Como o Afroturismo pode fazer parte do seu voluntariado?

O Afroturismo transforma a viagem em escola, recontando fatos históricos que foram distorcidos ou apagados. Assim, nos reconhecemos no mundo.

7dea6589700a179b6fc44a40f140731c

Rebecca

Nov 11, 2020

5min

afroturismo

Você já parou para pensar quantas histórias da população negra existem ao redor do mundo? Será que só a África, Rio de Janeiro e Bahia tem esse passado pra contar? 

Vamos conversar sobre a importância de um roteiro de viagem de Afroturismo e trazer a reflexão sobre esse tipo de experiência, assim como, possibilidades de destino que irão fazer parte da sua nova lista.

O que é Afroturismo?

Antes de mais nada, precisamos falar que Afroturismo é a valorização do turismo cultural através de patrimônio cultural e/ou imaterial de um determinado grupo étnico, neste caso a população negra.

Para ouvir sobre esse tema, o coletivo de mulheres negras viajantes Bitonga Travel convidou Tânia Neves, do Coletivo pelo Afroturismo, para um episódio de podcast sobre o tema. Disponível em todas as plataformas digitais. Seguimos.

Guilherme Dias, o @guianegro, jornalista e sócio fundador da empresa Black Bird Negro, intitulou 2019 como "o ano do Afroturismo", antes disso, a nomenclatura mais utilizada em registros e relatos era "turismo étnico".

Vale ressaltar a importância das precursoras desse movimento, em sua maioria mulheres negras, que não deixaram a história da cultura afro brasileira morrer. 

Tia Cida e Solange Barbosa, da agência de viagem Rotas da Libertade, praticaram por muitos anos roteiros de viagem de Afroturismo e viagens de retorno ao continente africano.



Afroturismo: resistência e persistência

O Afroturismo, além de resgatar a história do Brasil e de países da diáspora africana - fenômeno caracterizado pela imigração forçada de africanos, durante o tráfico transatlântico de escravizados - é um ato e símbolo de resistência e persistência de um povo que sofre e tem sofrido com o racismo, extermínio, genocídio, xenofobia, feminicídio, intolerância religiosa, sexismo e homofobia. 

Incentivar o afroturismo é contribuir para que a história do povo preto ao redor do mundo e da lua não sejam apagadas.

Ressalto a lua por relembrarmos ou lembrarmos que Katherine G. Johnson, Dorothy Vaughan e Mary Jackson - conhecidas como computadores - foram três mulheres fundamentais na parte do Plano Matemática, na primeira vez das três voltas do norte-americano na lua.

Leia também: 



O perigo de uma história única

Como traz a reflexão da escritora nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie, a perspicácia em seu discurso e o livro "O perigo de uma história única", será que é tudo isso mesmo que nos contaram?

Quantas vezes questionamos a versão romanceada da história, que muitas vezes aprendemos na escola e em nossos meios sociais? 

Por isso devemos ter a viagem como escola, arte e palco, pois é através dela que somos capazes de trazer à realidade fatos históricos que muitas vezes nem imaginávamos.

Quando estava viajando por Moçambique, mais especificamente pelo Museu Etnográfico de Nampula, conheci pela arte de Justino Cardoso, a história de negros piratas que roubavam os denominados navios negreiros. Assim como a história de terror das situações desumanas que esse povo vivenciou, quantos corpos foram atirados nos oceanos.



Como fazer um turismo afrocentrado?

O turismo afrocentrado vai além dos patrimônios materiais. É sobre valorizar e reconhecer a importância das particularidades territoriais de cada canto do Brasil, América Latina, Caribe e África. 

Conhecer a cultura da Capoeira, do Frevo, do Jongo, do Maracatu, do Tango, do Axé, da Salsa e da Batchata. Assim como compreender nosso Samba em suas mais diversas formas:

  • Samba de Roda
  • Umbigada
  • Samba de terreiro
  • Samba rock
  • Enredos de samba


Para fazer seu roteiro de viagem de Afroturismo, é importante pensar em uma narrativa além de África, não é mesmo? Precisamos falar sobre patrimônios culturais brasileiros como:

  • A história do Quilombo dos Palmares em Alagoas
  • A riqueza do Jalapão com as mulheres do Quilombo Mumbuca, e seu trabalho magnífico com capim dourado
  • O Quilombo Kalunga na Chapada dos Veadeiros, com a cachoeira da Santa Bárbara

A importância do Afroturismo

A população negra sofre muito em não conseguir informação sobre seu passado na integralidade, o que traz mais uma vez a importância do Afroturismo como aliado da história, capaz de construir identidade e representatividade para um povo propagar sua história.

É importante ressaltar que o Afroturismo é para todes, para todas as pessoas que lutam por um mundo antirracista e por uma história contada por que viveu. Os invisíveis, que hoje, quando são "vistos" não tem o direito de fala.



Pensar no movimento afro turístico como libertador de uma sociedade ao rompimento do racismo é dar o direito de fala à quem precisa e saber a nossa posição de escuta enquanto turista ou viajante.

Permita-se vivenciar o Afroturismo, e viajar através de uma história que talvez ninguém nunca tenha te contado. Venha disfrutar de outro tipo de viagem - com certeza a sua vida será melhor e diferente depois dessa experiência.

Como fazer Afroturismo durante seu voluntariado

Compartilho a experiência exitosa realizada pelo Hostel Vila Flor Eco no festival Cambalhota realizado no mês de setembro de 2020 que trouxe debates sobre roteiros de viagem de afroturismo.

"Um povo sem memória é um povo sem história. E um povo sem história está fadado a cometer, no presente e no futuro, os mesmos erros do passado." - Emília Viotti da Costa

Roteiros de viagem de Afroturismo para seu voluntariado

Aproveito a oportunidade para sugerir alguns roteiros de turismo afrocentrado para que você possa valorizar esse trabalho e contribuir com estas iniciativas.

Voluntariado em São Paulo



São Paulo está entre as maiores metrópoles da América Latina. São muitas opções culturais de museus e restaurantes afrocentrados. Durante seu voluntariado em São Paulo, veja essas duas opções de Afroturismo: 

Voluntariado em Alagoas



Alagoas, terra do Quilombo dos Palmares, é um destino que poderia ser muito visitado e apreciado, mas nem todos os viajantes que chegam no estado sabem o que se passou por lá. Aproveite seu voluntariado em Alagoas para aprender nesta opção de Afroturismo:

Voluntariado no Rio de Janeiro

O Rio de Janeiro é o maior destino turístico do Brasil, mas existe muito além das belíssimas praias. A cultura africana está presente em todos os lados. Durante seu voluntariado no Rio de Janeiro, escolha um roteiro de Afroturismo como este:  



Bônus: Afroturismo na Bélgica

Bônus: Afroturismo na Colômbia

As cidades de Palanque e Cali são locais onde a história da cultura negra está muito viva e presente.



Deixe seu comentário aqui

Escreva aqui suas dúvidas e agradecimentos ao autor



Mais sobre esse tema