Vivendo com 3 dólares por dia

Comi vivi e viajei pelos Estados Unidos gastando três dólares por dia e conhecendo muita gente bacana!


85bfee14be6c08dbca173c31ab0783aa

Renata

Curiosa, inquieta, viajante, apaixonada pela vida e pelo mundo.

Nov 20, 2018

Vivendo nos Estados Unidos com três dólares por dia

Entre todas as coisas incríveis que a Worldpackers nos proporciona, a que eu mais amo até hoje é a possibilidade de viajar barato. Particularmente, eu sou muito econômica. Hoje, pra mim, é difícil pensar em viajar se não for desse jeito, independente do tempo da viagem. 

1. A experiência

Vou falar da minha experiência mais longa e mais barata, que começou em março de 2017. O meu gasto médio, em Indianápolis (uma cidade pequena e cara no centro-oeste dos Estados Unidos), era de basicamente 3 dólares por dia. Sim! Eu disse três dólares!

Eu levei uns 1.000 dólares (comprei o dólar na época por R$ 3,15) e meus gastos foram:

  • Eu comprei um iPhone 6s por US$ 200 no MarketPlace do Facebook (que inclusive é o meu celular até hoje).
  • Gastei mais ou menos US$ 80 em NYC, na primeira vez, em uma semana. Na realidade, eu tive que pegar um táxi pra ir pro aeroporto porque peguei o metrô errado, então 30 dólares foram só nisso.
  • Gastei um pouco mais de US$ 100 em roupa! Comprei muita coisa. Dá pra comprar muuuuuuita roupa baratinha por lá. Tem lojas enormes, com roupa e sapatos de marca (tem que ter paciência pra procurar). Eu comprava o que custava menos de 10 dólares na H&M, mas comprei bastante sapato barato assim também - todas as roupas ainda existem. 
  • Comprei uma passagem de uns 130 dólares pra Califórnia e não usei.
  • O resto eu dividi pelos meses que eu fiquei por lá.

A hospedagem, claro, foi "de graça"! O meu trabalho em troca dela foi muito tranquilo. Eu precisava manter a casa, que na verdade era um AirBnB, arrumada. Só para se ter uma ideia, a casa tinha seis quartos, alguns quartos com duas camas, outros com seis e dois deles tinham oito camas. 

A rotatividade era grande, diariamente eu trocava as roupas de cama e dava uma geral na casa. Eu fazia uma faxina maior nas segundas e sextas, mas nunca foi um trabalho pesado, ruim. Eu fiquei lá por cinco meses, vivendo assim, com 100 dólares por mês.

O gasto médio com alimentação depende muito, mas eu vou falar da minha louca aventura. O meu host oferecia café da manhã, o que já ajudava muito. Às vezes, eu transformava o café da manhã em almoço, bastava comprar um complemento e voilà!


Massa de panqueca com legumes congelados.

2. Alimentação

A alimentação nos EUA é aquela bem típica. Muitas vezes eu comia o famoso hambúrguer de um dólar, mas geralmente eu comprava comida para a semana toda. 

Eu gastava uns 15/20 dólares por semana. Quando eu estava muito cansada de comer o normal, optava por coisas "mais luxuosas". O meu host, eventualmente, me ajudava a explorar a comida local, então ficava menos puxado. Os hóspedes também deixavam muitas coisas lá! 

É muito difícil se controlar no mercado! Tem tanta coisa que a gente nunca viu na vida, bate uma curiosidade enorme. Também tem uma vasta opção de coisa gostosa, dá vontade de comprar tudo. Tem que ser forte! Se você conseguir, já vai economizar uma grana e a alimentação fica bem barata. 


Minhas refeições eram super simples, mas eu não ficava com fome e comia relativamente bem.

Em ocasiões especiais eu ia em buffet de comida asiática. Em média, eles custam 10 dólares e você pode comer à vontade. Normalmente tem todo o tipo de comida, do MUNDO. É o meu tipo de restaurante favorito dos EUA, vale muito a pena. 

As feiras gastronômicas em Indianápolis eram muito caras e os restaurantes também não ajudavam no meu orçamento, mas os pratos costumavam custar em torno de 10 dólares.  Eu achava mais vantagem ir aos buffets All You Can Eat por uma questão de quantidade - sim, sou faminta

Ah! As tips são super normais por lá em todos os lugares com serviço, não é uma coisa bem opcional, mas também não é um gasto além do que a gente está acostumado no Brasil, gira em torno de 10% a 20%


All You Can Eat de comida asiática: parece feio mas é uma delícia. Haha ;) 

3. Transporte

Meu gasto com transporte foi até pequeno, geralmente eu gastava mais em gasolina pra me deslocar pra outras cidades com os meus amigos. Gasolina lá, aliás, é muito barata. Na cidade em si eu andava a pé. Caminhava até 10 km por dia, o que me ajudou a emagrecer e conhecer muito melhor a cidade e seus detalhes. 

Ir para outras cidades também era fácil. Eu conheci mais de 11 cidades legais, como Chicago, Filadélfia, Washington DC, Louisviile, entre outras. Também peguei um ônibus e fui para Nova York. 19 horas de viagem! 

As passagens podem ser muito baratas se compradas com antecedência. A Megabus e a Greyhound são as empresas mais famosas, vale conferir as promoções regularmente, inclusive de passagens aéreas

As viagens foram um gasto a parte, mas não saíram caras e nem além do meu orçamento. Nós dormíamos no carro na maioria das vezes (tomávamos banho em postos de gasolina), então basicamente não tivemos gastos com hospedagem em nenhum lugar. 


Muito energético para encarar longas viagens! A gente comprava 2 por US$ 5. 

4. Sobre os passeios e baladas

Em Chicago, a entrada das baladas custa uns 30 dólares com benefícios, mas eu nunca entrei. Então depende muito da cidade. Em algumas, as baladas são pagas, outras não. É bem diferente daqui também, elas terminam cedo, 3h da manhã já não tem mais nada. Eu costumava me reunir na casa de algum amigo - o que é bem normal por lá. Saia mais barato também

Você consegue economizar muito nos museus e passeios em geral. Muitos em dias específicos são gratuitos. Fazendo uma rápida pesquisa no Google você consegue achar passeios legais e de graça. Não lembro de ter pago mais de US$ 5 para entrar em algum lugar. Sempre ficava de olho nos eventos do Facebook pra saber o que estava rolando de legal por lá! 

Tem muito show bom que você provavelmente não iria aqui no Brasil. Use o Bandsintown pra saber os shows programados pra cidade que você estiver ou vai! Eles são obviamente mais baratos aqui e é uma ótima oportunidade de conhecer alguém que você goste muito.


Indiana War Memorial Museum. 

Resumido, a sua economia vai depender do quão disposto você está a abrir mão de certas coisas. Eu não preciso de muito luxo, então fica muito mais fácil, mas também é possível conhecer e provar muitas coisas novas gastando muito pouco

Você vai conhecer muita gente que vai te ajudar e dar dicas locais. E claro, planejamento e pesquisa são palavras-chave! Dá pra viajar muito barato? Dá sim! Eu já estou me programando para a próxima viagem e a minha estimativa de gastos ainda se baseia nessa minha primeira experiência. Se joga sem medo. Bora!


85bfee14be6c08dbca173c31ab0783aa

Renata

Curiosa, inquieta, viajante, apaixonada pela vida e pelo mundo.

Nov 20, 2018


Gostou? Não esqueça de deixar Renata saber :-)


Deixe seu comentário aqui

Escreva aqui suas dúvidas e agradecimentos ao autor