3 roteiros de mochilão na Argentina para gostar ainda mais dos hermanos

A Copa do Mundo de 2018 nos fez lembrar de uma rivalidade antiga entre Brasil e Argentina no mundo do futebol, mas o país dos hermanos é tão lindo, que tracei 3 roteiros incríveis só para você deixar de besteira.


E56e2ad24ca6a189efd54a2cfcd71838

Raquel

Uma jornalista brasileira que escreve sobre pessoas. Eu viajo para conhecer histórias de vida e...

+ Ver mais

Ago 14, 2018

Um mochilão na Argentina é a certeza de conhecer muita cultura e novas pessoas

No seu mochilão na Argentina você poderá conhecer as geleiras da Patagônia, experimentar o vinho da cordilheira dos Andes ou conhecer um deserto de sal e uma montanha colorida. Preparado? Vámonos!

1. Por onde começar seu mochilão na Argentina

A resposta é Buenos Aires. As melhores passagens são para esse destino e lá você vai trocar seu dinheiro, comprar um chip pré pago de internet, comer medialunas e se preparar para qualquer um dos 3 roteiros de mochilão que inventei. Escolhi os nomes em homenagem aos povos originários dessas terras.

Todos os roteiros foram pensados para você ir trocando suas habilidades por acomodação e comida na Argentina.

O primeiro roteiro é a Rota Tehuelche, onde você vai conhecer o sul do país. O segundo, é a Rota Mapuche, que se trata de um caminho até a cordilheira dos Andes, na fronteira com o Chile. O terceiro é a Rota Wichi, pensada para desvendar os segredos do Norte, região pouco visitada pelos brasileiros.

Mochilão na Argentina: A Rota Tehuelche

Na Rota Tehuelche você vai sair de Buenos Aires rumo a Bariloche, uma das cidades mais visitadas e caras da Argentina. Existe uma razão dela ser tão procurada, é uma cidade linda. Depois de Bariloche seu destino é El Chaltén. Lá você vai encontrar uma paisagem com um clima totalmente diferente do Brasil e o melhor, sem pagar hospedagem.

  • Hostel em Bariloche

O primeiro hostel da viagem é o Tango Inn. A proposta deles é a seguinte:

- Trabalhe cinco horas por dia com eventos, na administração, recepção ou como guia local;

- Ganhe hospedagem, café da manhã e dois dias livres por semana.

Lá você vai treinar seu espanhol entre as montanhas nevadas e seus reflexos nos lagos.

Bariloche é uma das cidades mais conhecidas entre turistas em mochilão na Argentina

  • Hostel em El Chaltén

El Chaltén é uma pequena vila da Patagônia com picos de faces verticais cobertos de gelo.

Você pode conhecê-la trabalhando na Estância La Quinta, um projeto ecológico que aceita voluntários com a troca:

- Trabalhe cinco horas por dia na limpeza, manutenção e jardinagem em geral;

- Ganhe hospedagem, almoço, bicicletas à disposição, curso de permacultura e um dia livre por semana.

Você estará aos pés do Cerro Chaltén, uma das portas do Parque Nacional Los Glaciares.

Mochilão na Argentina: A Rota Mapuche

As cidades da Rota Mapuche têm um pézinho no Chile. Você vai sair de Buenos Aires para uma região que é conhecida no mundo todo por seus vinhos. Lá você pode trabalhar em uma vinícola e fazer uma viagem dentro da viagem até o Parque Provincial Aconcágua para conhecer a montanha mais alta do Hemisfério Sul, em seu final de semana livre.

  • Hostel em Tunuyán, Mendoza

A primeira parada é a vinícola Dolce Vita, uma fazenda com a seguinte proposta:

- Trabalhe cinco horas por dia cuidando de plantas e animais;

- Ganhe hospedagem e dois dias livres por semana. 

Mendoza é a cidade argentina conhecida pelos vinhos

  • Hostel em Villa Las Cuevas

O Portezuelo del Viento Hostel & Adventures é um cantinho no coração da Cordilheira dos Andes. Você vai viver uma experiência única pois como eles buscam voluntários para o turno da noite, seu dia será livre.

- Trabalhe cinco horas por dia ajudando na limpeza, na arrumação e no bar;

- Ganhe hospedagem, café da manhã, jantar, passeios na faixa, descontos em tours e dois dias livres por semana.

Mochilão na Argentina: A Rota Wichi

Assim como a maioria dos brasileiros, eu nunca tinha ouvido falar sobre o norte da Argentina até a viagem que eu fiz, para o Encontro de Culturas do Mundo que acontece todo ano em Imbassaí, na Bahia.

Lá entrevistei dois bailarinos Argentinos chamados Koki e Pajarín Saveendra, para o Sola no Mundo. Eles me contaram sobre sua infância em Santiago del Estero e sobre um deserto de sal e uma montanha colorida que eu encontraria se fosse para o norte. Rumo a duas grandes regiões: Salta e Jujuy.

  • Hostel em Salta

A primeira cidade da Rota Wichi é Salta. Ela tem estrutura para turistas e diversas opções de transporte para as cidades e pueblos vizinhos. Lá dá para trabalhar no hostel Qinqu Wasi, que propõe a seguinte troca:

- Trabalhe quatro horas por dia, com artes, pintura, trabalhos manuais e jardinagem;

- Ganhe café da manhã, almoço, descontos em tours, bikes à disposição e dois dias livres por semana. 

A região norte da Argentina é incrível para ser explorada durante seu roteiro de mochilão na América do Sul

  • Hostel em Humahuaca

A quebrada de Humahuaca conta com diversos hostels cadastrados aqui na Worldpackers, mas a proposta que mais me chamou a atenção foi a da La Humahuaca.

- Trabalhe cinco horas por dia ajudando na cozinha, recepção e cuidando da casa em geral;

- Ganhe café da manhã, lavanderia e dois dias livres por semana. 

2. Como se vestir para seu mochilão na Argentina

Como você está indo de mochilão, precisa de roupas que sejam ao mesmo tempo quentes e leves. Para isso, você vai precisar de roupas com tecnologia.

Dry fit

Você deve ter alguma camiseta deste material, que normalmente são usadas para praticar esportes, as algumas camisetas de Dry fit também podem salvar seu mochilão. Elas são muito boas para o calor e melhores ainda para o frio, pois o tecido não fica molhado com o suor, o que gela o corpo. Elas também são extremamente leves e fáceis de lavar e secar.

Meia térmica

É uma meia alta normal, só que o tecido faz justamente esse papel de reter o calor e expelir a umidade. Algumas têm ação antibacteriana. Meu avô me deu mais uma dica: colocar uma sacola plástica fina entre um meia e outra. Ainda não experimentei, mas para manter os pés aquecidos vale tudo.

Fleece

O fleece é aquela peça intermediária, entre a segunda pele e a jaqueta corta-vento. Sem rodeios, é aquele casaco mais comum da Quechua. Esse tecido flanelado vai deixar sua pele respirar, é leve, seca rápido e fica bem pequenininho no mochilão. 

3. Como trocar seu dinheiro em seu mochilão na Argentina

  •  Banco de La Nación Argentina. Confira a cotação e as taxas logo que chegar, no aeroporto Ezeiza, e troque seus reais na agência que fica no centro da cidade, ao lado da Casa Rosada
  • Pesquise entre as casas de câmbio da Calle Florida. Elas podem oferecer taxas e condições melhores.
  • Troque no mercado ilegal. O mercado “blue”. Eu não aconselho você a fazer isso. Já li relatos sobre notas falsas e outros que dizem que as taxas não estão melhores que a do banco.

O que sei realmente é que voltar para o Brasil com pesos, é roubada. Por aqui vai ser difícil trocá-los. 

4. Como ter internet e carregar o celular em seu mochilão na Argentina

Internet ilimitada

Depois de ler e conversar bastante sobre o assunto, cheguei a conclusão de que comprar um chip de internet pré-pago é a melhor opção para seu mochilão na Argentina. 

Você pode comprar no Brasil um chip “Dados Mundi”, da empresa T-Mobile ou comprar na Argentina, na sua primeira ida ao centro. Leve seu RG, faça um cadastro e já saia mandando memes no WhatsApp.

O chip da Claro é o melhor para quem escolheu, entre os três roteiros, a Rota Wichi.

Cuidado com a tomada estranha

Tudo bem que a gente vive mudando de tomada aqui no Brasil, mas a tomada argentina é muito estranha. 

Como a primeira coisa que você vai querer fazer é avisar que chegou, ficar sem bateria não é nada engraçado. Por isso, compre um adaptador universal e veja a voltagem de seus aparelhos antes da viagem. 

A tomada dos hermanos, chamada “enchufes”, são 220 volts e 50Hz, enquanto as nossas são 110 volts/ 220 volts e 60Hz. 

5. Correspondente Worldpacker

No dia 26 de junho de 2018 chego em Buenos Aires com a intenção de fazer a Rota Wichi! Acompanhe essa aventura pelas redes sociais da Worldpackers e também do meu projeto, o Sola no Mundo


E56e2ad24ca6a189efd54a2cfcd71838

Raquel

Uma jornalista brasileira que escreve sobre pessoas. Eu viajo para conhecer histórias de vida e...

+ Ver mais

Ago 14, 2018


Gostou? Não esqueça de deixar Raquel saber :-)


Deixe seu comentário aqui

Escreva aqui suas dúvidas e agradecimentos ao autor