Quais as melhores viagens para fazer sozinho? 3 roteiros na América do Sul!

Ficar um tempo sozinho para se autoconhecer pode ser mais simples do que parece. Nesse artigo conto algumas opções na América do Sul de viagens para se fazer sozinho.


Ea3dc39ca0b2f6b5f17abddec1f0e9a4

Nathalia

Eu viajo. É disso que eu vivo e eu vivo para isso. Não posso imaginar minha vida de outro jeito ...

+ Ver mais

Out 04, 2018

descubra viagens para se fazer sozinho e se reconectar

Às vezes é preciso ficar sozinho, se desligar do trabalho, das pessoas e da tecnologia, que às vezes podem ser tão tóxica para nosso dia a dia. 

Tirar um tempo para você, descobrir quem você realmente é e quando foi que se perdeu no caminho, se conectar com a natureza, com a terra e com o universo.

Para isso, não é preciso ir tão longe quanto você pensa, a maioria dos países da América do Sul são cheios de lugares especiais, natureza e uma energia inexplicável.

Separei três países com roteiros mágicos de viagens para se fazer sozinho que você pode fazer gastando pouco, tenho certeza que sua vida vai mudar, assim como a minha mudou.

Confirma os três roteiros de viagens para se fazer sozinho na América do Sul:

1. Chile

Chile é um país seguro e um dos melhores lugares para viajar sozinho

O erro das pessoas é pensar que ir para o Chile se resume a ver a neve no Valle Nevado e só. Não que a neve não seja uma das atrações mais incríveis. Para quem está vendo pela primeira vez, é mágico e te deixa sem palavras, principalmente agora que nevou em dois anos consecutivos na cidade de Santiago (antes nevava apenas nas montanhas) e os estudiosos afirmam que esse fenômeno vai continuar acontecendo na capital por alguns anos.

Além da neve, existem outras coisas incríveis para conhecer no Chile, como o Deserto do Atacama, onde você vai se conectar com a força da natureza de uma maneira incrível visitando os Geisers, vai sentir o poder da Terra conhecendo a força dos vulcões e vai descobrir como somos pequenos diante da magnitude de um dos céus estrelados mais maravilhosos do país.

Para quem prefere o frio, o sul chileno também é uma ótima pedida, a patagônia, tanto a parte chilena quanto a parte argentina, são ótimos lugares para descobrir o que você e seu corpo são capazes de aguentar, o que seus olhos e sua mente são capazes de registrar e o principal, quanto tempo sua mão aguenta ficar sem luva.

Se sua intenção é ficar apenas na região de Santiago, existem cidadezinhas ali perto que não deixam nada a desejar! Valparaíso e Vina del Mar são as mais famosas, especialmente por suas arquiteturas e pelo Oceano Pacífico, que todos querem conhecer. Visitar o povoado San Jose del Maipo e dar uma esticadinha para o Cajon del Maipo também é uma ótima atividade para o dia inteiro, as paisagens são de tirar o fôlego!

2. Peru

Peru e suas belezas é uma das opções de viagens para se fazer sozinho

Outro erro comum é pensar apenas em Machu Picchu quando alguém fala que vai para o Peru. Na verdade, a parte histórica do país é muito mais do que isso: é tão rica e com tantos ensinamentos que você provavelmente vai querer estender sua estadia por lá para poder conhecer e aprender um pouco mais com os antigos povos, como eu fiz.

Uma das coisas que mais me chamaram atenção no Peru foram as misteriosas linhas de Nazca, desenhos gigantes feitos na terra, onde só é possível ver completo do alto e, até hoje, sem uma explicação oficial, apenas teorias, do porquê ou para que foram feitas.

Cusco também está cheio de ruínas antigas, como a fortaleza inca Sacsayhuaman, e também Kenko, o centro arqueológico do Vale Sagrado dos Incas. Além disso, a cidade é cheia de igrejas super antigas (tem até um ticket que você pode comprar para visitar todas elas no mesmo dia) e a energia do lugar é indescritível, realmente de tirar o fôlego só de escutar as histórias e imaginar as antigas civilizações vivendo nessa região.

3. Colômbia

Medellin é uma das principais cidades colombianas

Quem gosta da natureza e do calor com certeza vai amar as cidades colombianas Cali, Medellín e Cartagena, uma das praias mais famosas do país e talvez até do mundo. Em Cali você vai poder aproveitar para conhecer bairros tradicionais, arquiteturas cheias de histórias para contar e apreciar a vista panorâmica no Cerro de las Tres Cruces.

Se você gosta de conhecer a história política e de evolução de um país, com certeza Medellín é o lugar para você. Não apenas por toda a fama de Pablo Escobar, que viveu ali, mas também pelos inúmeros prêmios que a cidade recebeu por sua reestruturação e exemplo de superação depois de décadas sendo castigada pelo tráfico e violência.

Hoje, a maior parte da cidade é super amigável e turística, com pessoas amáveis e sempre dispostas a ajudar. Um dos meus lugares favoritos é o Parque Arví, um parque situado em uma montanha tão alta que só é possível chegar depois de uma viagem de 20 minutos de teleférico! O clima lá em cima é bem úmido e frio, claro, mas as trilhas e as paisagens (e a altura) são de tirar o fôlego!

Cartagena é para quem gosta do calor intenso de verdade. Na alta temporada do verão é fácil a temperatura chegar aos 40 graus às 8h da manhã. As praias da cidade não são tão lindas, o ideal é viajar cerca de 1h30 até chegar a Baru, onde a água tem vários tons incríveis de azul, ou pegar um barco para alguma (ou algumas) das dezenas de Ilhas que ficam próximas dali.

Em qualquer uma dessas cidades colombianas você vai encontrar uma quantidade imensa de pessoas amáveis, felizes, sempre com um sorriso no rosto e dispostas a te ajudar. Creio que foi essa característica que me fez chegar para ficar um mês e acabar ficando seis meses viajando só dentro da Colômbia.

Sem dúvida, esses três países têm cultura, natureza e boas energias suficientes para transformar a vida de qualquer viajante, turista, nômade ou mochileiro!


Ea3dc39ca0b2f6b5f17abddec1f0e9a4

Nathalia

Eu viajo. É disso que eu vivo e eu vivo para isso. Não posso imaginar minha vida de outro jeito ...

+ Ver mais

Out 04, 2018


Gostou? Não esqueça de deixar Nathalia saber :-)


Deixe seu comentário aqui

Escreva aqui suas dúvidas e agradecimentos ao autor