Como é trabalhar num hostel fazendo pintura e decoração?

Relato sobre minha experiência como voluntária worldpacker ajudando com pintura e decoração de um hostel.


83c7d46f2267b3467948759dc509165d

Juliana @virandogringa

Jan 07, 2019

Engenheira, tradutora e autora do Virando Gringa, segue lá! Gosta de falar de viagem muito barata (mochilão), dicas de intercâmbio e é uma caçadora...

Como trabalhar num hostel fazendo pintura e decoração

Quando fui planejar minha primeira viagem pela Worldpackers, nem imaginei que podia fazer tantos trabalhos diferentes. Dá pra ajudar na cozinha, aprender a fazer drinks no bar, dar aquela mãozinha na limpeza e fazer a recepção - e esses são apenas os mais conhecidos de todo mundo. 

Na Worldpackers também dá pra aprender sobre mídias sociais, fotografia, jardinagem, cuidados com animais e até decoração!

Vou confessar logo de cara: não tenho formação nenhuma de arte. Sempre fiz umas pinturas em casa por puro gosto pessoal, e também gosto de desenhar, but that's it

Mesmo assim resolvi me aventurar e me candidatar pra um voluntariado com pintura e decoração. Encontrei um anfitrião em Belo Horizonte que precisava de uma pessoa pra dar uma repaginada no hostel. O título do anúncio era "queremos conhecer sua arte". Achei super receptivo e pensei: por que não?!

1. Alinhar as expectativas com o anfitrião

Logo na primeira mensagem já perguntei o que precisavam no hostel, pois no anúncio estava mais geral, como falei ali em cima. Eles responderam explicando que estavam precisando de ajuda e novas ideias pra deixar o hostel mais bonito, pois estavam meio sem grana pra contratar alguém pra fazer isso. Já tinham tido a experiência de receber voluntários, mas eram sempre pessoas que ajudavam com limpeza.

Expliquei que nunca tinha feito pintura em paredes, mas gostava de fazer desenhos. Falei sobre meu estilo, o que gosto de fazer, artes e artistas que admiro, hostels que gostei mundo afora e que aparência eles tinham. 

Se você for procurar uma experiência assim, não precisa ter vergonha de perguntar ao anfitrião sobre o que precisa ser feito no hostel, o que é esperado de você, o que é considerado essencial

Assim, tanto você como quem te recebe consegue alinhar as expectativas e entender se você é mesmo a pessoa certa pra transformar esse espaço que vai te receber. 

Se quiser mais informações, a Luísa falou sobre o que perguntar para o anfitrião Worldpackers em outro post. ;)

2. Minha experiência como voluntária de pintura e decoração

No geral a experiência foi boa. Teve várias coisas que gostei, como a liberdade pra criar os desenhos e os horários flexíveis. Além disso fiquei num quarto privado, o que foi ótimo pra continuar viajando e trabalhando como sempre faço. Um dos motivos de ter escolhido esse host foi o quarto privado

Vale a pena contar que quando cheguei tinha uma pessoa hospedada no quarto que deveria ser o meu. Fechei uma semana com eles e o quarto que reservaram pra mim tinha sido disponibilizado pra outra pessoa. 

Foi um pequeno erro feito por um outro worldpacker que estava ajudando com a recepção. Em vez de brigar, fiquei calma e negociei com o host. Expliquei que no app estava escrito quarto privado e eu queria que ele cumprisse o prometido, pois é o mínimo a se fazer. Na hora, sem pestanejar, eles conseguiram outro quarto. Eu acabei ficando 3 dias em um, e o resto dos dias em outro. Com uma simples conversa tudo foi resolvido.

Quando cheguei no hostel, me assustei vendo que não tinha nenhum material! Na hora, pensei que estava sendo passada pra trás. Me senti mal, porque acredito muito na proposta da Worldpackers e não queria me decepcionar, pois recomendo a wp quase diariamente no instagram e no blog!

Mas tudo bem, conversei com o host sobre suas preferências de paleta de cores e eu mesma fui atrás de pesquisar qual tinta dava certo, comprar lixas pra preparar a parede, pincel, rolo e outras coisas necessárias para o trabalho. Logicamente, eles me reembolsaram por tudo. 

Foi tão corrido que só fiz stories dessa experiência, como esses aqui:


Fiz a decoração toda baseada em natureza e cores pastel, porque eles pediram :) Mais no @virandogringa

Minha maior recomendação para quem quer ter essa experiência é que converse com o anfitrião antes de ir. Esclareça tudo antes da viagem, pergunte tudo que achar que deve, leia com atenção as mensagens para que possa tirar todas as suas dúvidas. 

3. O que perguntar para o anfitrião quando for pintar um hostel

No caso de pintura, pergunte sobre os materiais e as condições de trabalho. Por exemplo: 

  • Os materiais já estão comprados? Se você conseguir fazer uma lista é melhor ainda.
  • Qual o tamanho da arte que querem que você faça? É um cantinho, é uma parede inteira? É area interna ou externa?
  • Já tem um estilo definido? 
  • Tem um desenho pronto que querem que reproduza, ou você vai criar? 
  • Você vai pintar o espaço enquanto o hostel está aberto? Vão ter outros hóspedes usando o espaço enquanto a tinta seca? 
  • O tempo que você precisa condiz com as horas de trabalho definidas pelo anfitrião?
  • Quantas horas por dia você precisa para cada atividade? Por exemplo, para preparar as paredes (limpar e lixar), desenhar o rascunho, passar a primeira demão de tinta, dar o tempo de secar, passar a segunda demão, mostrar pro anfitrião, fazer ajustes e outras coisas. 

Quando estiver se comunicando com o host, escreva sobre o estilo de desenho que você gosta de criar, tente descobrir o que o anfitrião espera de você, além de comunicar o que você espera dele. Imagina se você curte algo totalmente diferente das expectativas do hostel que vai te receber? 

É legal lembrar que um hostel geralmente tem uma identidade visual, tem as cores que são símbolo da marca. Se não tiverem identidade, pelo menos vão ter as cores preferidas do dono ou dona do local. Enfim, sempre vão existir preferências ainda mais falando de arte, não é mesmo? Perguntar não ofende. ;)

No meu caso, o anfitrião não tinha comprado os materiais porque não teve tempo mesmo, não estava me passando pra trás. Muito pelo contrário, inclusive eles me deram as 3 refeições do dia mesmo que estivesse combinado só o café da manhã. Eram pessoas muito simples e gente fina, só um pouco atarefadas demais.

Quando for sua vez de viajar, meu conselho é que vá com calma. Acidentes de percurso acontecem. Uma simples conversa pode mudar tudo para melhor. Tirei muitas lições dessa experiência, espero que tenham sido úteis pra você. 

Tem dúvidas? Deixe nos comentários!


83c7d46f2267b3467948759dc509165d

Juliana @virandogringa

Jan 07, 2019

Engenheira, tradutora e autora do Virando Gringa, segue lá! Gosta de falar de viagem muito barata (mochilão), dicas de intercâmbio e é uma caçadora...


Gostou? Não esqueça de deixar Juliana @virandogringa saber :-)


Deixe seu comentário aqui

Escreva aqui suas dúvidas e agradecimentos ao autor