Categorias

Preciso falar inglês para uma viagem com a Worldpackers?

A Josane saiu do Brasil há dois anos tendo como um dos principais objetivos aprender 5 idiomas! Saiba como ela usar a Worldpackers e metodologias caseiras para aprender outras línguas.


A94de3575f30c71e99546aa33cc4add7

Josane

Two years ago I left Brazil to live around the world. After I've been to Colombia for 6 months, n...

Ago 09, 2018

Josane aprendeu ingles e espanhol por conta propria antes de viajar com a Worldpackers

A Josane saiu do Brasil faz dois anos tendo como um dos principais objetivos aprender outros idiomas. 

Para isso, ela ficou 6 meses na Colômbia para falar Espanhol e 1 ano na Europa para falar Inglês, Espanhol e Francês.

Por isso, convidamos ela para participar do Podcast da Worldpackers e contar sobre:

  • Nível do idioma antes e depois de voluntariar em outro país
  • Como desenvolver um novo idioma viajando
  • Como é trabalhar em um idioma não dominante
  • Tempo necessário em um outro país para aprender a língua
  • Dicas de aplicativos e escola pra desenvolver uma nova língua

Você pode ouvir o podcast na íntegra ou ler os principais momentos dessa entrevista aqui em baixo. 



Felipe: Hoje vamos tirar a dúvida de uma das perguntas que mais recebemos aqui na Worldpackers que é "eu preciso falar outra língua para viajar com a Worldpackers?". O que você acha disso Jo? Já que você que tem uma boa experiência viajando assim.

Josane: Isso é uma coisa que eu também achava que era preciso antes de eu começar a fazer meu primeiro trabalho voluntário. Mas depois eu fui percebendo que não porque inclusive muitas oportunidades, dependendo do tipo de trabalho voluntário que você vai fazer, não é algo obrigatório. Isso falando de trabalhos voluntários fora do Brasil.

Há tipos de trabalho que você não necessariamente vai estar conversando diretamente com pessoas, ou seja, que você dependa do idioma para poder executá-lo. Então, há muitas oportunidades para fazer outras atividades que não faz falta você saber o idioma para fazer esse trabalho.

Sempre ajuda saber o mínimo para se comunicar com o anfitrião que vai te receber, mas para o trabalho em si não. Então, para quem está começando do zero e tem um nível de idioma básico, é bom porque você pode usar essas oportunidades para desenvolver o idioma pouco a pouco.

Felipe: Você já tinha um nível bom de inglês quando saiu do Brasil?

Josane: Eu estudei muito tempo inglês em escolas de idiomas no Brasil e hoje eu sinto claramente que isso não funciona. Principalmente no formato que são as escolas de idiomas no Brasil, onde você estuda 2 horas por semana e leva anos para aprender algo. No fim, você vai até ter o conhecimento do idioma, mas provavelmente você não vai falá-lo.

Quando eu decidi deixar o Brasil, há 2 anos, um dos meus principais objetivos era aprender outros idiomas porque eu achava incrível pessoas que falavam outros idiomas. Então eu pensava "quero aprender 5 idiomas!". Ainda é meu propósito aprender 5 idiomas, e estou no meu quarto agora. Na época, como eu já tinha o nível de inglês e pouca grana pra ir mais longe, como até países de língua inglesa nativa, eu fui primeiro para a Colômbia aprender espanhol.

Detalhe: eu achava que só era possível aprender inglês em países de língua inglesa, mas hoje já me dei conta que não. Por exemplo, estou aqui na Espanha e nunca falei tanto inglês na vida)

Voltando a Colômbia, eu tinha essa coisa que não queria chegar pra aprender do zero. E como o espanhol é um pouco mais fácil para aprendermos, foi aí que eu criei esse meu método de aprender idiomas (que uso até hoje): 1 mês antes de ir para lá, eu me dediquei a um mês intensivo estudando espanhol 5 horas por dia.

Esse "estudar" não é estudar 5 horas em cima do livro, até porque ninguém aguenta. Eu estudava um pouco de gramática, cerca de 30 minutos a 1 hora e todo o resto do tempo eu me dedicava a escutar, assistindo vídeos, séries e filmes com o áudio original e com a legenda original. Depois de um tempo fazendo isso, automaticamente você vai falar como se fosse algo natural seu.

Uma dica que eu dou para quem está em nível básico ou intermediário é assistir séries, e não filmes. Filme é para um nível mais avançado porque quando você assiste uma série, você já está habituado aos personagens e a história, então você já tem um contexto que te ajuda a compreender melhor cada diálogo. Além disso, os personagens tendem a repetir muito as mesmas palavras, como as mesmas frases, jargões, verbos, etc. Como aprender idioma se trata muito de repetição, você consegue pegar uma séria longa e aprender mais fácil.

Para quem está no começo, vale a pena usar pelo menos 2 horas por dia assistindo episódios para realmente começar a evoluir. No mínimo, 2 horas.

Eu só fui aprender inglês mesmo depois de assistir as 13 temporadas de Grey's Anatomy em 3 meses!

Depois de fazer, quando cheguei na Colômbia, eu já conseguia me comunicar bem desde o primeiro dia. Sem ser num nível super avançado, mas sem ser o "portunhol" também. Ou seja, eu falava, meu espanhol era limitado, mas tudo que eu falava era espanhol.

Os colombianos até me perguntavam como eu tinha aprendido o espanhol e acabavam rindo de mim quando eu dizia que aprendi vendo a série "La Reina del Sur", que é uma série horrível!

Na época, eu estava procurando no Netflix uma série longa para aprender espanhol. E a única que encontrei foi essa, que tinha 65 episódios. O lado bom é que era uma mistura de Espanha e México, o que me ajudou a conhecer como eles falam o espanhol nesses dois países.

Felipe: Que bom! Porque o espanhol da Argentina, por exemplo, é totalmente diferente de outros lugares.

Josane: Eu brinco com meus amigos argentinos que eles inventaram outro idioma, que é o Argentino! Principalmente pela diferença de pronúncia.

Felipe: Tem um pouco de ter que ter cara de pau em alguns momentos para começar a falar, não acha?

Josane: Tem que ter cara de pau no sentido de não ter vergonha. Isso foi uma coisa que sempre me bloqueou: eu sempre tive vergonha de falar o idioma na frente de brasileiros. Nunca tive vergonha de falar com nativos, porque os nativos não vão ter o mesmo senso crítico que alguém do seu próprio país.

Depois que você vai morar fora, você percebe que todo mundo fala "errado". Todo mundo tem seu jeito próprio de falar, seu sotaque. Não importa muito como você fala, mas sim como você está se comunicando. E isso me ajudou muito a me soltar, porque antes eu me bloqueava, pensando muito antes de falar para que saísse a frase perfeita.

Isso inclusive me ajudou em outras coisas. Hoje eu percebo que perdi a vergonha de qualquer coisa graças a esse desbloqueio que tive com o idioma.

Felipe: Você está falando quantos idiomas agora?

Josane: Agora eu estou falando três e meio (risos).

O que acontece. Se eu estou na Espanha, falo espanhol e não falo inglês durante 3 meses. Aí quando eu tenho que ir para a Inglaterra, é como se eu tivesse perdido a fluência porque fiquei 3 meses sem falar. Saber um idioma e ter fluência nele são coisas diferentes. Se eu fico 3 meses sem falar inglês, demora uma semana para voltar a falar fluentemente.

Felipe: Como as viagens com a Worldpackers te ajudam nesse aprendizado de novos idiomas?

Josane: Eu costumo ficar pelo menos 3 meses em cada lugar para ter essa imersão no idioma.

Inclusive, as pessoas na comunidade da Worldpackers me perguntam muito sobre ir para a Inglaterra (ou outros lugares no Reino Unido) para aprender inglês. E eu sempre falo que não necessariamente é o melhor lugar, por ser muito caro. E que você pode ir para outros países, como Alemanha e Holanda, que todo mundo fala inglês muito bem.

Então você pode escolher outros países na Europa para falar inglês. Só não recomendaria Espanha, Itália e Portugal. O resto você pode ir praticar inglês. Onde eu falei mais inglês quando cheguei na Europa, por exemplo, foi na Croácia, onde fiquei 1 mês e todos falam inglês, independente de idade ou classe social.

Felipe: O fato de não falar algum idioma chegou a te limitar de alguma forma nesses lugares onde você foi worldpacker?

Josane: Como eu já conhecia o idioma em todos os casos, fosse o inglês ou o espanhol, não tive problemas. Nos primeiros dias, leva um tempinho para recuperar a fluência, o que é normal.

Felipe: Se alguém quer viajar, tem um nível básico e quer desenvolver melhor o idioma. Quais lugares você recomendaria para ela ir e quanto tempo sugere que ela fique para desenvolver o idioma?

Josane: O tempo depende do nível. Para quem está num nível avançado, pode ser de 2 semanas a 1 mês. Para quem está num nível básico, do tipo consegue falar 'só o yes' mas é cara de pau pra continuar conversando diria que 3 meses é um bom tempo para chegar num nível intermediário. Para quem "fala yes" mas ainda se sente um pouco bloqueado, de 4 a 6 meses.

Inclusive essa coisa de nível básico, intermediário e avançado é uma coisa bem brasileira. Na Europa, por exemplo, eles têm outras classificações. O nível intermediário do Brasil é o nível básico na Europa. O nível avançado no Brasil é o intermediário da Europa.

No final, tudo é esforço e dedicação. Nas escolas de inglês, você estuda só 2 horas por semana, e no final de 1 ano, ainda não vê evolução, mesmo pagando caro por isso. Se você priorizar seu tempo e focar em desenvolver o idioma em 1 mês ou 2, estudando e praticando mais horas por mais dias, você vai conseguir chegar em outro país falando num nível bem melhor.

Felipe: Quando você chegou nesses outros países, como fez para conseguir desenvolver melhor o idioma?

Josane: Na Colômbia, que foi minha primeira experiência fora mesmo, eu pedia pras pessoas me corrigirem quando eu falava algo que não fazia sentido.

Além disso, existem aplicativos que podem te ajudar a melhorar o idioma. O Meet up te ajuda a conhecer pessoas no lugar onde você vai e é uma boa maneira de conhecer nativos, porque ele tem vários tipos de temas e interesses diferentes para os encontros de grupos de pessoas que ele promove. Por exemplo, posso encontrar grupos de pessoas que gostam de yoga para praticar yoga e ainda falar na língua deles. Além disso, você pode ir em encontros de pessoas que vão só para praticar o idioma. Em todas as cidades, você tem encontros que geralmente são em bares pra ajudar a galera a beber uma cerveja e se soltar.

Hoje eu faço parte de vários grupos lá. Inclusive um "turcos que falam espanhol" (risos).

Felipe: Qual o seu recado final pra quem está pensando em viajar pela primeira vez para desenvolver um idioma?

Josane: Para quem quer viajar e tem medo, não tenha medo. Se você nunca saiu do Brasil, é normal ter medo. Eu também tive na minha primeira viagem, quando fui pra Argentina, mesmo sendo "ali do lado de casa". Quando você chega, vai ver que é bem parecido como estar no seu país, mas falando outra língua. As pessoas vão te ajudar caso você precise de ajuda.

Para quem quer aprender um idioma, se dedique e invista seu tempo nisso que vale a pena. Se você realmente quer falar outra língua, trate como prioridade que vai dar certo. Recomendo também o aplicativo Babbel para praticar.

Invista seu tempo e dedique-se que vai dar certo. 


A94de3575f30c71e99546aa33cc4add7

Josane

Two years ago I left Brazil to live around the world. After I've been to Colombia for 6 months, n...

Ago 09, 2018


Gostou? Não esqueça de deixar jobeckman saber :-)


Comentários