Viagem ao Equador: os 23 lugares que você tem que ir

O Guia completo do que ver, conhecer, experimentar, aprender e fazer no Equador.


65f962b03f5a10b081df9ac221a31886

Vinicius

Nascido e criado na cidade de Campinas, Sao Paulo, sempre se fascinou por colecionar coisas, até ...

Ago 28, 2018

a costa equatoriana é repleta de riquezas naturais

Recentemente iniciei minha jornada pela América do Sul como um worldpacker. Comecei no Peru e depois passei pelo Equador, país famoso por seus vulcões, florestas, altas ondas para surfar, chocolate delicioso e, é claro, as Ilhas Galápagos.

O Equador é ainda pouco explorado pelo brasileiros, o que me deu ainda mais vontade de escrever este artigo. Quem sabe ajudar a abrir a mente dos viajantes e mochileiros que já pensaram (ou não) em viajar pelo Equador, mas que ainda não foram por não terem mais informações do lugar.

Tem gente que acha que viajar para o Equador pode ser caro só porque a moeda local é o dólar americano. Outras pessoas simplesmente não conhecem as coisas fantásticas e lugares incríveis que se pode visitar nesse país que, apesar de pequeno em dimensões territoriais, é gigante em riqueza cultural e natural.

Além disso, é um país cheio de anfitriões onde você pode viajar trocando habilidades por hospedagem. Ou seja, dá pra economizar ainda mais viajando para o Equador como voluntário!

A verdade é que o Equador é um país perfeito para mochileiros.

Primeiro porque é pequeno em território, portanto é fácil e rápido viajar de uma cidade para outra. Segundo pela quantidade de lugares totalmente diferentes e únicos dentro do país, fazendo do Equador um lugar para ir ao menos uma vez na vida.

Ah, pra ajudar, a gasolina ainda é bem barata e as passagens de ônibus também não pesam no bolso. Uma “regra geral” aqui que funciona bem é que, cada uma hora de trajeto de ônibus custa 2 USD. Então você consegue ter uma boa ideia quanto você vai gastar em transporte durante a viagem.

A comida também é barata e sempre muito gostosa. E o melhor: servida sem miséria!

O Equador ampliou muito sua infraestrutura de turismo na última década, impulsionado pela campanha do governo “All you need is Equador” - que agora você encontra em todos os cantos do país, como em restaurantes, hotéis, estradas, aeroportos.

Esta mudança é inclusive perceptível no dia a dia com os equatorianos, que sempre sentem orgulho de compartilhar a história do país. Eles sempre irão te receber de braços abertos para que você tenha uma experiência inesquecível por lá.

Para fechar, o Equador é um país seguro. Na maioria dos lugares você não precisa se preocupar em sair e caminhar de noite, por exemplo. O clima é sempre agradável (com exceção do clima frio no topo dos vulcões altos, claro) e os locais sempre estão dispostas a ajudar.

A verdade é que, depois de dois meses neste país incrível, eu senti que poderia ter passado muito mais tempo (sem enjoar). Tive essa sensação de estar aprendendo algo novo todo dia!

Os 23 lugares que você tem que conhecer na sua viagem para o Equador são:

  1. Quito;
  2. Mitad del Mundo;
  3. Vulcão Cotopaxi;
  4. Termas de Papallacta;
  5. Vulcão Quilotoa;
  6. Mercados de Otavalo;
  7. Reserva Nacional Yasuni;
  8. Mindo;
  9. Baños de Agua Santa;
  10. Cavernas Jumandy;
  11. Amazônia Equatoriana;
  12. Praia Rosada;
  13. Montañita;
  14. Costa Equatoriana;
  15. Puerto Lopez;
  16. Rota do Sol;
  17. Guayaquil;
  18. Cuenca;
  19. Ilha de Galápagos;
  20. Festa das flores de Ambato;
  21. Vulcão Chimborazo;
  22. Vilcabamba; 
  23. Nariz do Diabo.


1. Passear no Centro Histórico de Quito

  • Tempo: Dois dias.
  • Destaques: Teleférico e Vulcão Pichincha.

Quito é a capital do Equador e um de seus pontos turísticos mais importantes, localizada em um vale em meio a Cordilheira dos Andes. É famosa tanto por sua especial história, que é ilustrada em sua arquitetura e Centro Histórico, como também pelas diversas maravilhas naturais que a circundam, por exemplo, o famoso vulcão Pichincha, situado bem aos pés de Quito e que ainda é ativo.

O Centro Histórico de Quito, um dos mais bem preservados de toda a América Latina e que foi um dos primeiros locais no mundo a se tornar um Patrimônio Cultural da UNESCO, é extenso e possui diversos prédios e igrejas da época coloniais, com destaque para a Praça Independência, a Igreja da Companhia (com seu interior decorado em ouro), o Palácio do Governo e a praça e Igreja de São Francisco (a mais antiga do Equador).

Quito também possui o teleférico mais alto do continente americano, que fornece uma deslumbrante vista de toda a cidade. O passeio de teleférico custa 10 USD e te leva ao topo de uma montanha onde também há uma trilha de cinco quilômetros que te leva até o vulcão Pichincha, há também outras trilhas menores de até 40 minutos em que é possível ter uma vista sensacional de toda Quito.


Centro Histórico de Quito, Equador.

2. Dividir hemisférios na Mitad Del Mundo

  • Tempo: Um dia.
  • Custo: 7 USD.

Mitad del Mundo é um parque a cerca de 30 quilômetros de Quito e possui este nome por ser a localização geográfica que divide os hemisférios Norte e Sul do planeta. Ir lá e tirar uma foto frente ao monumento da Torre que demarca a linha do Equador, com um pé em cada hemisfério, é “essencial” para todos os turista que visitam Quito.

O local também é muito visitado pelos locais, por isso fica bem cheio aos finais de semana, porém nesses dias ocorrem apresentações de música e danças no parque.

Para chegar até Mitad del Mundo basta pegar um ônibus no terminal de Quito que vai até o terminal Ofélia e de lá outro ônibus até a Mitad del Mundo. Para ter acesso ao parque, com direito a visita ao monumento e museu, é necessário comprar um bilhete de entrada (7 USD por pessoa).

3. Admirar o Vulcão Cotopaxi

  • Tempo: Quatro horas.
  • Custo: 20 USD.

O Cotopaxi é um dos maiores cartões postais do Equador. Localizado no Parque Nacional Cotopaxi, a beira da estrada Panamericana, que liga a capital Quito até a cidade de Latacunga. Este vulcão possui cerca de 6000 metros de altura e é um dos mais ativos do mundo, cuja última erupção aconteceu em Junho de 2015.

Agências em Quito cobram normalmente cerca de 40 a 50 USD por um tour até o vulcão, porém é possível realizar o passeio por conta própria (que acaba saindo uns 20 dólares por pessoa), basta pegar um ônibus em Quito até Latacunga (2 USD, duas horas de trajeto) e pedir para parar na entrada do parque Cotopaxi.

A entrada é gratuita, porém a legislação equatoriana obriga os visitantes a entrarem no parque com um guia, que sempre estão disponíveis na entrada do parque e cobram cerca de 20-30 USD por pessoa por um passeio de três a quatro horas. Lembre-se que no Equador o seu poder de barganha conta muito para conseguir os melhores preços ao negociar com os locais!

Dentro do parque o tour normalmente passa por um jardim botânico, canions e finalmente chega até a lagoa bem de frente para o vulcão Cotopaxi ao fundo. Se você tiver sorte, o céu estará limpo e você poderá ver o reflexo do vulcão no lago, porém vale a pena lembrar que ali tem muita neblina, principalmente à tarde, o que pode dificultar a visão do vulcão, por isso é recomendável chegar bem cedo no parque para poder garantir uma boa visibilidade do Cotopaxi.


Vulcão Cotopaxi, Quito, Equador.

4. Relaxar nas Termas de Papallacta

  • Tempo: Um dia.
  • Custo: 20 USD (14 USD para crianças).

A cerca de 70 quilômetros a sudoeste de Quito se encontram as famosas águas termais de Papallacta, conjunto de termas que fica no centro de uma cratera de um vulcão já extinto e que ainda tem calor conservado para aquecer as águas em seu entorno, resultando em uma agradabilíssimo ambiente para se relaxar com a família.

Além da beleza natural, o local conta com diversos tipos diferentes de fontes, que se diferenciam entre si pela temperatura da água que pode ser mais ou menos elevada.

Contando com uma ótima infraestrutura hoteleira e ótimos restaurantes, as termas de Papallacta se tornaram destino cobiçado por locais e turistas. Os balneários funcionam diariamente das 06h às 18h e os hotéis costumam vender pacotes familiares de hospedagem de uma ou duas noites que variam entre 150 e 200 USD.

5. Dar a volta na lagoa do Vulcão Quilotoa

  • Tempo: Três horas.
  • Custo: 10 USD.

Quilotoa é o nome de um vulcão inativo de 3800 metros situado cerca de 80 quilômetros ao Sul de Quito, próximo da cidade de Latacunga, famoso por possuir um lago dentro de sua cratera no topo.

Aqui, a imagem que temos de um vulcão com fogo e lava se desfaz e dá lugar a lagoa azul-turquesa que se que forma nas águas no interior do vulcão.

É possível realizar a subida do vulcão do modo rápido (de carro) ou lento (escalada). Para dar a volta no Quilotoa escalando é necessário dois dias e ter bons equipamentos para acampar e encarar o frio do alto da montanha. Porém, para aqueles que não têm tempo ou disposição física, é possível subi-lo de forma simples e fácil, basta pegar uma caminhonete no povoado que fica cerca da montanha para subir até o topo do vulcão.

Para chegar ao Quilotoa desde Quito, basta pegar um ônibus no Terminal Terrestre Cumanda (Quito) em direção a Latacunga (2 USD). Depois de cerca de duas horas de viagem, em Latacunga, dá para ir até Quilotoa por meio de um ônibus direto que sai duas vezes ao dia do terminal da cidade (um de manhã e o outro a tarde) que custa 1,5 USD.

Outra opção, caso você perca o horário dos ônibus, que costumam ser um pouco imprecisos, é pegar um coletivo em Latacunga até a vila de Zumbahua, que é perto da base do vulcão e onde muitos moradores locais oferecem transporte até o povoado de mesmo nome que se localiza no topo do Quilotoa (custo varia de 0.5 até 2 USD dependendo do número de pessoas e seu poder de negociação com os locais).

Para entrar na vila de Quilotoa estrangeiros tem que pagar uma taxa de 2 USD. De lá, basta caminhar cinco minutos até a cratera do vulcão, que fica dentro do próprio povoado. A volta do vulcão normalmente se faz a pé mesmo e demora cerca 45 minutos.


Vulcão Quilotoa, Quito, Equador.

6. Se perder nos Mercados de Otavalo

  • Tempo: Um dia.

Otavalo é famosa por abrigar o maior mercado aberto da América do Sul. O mercado de Otavalo, conhecido localmente como “Plaza de los Ponchos” e também “Mercado Centenário”, é uma feira gigantesca que abre todos os dias das 07h até às 18h, sendo sábado e quarta feira os dias de maior movimento e com maior número de vendedores e opções.

Ali você vai encontrar todos os tipos de mercadorias artesanais de materiais em tecido, cerâmica, couro, prata, outros metais e também produtos importados e souvenires diversos.

Dá para encontrar aquela “lembrancinha” para toda a família por ótimos preços e também produtos mais elaborados, basta ter disposição para caminhar através das infinitas tendas e barraquinhas de vendedores e artesãos, que muitas vezes vendem produtos similares mas que podem diferenciar bastante em preço.

Vale a pena lembrar que no Equador sempre se consegue um preço melhor com um pouco de negociação. A pechincha é uma habilidade que deve ser utilizada sem medo nos mercados de Otavalo, já que os próprios comerciantes e artesãos já esperam que seus clientes tente convencê-los a baixar os preços de seus mercadorias.

Além dos produtos artesanais, o mercado de animais de Otavalo também é uma atração turística famosa na cidade. Ali você pode esperar encontrar a venda vacas, porcos, cabras, porquinhos-da-índia, galinhas, coelhos, patos, e por aí vai.

7. Explorar a Reserva Nacional Yasuni

  • Tempo: Dois dias.
  • Destaques: Lagoa Añangucocha e Torre de Observação.

O Parque Nacional Yasuni é a porta de entrada para a floresta amazônica equatoriana e possui uma incrível biodiversidade de fauna e flora, possuindo mais repteis e anfíbios que os EUA e Canadá juntos!

O parque conta com um museu que explica a história da região, seus propósitos e muito da cultura indígena e kichwa regionais. Ao entrar no museu você é recebido com boas vindas e um copo da famosa bebida tradicional indígena, a Chicha.

É possível obter vistas incríveis da selva tropical através da Torre de Observação, que possui 50 metros de altura e a visão contempla um mar de copas e o rio com sua extensão que parece infinita e uma árvore gigante que possui a mesma altura da torre.

O parque está localizado próximo da cidade de Colca, que conta com boa infraestrutura para receber turistas e agências que vendem tours que exploram a vastidão do parque, como por exemplo a famosa lagoa Añangucocha.

A melhor forma de se mover pelo parque é pelas vias fluviais, como o rio Napo e o rio Curaray, que ao serem navegados te levam até as zonas mais atrativas do parque e te dão a oportunidade de visualizar ao longo da jornada, nas vegetações que bordeiam suas margens, uma imensa biodiversidade de animais como pássaros e macacos e até jacarés.


Parque Nacional Yasuni, Colca, Equador.

8. Observar pássaros em Mindo

  • Tempo: Um dia.
  • Destaques: biodiversidade, fazendas de chocolate.

Mindo é uma pequena cidade aos pés da Cordilheira do Andes, famosa por suas chamadas “florestas de nuvens”, devido a constante presença de névoa e neblina que permeiam as suas montanhas e vegetação.

É um lugar também famoso pela sua diversidade, principalmente de pássaros, cujas mais de 470 espécies diferentes atraem observadores de pássaros do mundo todo. 

O Birdwatching Breakfast é um café/restaurante que abre cedo e oferece café da manhã em um dos melhores locais da cidade de onde se pode observar tucanos, beija-flores, oros-pendulos, araras, papagaios e muitos outros pássaros tropicais. 

Além dos pássaros, Mindo possui uma diversidade gigante de plantas e borboletas,contando com um magnífico borboletário no centro da cidade.

Em Mindo também é possível visitar fazendas de chocolate para provar o tradicional cacau e chocolate equatoriano. No centro da cidade você pode contratar passeios para as fazendas, lá eles explicam todo o processo de cultivo e produção do cacau, além de degustação de chocolates artesanais ao final do passeio!

9. Aumentar sua adrenalina em Baños

  • Tempo: Três dias.
  • Destaques: Ruta de las Cacadas e Ponte San Francisco Casa del Arbol.

Baños de Agua Santa, ou somente Baños, como é mais conhecida, é uma das cidades mais famosas e turísticas do Equador, contando com inúmeras possibilidades de passeios e tours, principalmente em relação a esportes radicais e curtição da natureza. Bung jumping, raffting, tirolesa, rapel, cavalgada, cannoying, trekkings por florestas, cachoeiras e vulcões...tudo isso é possível em Baños!

Aqui você estará cercado de montanhas e cachoeiras. Basta ir até a ponte na fronteira da cidade, a Ponte San Francisco, para já se deparar com uma vista fenomenal de diversas cascadas em meio às montanhas! Dali é possível realizar um salto de bung jumping de 100 metros de altura da ponte (20 USD) e também iniciar uma subida até o topo das montanhas para apreciar a vista da cidade pelo Mirante El Pastaza.

Um dos tours mais populares de Baños é a Ruta de Las Cascadas, que consiste em um passeio pela estrada que conecta Baños ao oriente equatoriano, passando por diversas cachoeiras fantásticas pelo caminho, como a Agoyan, El Manto de la Navia, e a famosa Pailon del Diablo.

Muitas agências em Baños vendem tours que cobrem toda a rota das cascatas e normalmente incluem transporte e almoço (50 USD por pessoa). Muitas pessoas optam por alugar uma moto (scooter) ou quadriciclo em Baños e realizar a rota por si próprios para terem mais autonomia.

Baños não possui este nome a toa, além das cachoeiras a cidade é famosa por suas águas termais, cujas águas são aquecidas pela lava do vulcão Tungurahua que corre no subsolo da cidade. Baños possui cinco termas diferentes (La Virgem, El Salado, Modernas, Santa Clara e Santa Ana), com entradas a partir de 1 USD por pessoa. Com águas que podem chegar a até 40ºC, esta é uma ótima opção para se relaxar depois de um longo dia de aventura e adrenalina com esportes radicais.

Outra grande atração de Baños é a famosa Casa del Arbol, uma casinha construída no alto de uma montanha a cerca de 30 minutos da cidade, que conta com uma torre de observação que dá uma visão panorâmica da paisagem e natureza ao redor (1 USD por pessoa) e também possui um balanço gigante muito divertido e que permite fotos dignas de cartões postais (1 USD por vez). Para chegar até a casa da árvore basta pegar um ônibus no centro de Baños que para especificamente neste local (2 USD).


Casa del Arbol, Baños, Equador

10. Explorar as Cavernas Jumandy

  • Tempo: Um dia.
  • Custo: 5 USD.

Próximas a cidade de Tena encontram-se um impressionante complexo de cavernas que te leva a um mundo completamente misterioso e diferente do habitual. As cavernas Jumandy possuem formações rochosas douradas que se parecem com animais, plantas e até de santos. As cavernas possuem cerca de quatro quilômetros de profundidade e são formadas por metais como estanho, prata e até reservas de ouro.

A lenda local conta que Jumandy foi um herói que lutou contra a invasão espanhola e que viveu nestas cavernas, e que também as utilizou para esconder mulheres e crianças durante as batalhas contra os europeus.

Ao entrar nas cavernas, a escuridão é total, então é importante ter uma lanterna. Por entre as estalactites e estalagmites, é possível observar morcegos de todos os tamanhos, além de aranhas e outros insetos que lutam para sobreviver neste ambiente inóspito. Mais adentro se encontram cachoeiras de águas cristalinas e outras correntes de águas subterrâneas e também lagoas de até quatro metros de profundidade.

Muitos xamãs locais utilizam as cavernas como refúgio para realizar seus rituais e cerimônias religiosas, buscando contato com os espíritos que acreditam viver nas cavernas. Além disso, a caverna é formada por rochas permeáveis e portanto é bem úmida, criando um barro especial que é muito utilizado pelos locais como item medicinal. O contato do barro com a pele pode curar feridas ou hidratar a pele.

O acesso às cavernas é no meio da extensa selva do complexo turístico de Jumandy, e pode ser acessado a partir da cidade de Tena ou de Archidona. Os passeios nas cavernas duram cerca de cinco horas e a entrada para o público geral custa 5 USD.

11. Conhecer Tena e a Amazônia Equatoriana

  • Tempo: Dois dias.
  • Destaques: tubbing no rio Napo e cerâmicas e cultura Kichwa.

Em meio a selva amazônica equatoriana se encontra a cidade de Tena, o local perfeito para aqueles viajantes que querem sintonizar com a natureza ou descobrir mais sobre as culturas indígenas de antigos habitantes. É chamada de “capital da Canela” devido à grande quantidade desta especiaria que ali se encontra.

O turismo é muito importante para a cidade, sendo o ecoturismo a principal atração. Rodeada por rios e riachos, as correntes de água são o principal meio de locomoção utilizado pelos habitantes e também formam diversas lagoas.

Em Tena dá para visitar cachoeiras, fazer trilhas em meio a montanhas e selvas, flutuar pelos rios com bóias (tubbing) e fazer rafting. A comunidade indígena (kichwa) na região de Tena e nos pequenos povoados que a circundam, como o de Ahuano, é muito bem preservada, e muitas famílias kichwas abrem suas portas aos estrangeiros que querem aprender mais sobre seus costumes e tradições, além de ensinarem como se prepara a famosa e tradicional bebida da região, a Chicha, e também os métodos de produção de cerâmicas artesanais preparadas apenas com os materiais encontrados na floresta.

Tena também conta com uma grande quantidade de artesãos indígenas que se dedicam a elaboração de cerâmica. É o local ideal para comprar objetos e utensílios feitos pelas mãos de artistas que aperfeiçoam sua arte tradicional e familiar desde que são crianças.


Rio Napo, Tena, Equador

12. Visitar a Praia Rosada de Santa Elena

  • Tempo: Um dia.
  • Custo: grátis.

Na província de Santa Elena, que faz parte da Rota do Sol, na costa equatoriana, se encontra uma das mais belas e singulares praias do equador. A Praia Rosada tem este nome justamente porque suas areias possuem uma tonalidade rosa bem forte e característica. A cor rosa se dá pelos minerais que compõem as areias da praia. Além disso, ali você tem a oportunidade de avistar pássaros como pelicanos, albatrozes, garças, gaivotas e etc.

É possível chegar facilmente à Praia Rosada desde Montañita, basta pegar um ônibus no terminal até Santa Elena, a viagem dura cerca de 40 minutos.

13. Curtir a vida em Montañita

  • Tempo: Dois dias.
  • Destaques: surf, vida noturna, Parque Nacional Machalilla.

Destino certo de praticamente todos os mochileiros de passagem pelo Equador, Montañita é uma pequena e mágica praia na costa do Pacífico equatorial, muito famosa por suas eternas festas e incrível ondas para surfar!

A vida noturna de Montañita é um assunto a parte: bares que viram discotecas, bares frente a praia com música até o amanhecer e ruas inteiras com tendas que vendem drinks. Tudo isso faz de Montañita um local perfeito para aqueles que curtem uma vida agitada e buscam conhecer e se divertir com pessoas de todo o mundo.

É uma cidade multicultural que nunca dorme, sendo possível encontrar por suas ruas artistas, artesãos, malabaristas, cantores e dançarinos, tanto de dia quanto de madrugada, que vêm de todos os cantos da América do Sul e até de outros continentes em busca de promover sua arte para os turistas.

Para os interessados em natureza, próximo de Montañita está localizado o famoso Parque Nacional Machalilla, uma das áreas protegidas mais extensas na costa do Equador, compreendendo tanto uma zona continental quanto um conjunto de ilhas, único local do Equador continental em que é possível ver recifes de coral. Um dos pontos mais atrativos do parque é a Playa los Frailes, uma das mais belas do país, que se chega depois de caminhar por bosques secos que exibem as mais diversas espécies da fauna e flora típicas desta zona.


Montañita, Equador.

14. Pegar as melhores ondas na Costa Equatoriana

  • Destaques: Manta, Las Salinas e Ilhas Galápagos

Com mais de 2000 quilômetros de extensão, a costa do Equador possui diversas praias magníficas com swells radicais a oferecer durante todo o ano, perfeitos para surfistas tanto iniciantes ou muito experientes a procura de desafios.

A Zona Norte da costa, que compreende basicamente a região entre os famoso pontos de surf de Manta até Canoa, é uma zona ótima para iniciantes e intermediários, devido à força e tamanho das ondas que ali quebram provenientes do swell nortenho.

Já a Zona Central, de Manta até San Lorenzo, é marcada por áreas remotas de mais difícil acesso e condições climáticas mais imprevisíveis, fazendo desta zona mais vazia e mais indicada para aqueles com mais experiência.

Na Zona Sul da costa se encontram praias famosas como Las Salinas e Montañita, que são praias mais cheias e com mais surfistas, possuem bons swell vindo do Norte e também do Sul e também são locais famosos por terem uma vida noturna bem agitada, principalmente Montañita.

As Ilhas Galápagos também são famosas por atrair surfistas o ano inteiro, apesar da estação de melhor swell ocorrer entre Dezembro e Maio. A Ilha de San Cristóbal é a mais famosa e frequentada pelos amantes do esporte.

15. Avistar baleias jubarte em Puerto Lopez

  • Duração: Três horas.
  • Custo: 50 USD.

Puerto Lopez é uma vila praiana de pescadores, muito famosa por seu surf. Porém, o atrativo turístico principal dali é a porta de entrada para a Isla de la Plata, também conhecida como “Pequena Galápagos”, devido a similar biodiversidade entre a ilha e o famoso arquipélago.

A Isla de la Plata é famosa por ser um local onde habitam as grandiosas baleias jubarte, que saltam pelo oceano para maravilhar os olhos dos turistas que compram passeios de barco com o solene intuito de homenagear estes animais em seu habitat natural. 

A época correta para se avistar as baleias é entre Junho e Outubro, quando as águas estão mais quentes e então as baleias chegam até ali para se reproduzir.

Os passeios de barco para avistar baleias podem ser adquiridos em Puerto Lopez e custam cerca de 50 USD por pessoa.


Baleia jubarte em Puerto Lopez, Equador.

16. Cruzar o país pela Rota do Sol

  • Tempo: Três dias.
  • Destaques: Esmeralda e Manabí.

A Rota do Sol (Ruta del Spondylu) é um caminho pela costa do pacífico e passa por algumas das paisagens mais atrativas do Equador. Se inicia nos bosques nublados a noroeste de Quito e chega ao sul até a cidade de Guayaquil, passando pelas regiões costeiras de Esmeraldas, Manabí e Guayas. Durante o itinerário o viajante se depara com praias, turismo cultural, sítios arqueológicos, turismo gastronômico e artesanal.

Dentro desta rota se encontram 13 regiões de preservação ecológica, dentre as mais famosas a é possível avistar baleias francas na costa, como em Súa e Pedernales.

17. Desfrutar da gastronomía local em Guayaquil

  • Tempo: Um dia.
  • Destaques: ceviche e guatita.

Guayaquil é a maior cidade do Equador e tem o porto mais importante do país. Apesar de não estar no topo da lista da maioria dos mochileiros, viajantes passam nesta cidade que está nas principais rotas de estradas do Equador e, portanto, é de fácil acesso e oferece particularidades interessantes aos turistas que dão uma chance a esta cidade metropolitana.

Porém, o motivo principal para ficar um dia ou mais em Guayaquil é poder experimentar as riquezas culinárias dos quitutes tradicionais que só ali é possível provar, como por exemplo o peixe espada acebolado, prato 100% guayaqueño que remete aos tempos de colonização no século 19. Este prato é vendido é vendido em quase todos os restaurantes da cidade e também nas famosas ‘picanterias’, restaurantes especializados em comida picante, tradicionais do Equador.

Outro prato regional de Guayaquil que um mochileiro de carteirinha não se pode perder é a Guatita, arroz com tiras de carne de vaca servidos com molho de amendoim. Não podemos também esquecer de mencionar o Ceviche, que no Equador se parece muito com uma sopa e é muito diferente do prato peruano de mesmo nome.


Peixe típico da região de Guayaquil, Equador

18. Caminhar pelas charmosas ruas de Cuenca

  • Tempo: Dois dias.
  • Destaques: Centro Historico e Parque Nacional Cajas.

Localizada no Sul do Equador, Cuenca é a terceira maior cidade do país e está se tornando cada vez mais um destino certo entre os viajantes de todos os tipos que passam pelo Equador, desde mochileiros a famílias em passeio.

Fundada em 1557, conta com o mais belo e preservado Centro Histórico do Equador. É uma cidade com uma ótima infraestrutura para turismo e também é bem segura, possuindo um ótimo padrão de vida muito apreciado pelos seus residentes e viajantes.

Para conhecer o lindíssimo Centro Histórico uma das melhores opções (além de caminhar) é tomar o ônibus turístico que sai do terminal da cidade e te leva a todos os principais pontos da cidade, como o Parque Calderón e a Catedral de Cuenca, por um passeio que dura cerca de duas horas (8 USD).

O tour também te leva a uma das montanhas na encosta de Cuenca, onde está o Mirante de Turi, perfeito para ter uma visão completa da cidade. Dali é possível ver o Rio Tomebamba e como ele divide a parte antiga da cidade da parte mais moderna, ambas com arquiteturas singulares.

Cuenca é famosa pela produção dos famosos chapéus de Panamá, que (pasmem) são originais do Equador e não do Panamá. Se quiser saber mais da história, importância cultural e até adquirir um chapéu de ótima qualidade, não perca a oportunidade de ir ao Museu do Chapéu de Panamá de Cuenca.

Cuenca também conta com diversas maravilhas naturais ao seu redor, a maioria concentrada no famoso e imperdível Parque Nacional Cajas, localizado a cerca de 30 quilômetros da cidade.

A entrada no parque é gratuita e lá você pode fazer diversas trilhas sensacionais por lagos, montanhas e vales. Para chegar até o parque basta pegar um ônibus no terminal de Cuenca que passa na entrada no parque (2 USD). Também é possível acampar no parque por uma taxa de 4 USD por pessoa.

19. Visitar as Ilhas Galápagos

  • Tempo: Cinco dias.
  • Custo: por volta de 100 USD por dia + taxas.

A cerca de 1000 quilômetros da costa equatoriana se encontra um dos arquipélagos mais famosos do planeta, as Ilhas Galápagos, imortalizadas depois de inspirarem os estudos de Charles Darwin sobre a evolução das espécies.

O arquipélago é formado por dezenas de ilhas, sendo apenas quatro delas habitadas hoje em dia: Santa Cruz, Isabela, San Cristóbal e Floreana.

Todos sabem da inquestionável grandeza da biodiversidade em Galápagos, que é uma das maiores e mais concentradas do mundo e incluem tartarugas gigantes, iguanas, leões marinhos, focas, pinguins, pelicanos, flamingos e muitos outros animais. 

A vida marinha ali também é de tirar o fôlego, sendo que passeios de mergulho e snorkeling na região estão entre as atividades turísticas mais procuradas devido a possibilidade de enxergar, em águas cristalinas com perfeita visibilidade, uma imensidão de corais, baleias, tubarões, arraias, cavalos marinhos, tartarugas e todos os tipos de peixes que você nem imaginava que existiam.

Na Ilha de Santa Cruz está a maior cidade do arquipélago, Puerto Ayora, onde também se localiza o Instituto de Pesquisa Charles Darwin, cuja entrada é gratuita e é possível caminhar por trilhas que te levam a observar répteis como as tartarugas e iguanas pelo caminho. Em uma trilha repleta de árvores de Palo Santo (incenso natural muito utilizado em toda região andina), chega-se até famosa Baía das Tartarugas (Tortuga Bay), uma praia branca com mar prateado, digno de cenário de filme.

Na ilha de San Cristóbal se encontra o Centro de Pesquisas de Galápagos, um museu com entrada gratuita que conta toda a história do arquipélago. Também recomendo realizar a trilha de Las Tijeretas, que te leva a diversos mirantes e, por fim, até a praia de Punta Carola, onde habitam lobos-marinhos e é um dos pontos de snorkeling mais famosos da ilha.

A Laguna El Junco também é um ponto imperdível em San Cristóbal. A lagoa é a boca de um vulcão que acumulou água, formando um espelho d'água perfeitamente redondo, onde pássaros pescam e de onde se tem uma bela vista da ilha inteira, devido a sua elevação privilegiada.

Já a ilha de Isabela é famosa pelas diversas trilhas que se podem fazer com bicicletas e pela presença dos tubarões de cabeça branca e das raias douradas.

A maior restrição dos viajantes e mochileiros que querem ir a Galápagos, com certeza, é o preço. Muito mais caro que praticamente todas as outras atrações do Equador juntas (mas que ninguém se arrepende de pagar).

Passagens aéreas para Galápagos podem variar bastante de preço e sempre é recomendado estar atento à promoções. Voos desde Quito tem como preço base 400 USD (ida e volta). O deslocamento entre as ilhas é feito de barco (30 USD por trecho e duas de viagem) ou avião (170 USD por trecho e 30 minutos de viagem). Também é necessário pagar uma taxa de conservação de 50 USD por pessoa ao chegar no arquipélago.

comida e transporte dentro das ilhas não possuem um preço tão mais elevado que no resto do país, então é possível tomar táxis para se deslocar dentro das ilhas por um ou dois dólares e encontrar café da manhã e almoços em restaurantes a partir de 3 USD.

O preço das acomodações nas ilhas de Galápagos variam bastante, porém a quantidade de opções é bastante grande e é possível até encontrar quartos sem fazer reserva prévia. As hospedagens mais comuns giram em torno de 40 USD por dia, porém é possível encontrar hostels de até 15 USD a diária (normalmente sem café da manhã, água fria e sem ar condicionado).


Ilha Galápagos, Equador.

20. Participar da festa das Flores de Ambato

  • Tempo: Um dia.

No segunda metade do mês de Fevereiro, na cidade de Ambato, se realiza a “Fiesta de las Flores e Frutas". Nesta época, as ruas da cidade bombam com desfiles e eventos culturais tradicionais que celebram toda a cultura da região, que é marcada pela vida e clima tropical, fazendo de Ambato a capital equatoriana das frutas e flores.

Esta festa inclui desfiles gastronômicos, festival de folclore, concertos musicais, passeatas noturnas em que carros alegóricos são decorados com diversos tipos de frutas e flores. É um evento imperdível para aqueles que querem descobrir mais sobre os costumes dos povos andinos equatorianos.

21. Escalar o Vulcão Chimborazo

  • Tempo: Um dia.
  • Custo: 5 USD.

O Equador é famoso por sua imensa quantidade de vulcões, sendo o Chimborazo o mais alto com seus 6.268 metros. Se localiza na Reserva Faunística Chimborazo (entrada gratuita), entre as cidade de Ambato e Riobamba.

A subida do vulcão pode ser feita em apenas um dia e o trajeto conta com dois refúgios, a Cabaña Carel localizada aos 4.800 metros de altitude e a Cabaña Whymper aos 5000 metros. Entre a base e o primeiro refúgio os aventureiros têm que percorrer uma trilha de cerca de oito quilômetros em terreno sempre inclinado, que não apresenta tanta dificuldade, mas que pode ser um desafio devido à alta altitude do percurso que aumenta a sensação de fadiga .

Para chegar em Chimborazo o trajeto mais fácil é tomar um ônibus no terminal de Riobamba em direção a Guaranda (2,5 USD por trecho) e pedir para descer na entrada do Parque Chimborazo. Para voltar basta fazer o caminho inverso, tomando o mesmo ônibus em direção a Riobamba.


Vulcão Chimborazo, RIobamba, Equador. 

22. Relaxar em Vilcabamba, o Vale da Longevidade

  • Tempo: Um dia.
  • Custo: Trilhas e ayahuasca.

Vilcabamba é um vale encravado nos Andes, famoso por (em teoria) ter a maior quantidade de cidadãos centenários do mundo.

A região já era usada pela realeza Inca como um “resort” de descanso e hoje atrai mochileiros do mundo que querem fazer o mesmo. O clima ameno do vale, em que os habitantes dizem ser “perfeito para um ser humano viver”, somado às montanha e rios que circundam a cidade, fazem de Vilcabamba o local ideal para aqueles que procuram um lugar relaxante para tirar férias. É possível realizar diversas trilhas que beiram rios e caminhar tranquilamente durante a noite nas matas e ruas da cidade.

Ali se reúnem mochileiros, esotéricos, aposentados e hippies do mundo todo, que criam uma aura mágica na cidade muito similar a locais brasileiros como São Tomé das Letras e também como o Vale do Capão. Também existe uma grande oferta das famosas plantas para o preparo do Ayahuasca, além de diversos xamãs que realizam rituais e cerimônias religiosas que utilizam a planta.

23. Viajar de trem pelo “Nariz do Diabo”

  • Tempo: três horas.
  • Custo: 30 USD.

A linha ferroviária equatoriana, que se estende da costa até Quito, é um patrimônio histórico e nacional do país. O pedaço mais famoso da linha é o trecho de cerca de 100 quilômetros entre as cidades de Alausí e Riombamba, conhecido como o “Nariz do Diabo”, em homenagem a montanha pontiaguda que é parte integral do trajeto.

O trem é um dos principais atrativos turísticos da região, famoso pela paisagem cenográfica deslumbrante que corta a Cordilheira dos Andes durante o percurso e também pelo conforto que é oferecido nos vagões do trem.

O caminho em zigue-zague é realizado nos trilhos que foram construídos subindo a encosta da montanha, passando também por diversos abismos que tiram o fôlego dos aventureiros. No topo da montanha, o trem para na estação de Sisambe, uma vila repleta de cultura com diversas feiras de artesanatos e grupos que realizam espetáculos de dança tradicionais.

O passeio de trem pelo Nariz do Diabo custa 30 USD (ida e volta) e o trajeto completo dura cerca de três horas.


Nariz do Diabo, Riobamba, Equadir. 

Bônus 1: Comer chocolate feito do melhor cacau do mundo

O Equador é um país cuja economia é largamente baseada no plantio e agricultura, e uma de suas commodities mais famosas e de melhor qualidade é a fruta do cacau, que cresce principalmente nas matas tropicais, como a floresta amazônica equatoriana.

O Equador sempre exportou suas sementes de cacau para os EUA e Europa, que então levavam toda a fama e crédito de produzirem os melhores chocolates do mundo, mas (quase) sempre utilizando o cacau equatoriano.

Porém, nos últimos anos o Equador experienciou um surto industrial que também teve impacto na sua indústria de chocolates, que então começou a expandir seu leque de produtos usando suas semestes de cacau plantadas e colhidas em território nacional.

O país começou a acumular prêmios de melhor chocolate do mundo, batendo de frente e vencendo sem misericórdia todas as já conceituadas marcas europeias e americanas.

Um exemplo são os chocolates orgânicos Pacari, que recebeu o prêmio de melhor chocolate do mundo em 2017. As lojas podem ser encontradas nas ruas de grandes cidades do país como Quito e Cuenca. Se você passar pelo Equador e é amante do chocolate (quem não é?) não deixe de experimentar o Pacari e outros chocolates artesanais que frequentemente são vendidos nos mercados, feiras e às vezes até mesmo diretamente pelos camponeses.

Bônus 2: Fazer voluntariado no Equador com a Worldpackers

No meu tempo como voluntário no Equador com a Worldpackers conheci pessoas fantásticas, como os amáveis anfitriões que me acolheram, os outros voluntários que me fizeram sentir em casa e também os outros hóspedes de todos os lugares do mundo que compartilharam comigo esta incrível experiência. Com certeza todos me ensinaram muito sobre estilos e modos de vida e me fizeram crescer como pessoa e até como um profissional e viajante.

Se aplicar para ser um voluntário no Equador é muito rápido e fácil ao usar o site da Worldpackers, basta se registrar e mandar uma aplicação para já conversar com seus anfitriões e ajustar os detalhes da sua chegada!

Se você ainda está em dúvida de onde pode começar, aqui embaixo vai uma lista só com anfitriões cinco estrelas nos melhores lugares do Equador, escolhidos a dedo pra você não se arrepender! Dá só uma olhada...

Espero que esse artigo te incentive a conhecer esse país tão rico em cultura, história e biodiversidade. Com certeza será muito bem recebido pela comunidade de lá e terá experiências que vão te marcar pelo resto da vida, principalmente se for como voluntário.

Alguma outra dica ou dúvida de lugar para visitar no Equador? Deixe um comentário e eu ajudarei com o maior prazer!


65f962b03f5a10b081df9ac221a31886

Vinicius

Nascido e criado na cidade de Campinas, Sao Paulo, sempre se fascinou por colecionar coisas, até ...

Ago 28, 2018


Gostou? Não esqueça de deixar ViniciusRamos saber :-)


Comentários