrião, sem exceções. Vamos conhecer um pouco mais sobre essas regras?

Como se trata de uma relação de troca, é bom lembrar que existem responsabilidades dos dois lados. O anfitrião deve lembrar que é o porto seguro do viajante que está num lugar novo e acabou de chegar! Deve acolher e orientar, para então receber em troca o melhor do voluntário! 

Funções de um anfitrião da Worldpackers em um voluntariado ecológico:


Uma das principais funções do anfitrião é facilitar a interação entre os voluntários

1. Sempre alinhar as expectativas

O diálogo entre voluntário e anfitrião é fundamental antes mesmo da viagem acontecer. O anfitrião deve tirar todas as dúvidas sobre a experiência e informar o viajante sobre carga horária, dias de folga, estrutura, acomodações, refeições. Principalmente no caso da experiência em ecovilas ou fazendas, é muito importante que o anfitrião explique se o local é afastado ou totalmente isolado, que tipo de confortos tem ou não tem.

Por exemplo, em algumas ecovilas não tem energia elétrica ou ela é restrita, daí não é possível usar chuveiro elétrico. Será que todo voluntário está disposto a tomar banho frio todo dia? É bom esclarecer antes!

Outro exemplo, em locais longínquos também é comum que o sinal de celular não pegue. Caso o voluntário precise avisar a família ou amigos sobre o andamento da sua viagem, é bom que faça isso antes da chegada e consiga avisar que vai “sumir” ou ficar incomunicável por um período.

Outra coisa que acontece em lugares distantes é faltar opções do que comer, pois quem vem da cidade está acostumado a ir ao mercado a qualquer momento, numa fazenda as coisas precisam ser mais planejadas! Imagina, se o único supermercado fica a 20 km da fazenda? É legal o anfitrião avisar com antecedência para o viajante se organizar e fazer umas comprinhas antes de embarcar na aventura, para ter um estoque das coisas que mais gosta de comer!

2. Não cancelar de última hora

A importância de não cancelar de última hora vale para o host e para o viajante. Quando confirmada uma data, o viajante está contando com esse lugar pra ficar. Mesmo com o seguro viagem da Worldpackers, que garante lugar para o viajante dormir caso haja problemas, é importante que os dois lados cumpram o combinado para ninguém ficar na mão.

3. Informar sobre possíveis restrições alimentares

É comum que anfitriões de ecovilas tenham um cardápio vegetariano, ou até mesmo vegano. Afinal, vegetarianismo está intimamente ligado à diminuição de impacto ambiental do ser humano sobre o planeta. 

Não vamos discutir isso em detalhes agora, pois o que interessa nesse texto é lembrar que o anfitrião deve sempre informar restrições alimentares já na descrição da vaga, ou pelo menos na troca de mensagens pré-viagem. No nosso exemplo, caso o voluntário não goste de comida vegetariana ou tenha muito apego à carne, isso pode gerar um problema por falta de comunicação.

4. Não exigir mais que o combinado

Durante a experiência, é esperado que o anfitrião respeite a carga horária combinada e os tipos de tarefas. Principalmente no caso de voluntariado em fazendas, onde o trabalho costuma ser braçal, o anfitrião não deve jamais exigir que o voluntário faça algo acima das suas capacidades físicas ou mentais. Temos que lembrar sempre que é uma relação de ajuda mútua, não um contrato de trabalho.

5. Dar assistência ao voluntário do começo ao fim

Não é legal deixar um voluntário sozinho fazendo as tarefas, principalmente se for executar uma tarefa que nunca fez. Em fazendas é comum precisar fazer consertos nas estruturas como telhados ou barracões, se a voluntária ou voluntário não tem experiência com isso, pode se machucar ou causar um acidente que machuque outro voluntário É missão do anfitrião orientar sobre todas as tarefas e estar de olho no que os voluntários estão fazendo dentro da sua propriedade!

6. Facilitar a interação entre voluntários

Um bom host vai oferecer condições para que os voluntários tenham tempo de interagir e curtir a experiência além do trabalho prático. Mesmo numa ecovila ou fazenda, onde pode ser que as opções de entretenimento sejam menores, ainda é possível criar atividades para entreter os voluntários. 

Não tem muito o que fazer num local remoto? Que tal disponibilizar jogos, instrumentos musicais e atividades recreativas para os voluntários quebrarem o gelo com pessoas que acabaram de conhecer?

Se o voluntariado está acontecendo num país frio, com neve, que tal disponibilizar equipamentos para os voluntários se divertirem nesse ambiente, como um trenó, roupas de esqui ou snowboard? Que tal acender uma lareira no final do dia e oferecer um chá quentinho pra todo mundo?

Nos lugares tropicais, que tal tirar um dia para levar os voluntários para conhecer os arredores da ecovila? Tem um rio ou lagoa próximo à propriedade? Que tal levar todo mundo pra nadar junto? As opções de diversão dependem da nossa disposição e vontade de ser um bom anfitrião.

Funções do voluntário worldpackers em uma experiência em ecovila, fazenda ou centro holístico:


É importante o voluntário alinhar suas expectativas e funções como o anfitrião

1. Não cancelar de última hora

Da mesma forma que o anfitrião deve cumprir com o combinado, o voluntário também! Um dos principais problemas em relação aos voluntários é o comprometimento. Quando estamos em viagem, às vezes é difícil ter datas certinhas para tudo, mas é bom lembrar que o host precisa de voluntário tanto quando o voluntário precisa do host!

Caso o voluntário cancele a viagem com menos de sete dias de antecedência, ou simplesmente não apareça no período combinado, receberá uma avaliação automática de uma estrela no seu perfil informando que fez um cancelamento de última hora.

2. Ter comprometimento com as tarefas

Lembre-se que o anfitrião não está apenas fazendo um favor e hospedando um voluntário de graça. 

Chegando no destino, é hora de cumprir o combinado e ajudar! Voluntário, se você disse que é Expert em alguma coisa, demonstre isso! Faça perguntas, interaja com o host, pergunte o que precisa, dê sugestões sobre o que você acha mais bacana para essa ecovila ou fazenda!

3. Respeitar o espaço que te recebe

Sei que mencionei proatividade logo acima, que recomendei que tenha atitude! Porém, antes de começar, que tal reconhecer o terreno? Observe o ritmo de vida de quem te recebe, observe o que pode ser ofensivo ou exagerado, principalmente se estiver em um país diferente.

Por exemplo, brasileiros em geral costumam ser mais abertos a contato físico, como abraçar um amigo. Em alguns países isso pode ser demais, pode passar dos limites do que é confortável. O mesmo funciona para trabalhos e outras atividades. Sempre observe os seus arredores e sinta o clima, para ter uma convivência cada vez melhor com quem te recebe e com os outros voluntários. Empatia é fundamental para conviver bem com pessoas de culturas diferentes!

4. Ser honesto

Se você diz que é Expert em jardinagem, o anfitrião vai esperar que você saiba algo sobre jardinagem, no mínimo! Não adianta dizer que sabe fazer tudo, de cozinha a social media e depois não conseguir cumprir quando chegar a hora de ajudar. 

Não tem problema nenhum se você quiser voluntariar em uma fazenda e não saiba nada sobre fazendas! Voluntariado é pra aprender mesmo!

É melhor que você diga que não sabe e chegue com uma postura de aprendizado, do que dizer que sabe muito e depois decepcionar ou não conseguir ajudar. Ser honesta é sempre melhor, pois quando o host sabe que vai receber voluntários inexperientes, pode se preparar para um período inicial onde ensina sobre as tarefas no começo do período de voluntariado.

Como funcionam as avaliações após a experiência de voluntariado ecológico?

Depois da sua experiência como voluntário, você pode avaliar o anfitrião e também ser avaliado por ele. Você só poderá escrever uma avaliação depois do final da sua viagem.

Depois da data de partida, tanto o anfitrião quanto o voluntário terão 15 dias para escrever a avaliação. Nesse período, a única forma de ler o que o outro escreveu é fazer a sua avaliação sobre ele (e vice-versa). Isso evita que uma das partes faça "review de vingança" por ter sido mal avaliado ou coisa do tipo.

Uma vez que ambos tenham escrito a avaliação, elas ficarão visíveis para outras pessoas. 

Dicas para escrever uma avaliação que ajude outros viajantes

Ao fazer sua avaliação, tente fornecer o máximo de detalhes possível! O comentário neutro de que "foi uma ótima experiência", ou “a experiência foi maravilhosa” é legal, mas não fornece informações concretas que ajudem outros voluntários!

Se tiver uma crítica construtiva sobre o local onde você ficou, por favor escreva a avaliação, esse é o momento! A comida não veio como prometido?  O camping estava de um jeito nas fotos mas de outro jeito ao vivo? O trabalho era mais pesado do que o esperado? Você fez algo que não estava combinado? Escreva, escreva, escreva! Só assim outros viajantes poderão evitar perrengues que você passou. Seja essa heroína ou herói para outros worldpackers.

O anfitrião provavelmente vai lhe avaliar em relação a seu comprometimento, sociabilidade, responsabilidade, proatividade, trabalho em equipe e compromisso com o combinado. Você pode falar sobre o comportamento do anfitrião, se era uma pessoa receptiva, se facilitava a integração dos voluntários, se cumpriu o prometido. Tudo é recíproco.

As avaliações aparecem no seu perfil e no perfil da propriedade para ajudar futuros viajantes.

E se der algo errado na experiência de um voluntariado ecológico?

A primeira coisa a se fazer é tentar o diálogo. Se você, voluntário, fizer a sua parte direitinho, mas o anfitrião fizer algo diferente do combinado, tente sentar e conversar.

Se o anfitrião não oferecer abertura para conversa, ou se a conversa não der certo, entre em contato com a equipe de suporte da Worldpackers. Se você combinou tudo através da plataforma, a Worldpackers se compromete a intervir com problemas de relacionamento e desrespeito ao combinado, assim como em casos de assédio ou problemas de infraestrutura.

Esteja preparado: se você for voluntariar num local remoto, é bom pesquisar quais são as cidades nos arredores, quais são os meios de transporte que você pode usar para ir embora caso precise sair de forma inesperada e quais são as condições de locomoção que você terá.  Pode até mesmo perguntar todas essas informações ao anfitrião nas conversas pré-viagem.

Não estamos falando que vai dar errado, mas sim para você se prevenir ao máximo possível para viajar com a consciência tranquila.

Conte com o suporte da Worldpackers!

Se necessário, a equipe vai ajudar o/a viajante a encontrar outro anfitrião nas redondezas. Se isso não for possível, a Worldpackers paga três noites de hospedagem num hostel na mesma cidade.

Tem mais alguma dúvida sobre trabalho em fazendas ou ecovilas? Deixe nos comentários! 


83c7d46f2267b3467948759dc509165d

Juliana @virandogringa

Mar 22, 2019

Engenheira que largou tudo para ser tradutora e autora do Virando Gringa, segue lá! Gosta de falar de viagem muito barata (mochilão), dicas de inte...


Gostou? Não esqueça de deixar Juliana @virandogringa saber :-)


Deixe seu comentário aqui

Escreva aqui suas dúvidas e agradecimentos ao autor