Quer uma passagem de até US$500 grátis?
Envie sua resposta até 31/07 e tenha a chance de ser premiado.

O amor nos tempos de covid: ele no Chile, eu no Brasil

Na minha história de amor, cada um ficou do seu lado da fronteira sem poder ultrapassar até que acabe a pandemia. Eu no Brasil, meu companheiro no Chile.

3min

amor-covid

Dizem que o amor ultrapassa fronteiras. E costumava ser verdade, até que chegou o coronavírus. 

Eu sou brasileira, o Max é chileno e nos conhecemos por acaso. Eu estava viajando pelo Chile e ele aproveitou um feriado para sair de Santiago, onde morava, para o Deserto do Atacama. Por acaso tomamos o mesmo tour. Por acaso a van quebrou e tivemos muito tempo para conversar. Pouco tempo depois eu estava me mudando para o Chile para morar com ele. Passamos um ano e três meses por lá e viemos juntos para o Brasil.

Essa história teve uma interrupção inesperada: por acaso surgiu um vírus na China, que em poucos meses se tornou uma pandemia, um terço da população mundial ficou isolada em suas casas, as fronteiras foram fechadas e um casal ficou separado por acaso, cada um no seu país, esperando o isolamento acabar. 

Se eu sugerisse esse texto para a editora da Worldpackers em 2019 ela certamente diria não, com o argumento de que, além de piegas, era um enredo sem pé nem cabeça que nunca iria acontecer. 

Em 2020, aconteceu comigo. E todo mundo tem uma história, melhor ou pior, para contar sobre a sua vida nos tempos de coronavírus.


amor-chile-covid

No início de março, quando o vírus ainda era algo que não assustava, o Max tinha ido a Santiago resolver algumas coisas. Dez dias depois o Chile fechou fronteiras para estrangeiros, as companhias aéreas do país suspenderam os voos e, mais tardiamente, o Brasil fechou as fronteiras. 

 Ficamos ele lá e eu aqui. Até quando? Ninguém sabe.

No momento em que eu escrevo esse texto faz um mês e meio que estamos separados e já se vão três semanas de isolamento em São Paulo, onde eu moro. Eu e outras pessoas ao redor do mundo mudamos a maneira de fazer as coisas: a rotina de trabalho, de amizades, de lazer e, no meu caso, de amar também. 

E nos tempos de corona, amar não é só estar junto fisicamente, é estar presente do jeito que dá. Amor nos tempos de corona é entender que uma relação é compartilhar uma vida e não necessariamente estar no mesmo ambiente.

A internet nos possibilita rir juntos, chorar, contar como foi o nosso dia e vamos levando a vida, sem saber ainda quando nos encontraremos novamente. Cada dia que passa estamos mais perto do dia que tudo isso vai acabar, embora ainda não saibamos que dia é esse.


amor-chile-covid-santiago

Hoje a principal preocupação é que as coisas importantes da nossa vida resistam à pandemia: que o emprego não seja perdido, que não falte comida, que o dinheiro seja suficiente e até mesmo que a gente e nossos familiares sobrevivam. 

Eu me considero uma pessoa de sorte em ter uma casa, comida, saúde e poder me preocupar com que a minha história de amor chegue viva ao fim da pandemia. E com mais sorte ainda por saber que isso em algum momento vai passar e vamos voltar aos tempos em que o amor ultrapassava fronteiras. 

Eu e o Max vamos nos encontrar de novo, essa fase vai ser apenas uma lembrança e daqui a alguns anos vou contar essa história em mesas de bar, divertindo meus amigos com os “causos” de um amor nos tempos do corona.



Deixe seu comentário aqui

Escreva aqui suas dúvidas e agradecimentos ao autor











Mais sobre esse tema