foz do iguacu

O que muitos me perguntam é como consigo viajar tanto.

A resposta é simples. Tudo é questão de planejamento financeiro.

Uns querem roupa de marca, celular do ano, restaurantes caros e muitas outras ostentações. Não julgo, pois cada um sabe o que te faz bem e o que é prioridade. Eu priorizo viagens, quero ter histórias para contar e conhecimentos para partilhar, por isso controlo muito bem meus gastos.

Quando viajo sempre procuro lugares mais baratos para me hospedar, como por exemplo hostels, afinal, gosto de explorar o local, não ficar em um hotel de luxo. Tem quem curta, mas esse não é meu perfil de viagem.

Nas minhas últimas viagens venho utilizando a plataforma do Worldpackers, uma maneira ainda mais barata de viajar e ter uma imersão na realidade local.

Vou compartilhar um pouco da minha aventura em Foz do Iguaçu.

Para quem não conhece, Hostels ou albergues são lugares de hospedagens econômicas, com quartos compartilhados e privados. O ambiente é muito descontraído, com um público que busca bons preços e oportunidade de fazer amizades.

Através da plataforma fui para um hostel, forneci meu tempo, conhecimento e comprometimento e ganhei acomodação e alimentação.

São diferentes vagas que você pode se candidatar para ser voluntário: recepcionista, ajudar na divulgação, no preparo do café da manhã, barman, ajudante de serviços gerais, entre outros.

Fiz a solicitação para recepção, fui aprovado e então peguei minha mochila e iniciei mais uma experiência. Fui muito bem recebido pela anfitriã, que me apresentou todo o hostel e passou todas as informações básicas do local, além dos procedimentos de checkin e checkout.

A acomodação que fiquei era compartilhada, com mais quatro Worldpackers (um gaúcho, dois paulistas e um argentino), uma galera bem bacana e cheia de histórias.

No dia que cheguei não realizei nenhum trabalho, foi somente apresentação ao local e integrantes da equipe.

Meu horário foi determinado das 17h00 às 22h00, então tinha o dia todo pra curtir a cidade.

Para quem deseja aprimorar o inglês e espanhol, a cidade é ideal, pois recebe turistas de todo canto do mundo.

Meu período de voluntariado no hostel foi excelente, fiz muitas amizades e o local fez me sentir em casa. Após o trabalho quase sempre fazíamos rodadas de caipirinhas ou juntávamos uma galera e íamos explorar a vida noturna, já que a cidade é repleta de excelentes bares.

Vamos falar um pouco sobre gastos dessa viagem:

1. Alimentação

Estava inclusa nos benefícios fornecidos pelo local, então não tive custo. Caso faça solicitação para um lugar que não tenha, em muitos locais é possível preparar sua própria comida. Uma excelente forma de economizar e não tem desculpa de não saber cozinhar.

Eu, por exemplo, sabia só fritar um ovo e até hoje é o que sei sem seguir uma receita, mas com a facilidade da internet é possível ser um Masterchef. Para preparar minha comida, uso bastante o aplicativo TudoGostoso quando viajo, só seguir as instruções que dá tudo certo.

2. Lazer e festas

Ficar em um hostel já é praticamente uma festa todo dia.

As vezes que sai para curtir a noite não gastava muito, pois uma caipirinha já me deixa alegre e sou muito fraco com bebida.

Se você é mais festeiro, não faltarão opções. A cidade tem muitas opções de balada e bares com preços acessíveis.   

3. Transporte e deslocamento

Sempre é possível esticar as pernas. Eu quando viajo chego a andar um média de 15 quilômetros, porque curto muito explorar as cidades caminhando.

O sistema de transporte público é muito bom e tem um terminal principal conhecido como TTU(Terminal de Transporte Urbano ).

Lá em Foz é possível pegar ônibus em diversos pontos da cidade para o terminal, chegando nele você pode ir para onde quiser.

Alguns lugares que fui de ônibus foram o Parque Cataratas do Iguaçu (lado brasileiro), Parque das Aves, ao Templo Budista e a Usina de Itaipu.

Para ir o Paraguai e Argentina existe ônibus que passa em diversos pontos da cidade e custa somente R$4 por trecho.

4. Passeios e atrações

Sobre o turismo local, também é possível economizar. Foz tem excelentes pontos turísticos gratuito, por isso mesmo é considerado um dos 15 destinos mais baratos do Brasil. Segue alguns pontos turísticos gratuito:

  • Templo Budista - O Templo Budista de Foz do Iguaçu é o segundo maior da América Latina, foi construído em 1996 por comunidades chinesas da Tríplice Fronteira (Brasil, Paraguai e Argentina). O Templo está aberto para visitação das 9h30 às 17h00, de terça-feira à domingo.
  • Gramadão - O Gramadão da Vila A é um espaço de lazer, recreação e esportes. Excelente lugar para ir aos domingos.
  • Mesquita Omar Ibn Al-Khatab - Outro ponto turístico religioso na cidade,a mesquita chama atenção por sua arquitetura árabe. Algumas regras para acesso são: deixar o calçado na entrada no templo, as mulheres receberão um véu para cobrir os cabelos e ombros, também é necessário estar com roupas abaixo do joelho.

Conheci também outros pontos turísticos, onde foi necessário desembolsar uma grana, mas que é indispensável de conhecer:

  • Parque Nacional do Iguaçu - O parque faz fronteira com o território argentino. São aproximadamente 185 mil hectares no lado brasileiro. É de impressionar a imensidão e beleza do local. 

Do lado brasileiro há uma trilha que passa por vários mirantes e um elevador panorâmico ligando a base das quedas ao nível superior do rio. Sua entrada está R$36.

  • Itaipu Binacional - A Usina Hidrelétrica de Itaipu é a maior geradora de energia limpa e renovável do planeta. A entrada custa R$ 36, fui duas vezes pois é possível ir pelo lado Paraguaio de graça. É o mesmo percurso, então vale ir no Paraguai para economizar, pois irá gastar uma média de R$10 com passagem de ônibus ida e volta.
  • Marco das 3 Fronteiras - Local onde é possível ver a divisão das três fronteiras Brasil, Argentina e Paraguai.

Vale a pena ir no fim de tarde, pois tem apresentações artísticas e a iluminação fica linda. O local também possui um restaurante e atividades para crianças. Custo da entrada de R$ 22.

Se você tem a intenção de conhecer um pouco da Argentina ou Paraguai, não se esqueça de estar com seu RG ou passaporte original válido. RG deve ter emissão anterior a 10 anos.

voluntário worldpacker em templo budista em Foz do Iguaçu

Realizar trabalho em um hostel é um ótima experiência. No geral quem se hospeda nesse local são pessoas bem-dispostas a conversar e trocar vivências. Muitos viajam sozinho e sempre tem ótimas histórias pra contar.

Além de ser uma forma de conhecer diversas culturas sem estar na região. Porém, é preciso ter consciência e respeito com outro.

Conviver com pessoas com costumes diferentes, horários e hábitos diferentes dos seus é um aprendizado diário.



846a017e106f69711416b265cc2b2002

Cledson Luiz

Sou Cledson Mochileiro, Aventureiro, Voluntário e um desbravador desse mundão, natural de Rio Que...

+ Ver mais

Ago 21, 2018


Gostou? Não esqueça de deixar Cledson Luiz saber :-)


Deixe seu comentário aqui

Escreva aqui suas dúvidas e agradecimentos ao autor