Dicas de fugir dos golpes mais comuns na Europa

Ainda que o mundo seja um lugar maravilhoso e cheio de gente incrível que vai te receber de braços abertos, nós, viajantes, sempre corremos o risco de trombar com alguém que tenha más intenções. 

Eles não são maioria, te garanto, e nem devem ser motivo para que você não caia na estrada por medo de encontrá-los. Ainda assim, é preciso estar muito atento para não acabar perdendo dinheiro, documentos e outros itens de valor em sua viagem.

Durante minhas andanças por aí, fui acumulando conhecimento sobre alguns dos truques mais comuns e decidi compartilhar o que aprendi para que você possa evitar certos tipos de situação e estar sempre protegido. Meu foco aqui serão os golpes mais frequentemente aplicados em turista na Europa e dicas para não cair neles, mas recomendo a leitura para viajantes que estejam planejando viagens para outros destinos também. Afinal, segurança nunca é demais, né? Vamos lá!

Confira as dicas para não cair em golpes na Europa:

1. “Não precisa pagar taxas”

Esse truque é bastante comum em países que não usam o Euro, como Polônia, Hungria e Croácia.

Considerando que grande parte dos turistas costuma trocar seu dinheiro quando chegam nesses países (uma vez que é mais difícil encontrar essas moedas em outras localidades), os golpistas se aproveitam das grandes filas nas casas de câmbio para oferecer trocas de dinheiro sem taxas e bem rápidas

Para ganhar a confiança dos viajantes, eles fingem ser pessoas comuns que foram até ali trocar seu dinheiro por euros ou dólares, mas se depararam com uma fila muito grande e não podem esperar. Eles dizem que precisam enviar dinheiro para um filho que mora em outro país e o banco vai fechar, ou que estão atrasados para pegar um voo, e pedem a sua ajuda. 

O que acontece é que, nessa troca, o golpista levará o seu dinheiro e te dará notas falsas, manchadas ou de menor valor do que o acordado.

Como tudo acontece muito rápido e não há nenhum comprovante de que a transação aconteceu, é praticamente impossível recuperar o dinheiro ou fazer uma denúncia.


Dicas Europa: Cuidado com as filas nas casas de câmbio

2. “Um presentinho para você”

Eu presenciei esse truque nos maiores monumentos das grandes cidades, como na Torre Eiffel, Coliseu e Palácio Real de Madri.

Uma pessoa bastante simpática e sorridente te oferece um pequeno presente, pode ser uma flor, uma pulseirinha, um ramo de arruda… Ela diz que é uma lembrança de seu país e que seria falta de educação recusar. Acontece que, quando você aceita, a postura da pessoa muda imediatamente e ela começa a exigir dinheiro, dizendo que você pegou uma de suas mercadorias e não quer pagar por ela. O escândalo chama a atenção de seus companheiros, que se unem ao golpista e exigem o pagamento.

Minha recomendação aqui é nunca, em hipótese alguma, aceitar qualquer coisa que te ofereçam na rua, por mais que digam que é de graça. Caso aceite, responda calmamente ao falso vendedor que você está vendo um policial ali por perto e que vai chamá-lo para ajudar a resolver a intriga. Isso normalmente faz com que eles desistam.

3. “Desculpa por te sujar, senhor!”

Essa é bastante usada em todos os cantos da Europa e eu já ouvi dizer que acontece também em alguns países da América do Sul.

A situação acontece bem rápido: uma pessoa tromba com você na rua e derruba café, comida ou algum tipo de molho em suas roupas. Imediatamente, ela fica bastante constrangida, pede muitas desculpas e se oferece para te ajudar a limpar a bagunça. Com um lenço, vai tentando tirar o excesso da sujeira enquanto te distrai com o papo-furado de que estava com tanta pressa que não te viu e outras coisas do tipo. Nesse momento de distração e usando o lenço como cobertura, ela pode tirar seu celular ou carteira de dentro do seu bolso sem você nem se dar conta.

Como se salvar? Não deixe ninguém encostar em você, por mais simpática que a pessoa pareça. Afaste-se imediatamente e deixe para limpar-se sozinho em um lugar mais seguro.

4. “Para onde você vai? Eu te ajudo!”

Isso aconteceu comigo no metrô de Roma e, por mais que eu só tenha perdido três euros, foi bastante frustrante. Esse golpe pode ser dado em qualquer cidade que tenha metrô ou trem e a compra dos bilhetes seja feita de forma automatizada.

Para turistas, as máquinas que vendem bilhetes de transporte podem ser bastante confusas. Na maioria das vezes o sistema está em outra língua e existem muitas opções de passagem que não estão bem explicadas, tornando a compra extremamente complicada. 

No meu caso, a minha cara de dúvida foi o atrativo perfeito para um senhor idoso se aproximar e dizer que iria me ajudar. Ele começou a selecionar coisas na tela e me perguntou quanto eu tinha em moedas, porque era a única maneira de fazer o pagamento. Quando mostrei o dinheiro em minhas mãos, ele foi pegando as moedinhas e colocando uma a uma na máquina, até finalmente ter o suficiente para imprimir o bilhete. Ao final, lhe agradeci e fui embora achando que tudo estava bem. Só fui me dar conta de que o bilhete custava menos do que o montante que ele pegou quando já estava dentro do trem e ele já havia ido embora há muito tempo.

Aqui a dica é antiga, mas preciosa: nunca aceite ajuda de estranhos em nenhum processo que envolva dinheiro. Se estiver em dúvida quanto ao tipo de bilhete que comprar, recorra aos balcões de informação do aeroporto ou estação.


Dicas Europa: não aceite ajuda de estranhos quando envolve dinheiro

5. “Cadê a minha mochila?”

As viagens de trem pela Europa são emocionantes, mas podem ser o momento exato para que alguém leve seus pertences sem você perceber. O truque aqui é que, normalmente, os viajantes focam toda a sua atenção nas malas grandes que vão no maleiro e parecem ser alvos mais fáceis, mas acabam descuidando das mochilas e bolsas.

Conheci um casal brasileiro em Amsterdam que teve sua mochila roubada nessas circunstâncias. Uma mulher que levava uma sacola muito grande e vazia sentou-se em um assento próximo e conversou com eles casualmente sobre a viagem. Como ela sabia para onde estavam indo e, consequentemente, em que estação iriam descer, aproveitou para sair do trem antes deles e levar consigo uma de suas mochilas. Eles perceberam apenas quando viram a mulher do lado de fora do trem carregando alguma coisa voluminosa dentro da sacola que antes estava vazia.

Assim como em qualquer outro lugar, nunca deixe de prestar atenção em seus pertences quando estiver na companhia de um desconhecido, por mais amigável que ele pareça.

6. “Vou de táxi”

Mais comum em países do Leste Europeu, onde o Google Maps é bastante desatualizado e faltam informações claras de transporte. Você desce no aeroporto, rodoviária ou estação de trem e, imediatamente, aparece um taxista oferecendo seus serviços. Ele é bastante insistente e continuará tentando negociar o preço da viagem ainda que você deixe claro que pretende chegar a seu destino de outra maneira.

Aí que vem o golpe: ele te dirá surpreso que essa linha de transporte foi desativada há muito tempo ou que o hostel para onde você vai está fechado por reforma ou pela vigilância sanitária. A única alternativa seria fazer o trajeto com ele ou reservar outro hotel que ele conhece.

Mais uma vez, reforço o aviso de dirigir-se sempre ao balcão de informações e confirmar se é verdade ou não o que lhe foi dito. Se você estiver viajando pela Worldpackers, entre em contato com seu anfitrião antes de viajar e peça sua ajuda para descobrir qual a melhor forma de chegar até lá e confirmar a data e hora de sua chegada.

7. “Desce mais uma rodada!”

Cidades mais conhecidas por suas festas costumam ser palco desse golpe, que acontece em bares, principalmente com homens. Barcelona, Ibiza, Cracóvia e Budapeste são alguns exemplos de lugares onde a atenção deve ser redobrada.

Um grupo de amigos te vê sozinho no bar e começam a interagir para que você se aproxime. Oferecem bebidas, contam histórias, apresentam os amigos e, em pouco tempo, você já se sente parte da galera. É até provável que alguma das meninas mostre interesse e comece a jogar charme. Parece a noite perfeita, não?

Apenas até o momento em que você vai ao banheiro, volta e percebe que todo mundo foi embora, deixando a conta inteirinha para você pagar. E não tem muita saída, já que os garçons e seguranças do estabelecimento te viram ali curtindo com a galera. 

Por isso, o ideal é sempre pagar todas as suas bebidas imediatamente ao pedir e evitar ao máximo participar das “rodadas de bebida” que te oferecerem por aí.


Dicas Europa: Cuidado com os amigos que faz no bar

8. Outras maneiras de estar seguro

Além das dicas mais comuns de sempre trancar sua mala, não deixar itens de valor sozinhos e ter cuidado com batedores de carteira, quero compartilhar três regras de ouro que eu sempre levo na mochila e que têm me ajudado bastante a desfrutar ao máximo minhas viagens sem grandes preocupações. 

A primeira é: seja precavido com o que você conta e para quem conta. Nem todo mundo precisa saber quantos dias você vai ficar na cidade, qual a duração total da sua viagem ou que você estará o dia todo fora porque decidiu fazer uma excursão. Esses pequenos detalhes podem ser informações valiosas para alguém com segundas intenções.

Também recomendo sempre perguntar a um local quais as precauções que um turista deve ter. Eles normalmente já viram ou ouviram falar de golpes que aconteceram por ali e te indicarão também se existem zonas perigosas na cidade.

Por último, confie na sua intuição acima de tudo. Se alguma coisa parece estranha, uma pessoa não te transmite confiança ou você não está confortável com alguma situação, saia imediatamente dali. Seu sexto sentido sabe muito mais do que você imagina.

Se você já viveu alguma dessas situações ou conhece outros truques usados por aí, compartilhe com a gente! Vamos ajudar outros mochileiros a terem viagens mais seguras e aproveitarem cada segundo!


5c3ac302eb4c22f28c43744a1174b392

Estela

Half Brazilian, half Spanish, completely into discovering the world. I left my Public Relations c...

+ Ver mais

Nov 22, 2018


Gostou? Não esqueça de deixar Estela saber :-)


Deixe seu comentário aqui

Escreva aqui suas dúvidas e agradecimentos ao autor