Morar fora do Brasil: de voluntária pela Ásia a moradora de Taiwan

Sonha em se aventurar ou morar pela Ásia? Vou dividir com vocês as dicas e os desafios e como um trabalho voluntário pela Ásia pode facilitar o processo de adaptação.


C26fec2dc4057e094af1a0a287e940aa

Torisa

Fev 22, 2019

Nascida em Taiwan, criada no Brasil, morando atualmente em Taipei. Estou viajando e me mudando por esse mundão há cerca de três anos. Enfermeira, a...

Dicas para morar fora do brasil

Confesso que eu tinha uma visão bastante romantizada de como seria morar fora, ainda mais com todo o circo acontecendo no Brasil, mas como eu estava enganada! 

A seguir, vou te contar em 10 tópicos um pouco da minha experiência, como realmente é morar fora do país com pouco dinheiro e dicas para te ajudar a se tornar um estrangeiro de sucesso!

1. Do Brasil para a Europa e Ásia

Comecei a minha aventura pela Irlanda, me mudei para a Áustria, Bélgica, voltei ao Brasil, e então fui me conectar às minhas origens e história em Taiwan e estou morando aqui há dois anos. 

Tudo se iniciou com um simples programa de intercâmbio que se transformaram em diversos trabalhos voluntários com a Worldpackers pela Europa e pela Ásia

Quando me mudei para Taiwan, empacotei a minha vida inteira em 20 quilos e comecei a trabalhar em um hostel como voluntária com a intenção de me mudar definitivamente para o país. 

Cá estou eu, dando aulas de inglês e tendo uma vida próxima ao normal (para os meus padrões), viajando sempre que posso e planejando o próximo destino a ser explorado.


Morar fora do Brasil: Tailândia

2. Diferença cultural

De origem taiwanesa, pensei com muita inocência que os 20 e poucos anos que passei no Brasil não seriam significativos para que eu me sentisse diferente em Taiwan, pensei que como cresci em meio à cultura taiwanesa no Brasil, eu tiraria as diferenças de letra. 

Ah, se eu soubesse o quanto eu me sentiria sozinha e deslocada! Na Europa foi bem mais fácil a mudança por ter tido contato com inúmeros brasileiros se aventurando por lá, mas aqui em Taiwan a situação é diferente e a minha intenção original era interagir majoritariamente com os moradores locais, então procurei me mesclar o máximo possível. 

Tentei me tornar branca e magra, como é o padrão de beleza por aqui, mas acho que 20 anos de arroz, feijão e sol me transformaram e eu não consigo mais mudar. Tentei interagir com moradores locais, mas o fato de ser asiática, mas ainda assim diferente, me tornaram uma pessoa "exótica" para eles e isso me incomodou demais no início. 

Chorei por longos três meses me sentindo uma atração turística, mas hoje eu abracei o meu lado brasileira e estou mais em paz, embora continue sendo alvo de interesse, o que pode ser bastante cansativo após um tempo.

3. Multicultural e bilíngue

Sim, você vai ter ao menos duas culturas e duas línguas e isso é ótimo! Muito diferente de estar simplesmente de passagem, se mudar para um novo país te possibilita imergir culturalmente, lembrando que aprender o idioma local faz parte do processo. 

Te garanto que mostrar interesse em aprender uma nova língua vai facilitar muito a tua vida como recém chegado, sem mencionar que aprender expressões locais vai te proporcionar interagir com os moradores locais em um nível diferente e participar de atividades e festividades locais. 

Sei o quanto o medo de lidar com o choque cultural impede muitos de embarcar em uma nova aventura, então sugiro que pesquise os trabalhos voluntários disponíveis pela plataforma da Worldpackers e experimente morar em países diferentes antes de tomar uma decisão mais definitiva. 

Estar como voluntário na Ásia, inicialmente sem comprometimento a longo prazo, te oferece a chance de sentir o gostinho da diferença cultural e facilita absorver as diferenças aos poucos. 


Torisa na Malásia

4. Estrangeiros na Ásia: o que fazem e por que escolheram a Ásia?

Vou generalizar, mas boa parte dos imigrantes que vivem pela Ásia vem para dar aulas de inglês por alguns anos para seguirem viagem ou ao menos para adquirir alguma experiência longe de casa. 

Alguns com o tempo se sentem tão à vontade que acabam ficando longos anos e montam o próprio negócio, uma vez que, comparado aos outros continentes, a Ásia é em geral um lugar seguro para se investir e garante certa facilidade para que o seu negócio cresça e se desenvolva com estabilidade. 

Outros perfil de estrangeiros são pessoas que foram remanejados dentro da empresa para alguma filial na Ásia, empreendedores, viajantes, entre outros.

Generalizar a Ásia como uma só culturalmente é um grande erro e escolher bem para onde pretende se mudar vai de acordo com o perfil individual de cada um. Por exemplo, morar no Vietnã é completamente diferente de morar no Japão; Vietnã possui um custo de vida baixíssimo comparado ao Japão, mas o salário por muitas vezes pode não compensar tanto. 

Faça a sua pesquisa, entenda se o seu objetivo é juntar dinheiro, ter qualidade de vida, viver outra cultura e escolha o destino que se enquadra melhor às suas expectativas. 

Sim, muitas vezes a busca online não é o suficiente e é nesse momento que investir em um trabalho voluntário pela Ásia pode te ajudar a entender mais as diferenças culturais, o estilo de vida de cada país e identificar o lugar onde você se sente mais atraído a fazer moradia temporária ou permanente.

5. Lista das saudades

Acredite, você sempre vai ter aquela listinha das saudades. Eu sinto saudade dos meus amigos, da vida noturna, do prato feito da esquina, da pizza de São Paulo, de picanha, comida mineira, pão de queijo na chapa com requeijão, pastel, coxinha e assim vai. 

Sim, a minha lista de saudades é basicamente sobre comida, mas os amigos e lugares não ficam de fora. 

Agora, a minha maior saudade é poder falar em português e cantar as músicas mais clichês cercadas de pessoas que as conhecem. Existe coisa mais linda do que poder cantar “Evidências” junto com os seus amigos? 

Quando bate aquela saudade, eu coloco a melhor trilha sonora bem alto, canto, ligo para os meus amigos, choro e olho ao meu redor. 

Muitas vezes a solidão e a carência batem de frente, tenho vontade de abandonar todos os meus planos e comprar o primeiro voo de volta pra casa. Mas calma, passado esse momento, surge outro em que você olha à sua volta novamente e vê a oportunidade maravilhosa em que você se encontra.


Morar fora: vista de Taiwan

6. Aprendizado e crescimento contínuo

Sim, passadas as horas de choro e pensamentos como “meu Deus, o que estou fazendo da minha vida do outro lado do mundo?!”, vem a realização e a gratidão por ter a oportunidade de poder viver no outro lado do mundo.

Viajar, se ver cercado do desconhecido e se adaptar às diversas mudanças trazem um amadurecimento e crescimento que livro nenhum pode te proporcionar. 

Ao conviver com outra cultura, aprendemos a ter mais paciência com o outro e sermos mais compreensivos, enxergamos os nossos próprios limites, aprendemos a dizer não em diversas situações apesar do sentimento de solidão e carência e, no fim, te garanto que por mais difícil de alguns momentos sejam, você vai poder se olhar no espelho e sentir um imenso orgulho de si mesmo, da força, do autoconhecimento e amor próprio que encontrou para enfrentar mais uma fase da tua vida.

7. Você sempre será um estrangeiro

Embora conheça muitos que  discordam, acredito que a sua segunda casa será sempre a sua segunda casa. Você sempre vai ter saudades dos lugares por onde passou, das pessoas de quem se despediu, do lugar onde você viveu a tua infância e da cultura que você deixou para trás. 

Pode ter certeza que a sua segunda casa, ou terceira, sempre virão depois da primeira. Você sempre levará com você a cultura que deixou pra trás, se tornará a mistura de todas, aprenderá a abraçar o que lhe convém e deixar para trás o que não te acrescenta, mas a verdade é que você nunca será visto como local, mesmo quando voltar para a sua primeira casa.


Morar fora do país: Torisa em Taiwan

8. Por que ser sair do seu país?

Quando você finalmente aprende a lidar com a saudade e a superar as principais barreiras em se encontrar longe de casa, é hora de enxergar os pontos positivos em se aventurar em um outro lugar. 

Se você sente saudade dos seus amigos, mantenha-se conectado aos antigos e faça novos para que você tenha um em cada canto do mundo. 

Aprenda a superar a solidão e se apaixone pela própria companhia. Se sente saudade das atividades que fazia anteriormente, saia da sua zona de conforto e explore o novo. Se ser uma atração turística por ser diferente te incomoda, experimente enxergar como um elogio e, por fim, aproveite a oportunidade única para aprender uma nova língua e cultura.

Cada dia é diferente e cada momento é único. Isso não significa estar sempre disposta a encarar o novo a todo segundo, mas aprendi que tudo é questão de ponto de vista. 

Já chorei muito e confesso que ainda tenho muitos dos meus altos e baixos e me despedir de novos amigos nunca é fácil, por isso eu modifiquei a minha estratégia em Taiwan e decidi morar por tempo indefinido no hostel onde comecei a trabalhar quando me mudei para cá. 

Cheguei a alugar um quarto, tive o meu cantinho, mas como eu continuo na estrada a maior parte do tempo, o fato de estar pagando por um canto sem estar lá me pareceu uma enorme despesa sem motivos, então decidi voltar a trabalhar como voluntária no hostel enquanto mantenho o meu trabalho dando aulas de inglês, assim me mantenho em um ambiente internacional, cercado de pessoas novas e de quebra economizo uma grana. 

Na plataforma da Worldpackers você encontra diversas oportunidades de voluntariado pelo mundo, inclusive pela Ásia. Se você tiver curiosidade em conhecer Taiwan, recomendo o hostel onde estou no momento, o Meander Hostel

9. Quero morar fora do Brasil, por onde começar?

Existem inúmeras dicas, mas elas dependem muito do seu objetivo. Se você quiser ter uma vida próxima ao normal com um emprego, casa, filhos e cachorro, as dicas vão ser completamente diferentes das de alguém que quer morar apenas alguns meses em cada lugar, mas no geral, duas dicas se aplicam muito bem.

A primeira é sem sombra de dúvida pesquisar, pesquisar e pesquisar! Faça a tua lição de casa, obtenha a maior quantidade de informação disponível sobre o país, a cidade, normas de etiqueta, idioma, moeda, entre outros. 

Vale ser mais espontâneo também,  mas se você estiver com medo e inseguro, faça a sua pesquisa para poder se acomodar melhor na sua segunda casa.

A segunda dica é se tornar um viajante com a ajuda dos trabalhos voluntários oferecidos pela Worldpackers. Tive experiência como intercambista, voluntária e com uma vida próxima do normal com um emprego normal e te garanto que ser voluntária em um novo lugar facilita demais a mudança. 

Você estará num ambiente internacional, mente aberta, cercada de viajantes e dos funcionários do hostel que podem te auxiliar a compreender mais da cultura local e te dar dicas que só quem vive no lugar sabe.

10. Repatriação

Vivi a minha aventura pelo mundo afora e quero voltar pra minha primeira casa, posso? Sim, e por mais incrível que pareça, sentir saudades de casa e querer voltar é mais comum do que se imagina e cada um sabe dos seus motivos para querer voltar.

Independente de quais forem as suas razões, existem alguns fatores a serem considerados. Primeiramente, voltar pra casa requer tanto planejamento e pesquisa quanto o feito quando você decidiu se mudar. 

Fatores emocionais, sociais e financeiros devem ser considerados, é necessário lembrar que uma vez fora de casa, independente do quanto tempo se passou, tudo mudou e não é mais da forma como você se lembrava. Portanto, se prepare psicologicamente e emocionalmente para encarar outro choque cultural e outro processo de adaptação.

Vai precisar procurar onde morar, onde trabalhar, se vai comprar um carro ou uma bicicleta, se orientar e se familiarizar com os seus arredores de novo. Talvez seja estranho, mas você vai perceber e ficar surpresa com o quanto o mundo continuou sem você por perto.

Esse é o meu último ano nesse meu primeiro capítulo em Taiwan, já tenho diversos outros destinos alinhados e as minhas experiências até hoje me ensinaram que encarar o mundão exigem três principais detalhes: pesquisa, paciência e coragem. 

Sei que o desconhecido é assustador para muitos, mas por maiores que foram as minhas dificuldades e por mais dramáticos que foram os meu choros, eu não mudaria nada do que fiz até hoje. 

Viajar e se aventurar pelo desconhecido é definitivamente o melhor investimento e aprendizado que vou levar da minha vida. E você? Está pronto para embarcar na tua?  


C26fec2dc4057e094af1a0a287e940aa

Torisa

Fev 22, 2019

Nascida em Taiwan, criada no Brasil, morando atualmente em Taipei. Estou viajando e me mudando por esse mundão há cerca de três anos. Enfermeira, a...


Deixe seu comentário aqui

Escreva aqui suas dúvidas e agradecimentos ao autor