Como se planejar para uma viagem pela Worldpackers?

Está na fase de planejamento da sua viagem com a Worldpackers? Por ser algo essencial para quem vai viajar, principalmente quando se trata da primeira viagem, reuni algumas dicas para essa etapa baseadas nas minhas experiências.


Fac4bba5897ede6287d6e301d453ce81

Marcelo

Ousadia, desafios, limites, serenidade, experiência e saúde: tudo junto e misturado!

Set 17, 2018

como-se-planejar-para-uma-viagem-pela-worldpackers

Definições preliminares

Você então decidiu que chegou a hora de desbravar o mundo.

E, principalmente no caso da primeira viagem, ainda não está certo de qual tipo de projeto é o mais adequado para seu perfil, mas você precisa ter em mente, a razão e o propósito de fazer isso.

Isso é algo absolutamente pessoal e que pode ter muitas motivações. 

  • Alguns podem priorizar aspectos relacionados ao aprendizado de idiomas;
  • Atuar em uma causa humanitária como apoio aos refugiados de guerras civis ou de comunidades atingidas por desastres ambientais;
  • Conhecer e vivenciar outras culturas;
  • Um período sabático;
  • Um mix dessas opções ou mesmo por ser uma forma mais barata de viajar.

No meu caso foi um conjunto de algumas dessas opções.

E por que isso é importante?

Porque você precisa estar ciente do que isso poderá impactar, positivamente ou não, sua jornada.

O desalinhamento de expectativas pode trazer complicações para o viajante e/ou para os hosts.

Partindo do pressuposto que você já tem suas convicções sobre o tipo de projeto, agora a dica é navegar e explorar a plataforma da Worldpackers para ver as ofertas de projetos que estejam alinhados com você.

Verificar o histórico e as avaliações dos hosts e dos viajantes de um determinado projeto; dos locais, considerando questões culturais, a localização propriamente dita, transporte e acesso, requisitos de idioma, benefícios (refeições, descontos, etc.), e o que mais entender que seja importante pra você.

Porém, calma; ainda não chegou o momento de se candidatar.

Aqui você está avaliando, ponderando ajustes pessoais perante os requisitos dos projetos, bem como da disponibilidade de tempo para estar nos projetos.

A dica aqui é ir adicionar os projetos à sua lista de desejos (wishlist) da Worldpackers.

E embora possa não ser aplicável para todos (no meu caso foi), compartilhar essas ideias com pessoas próximas e/ou familiares é também importante.

Tanto para que eles estejam confortáveis com as ideias, como também para que eles possam nos apoiar, principalmente nos detalhes operacionais para controlar nossa empolgação.

Transformando a ideia em uma meta, um plano

Certa vez li a seguinte frase “Você sabe qual a diferença entre o sonho (a ideia) e a meta? R.: O prazo e o custo”.

Nesse sentido, chegou a hora de colocar as coisas no papel, de organizar as ideias, de considerar ajustes e desvios e, sim, de ter tudo documentado e controlado.

Há diversas formas de fazer isso; a melhor, sem dúvida alguma, é aquela que terá todas as informações que precisa na hora que precisar.

Você pode ser muito básico e ir anotando as coisas no “papel de pão”, em um caderno ou agenda; aquele app de anotações do smartphone funciona da mesma forma que o velho e bom arquivo “doc” do computador; e se você é, ou nesse caso quer ser, detalhista e perfeccionista, há diversos softwares, planilhas e aplicativos de gestão de projetos em que é possível cadastrar absolutamente tudo neles.

Os itens a meu ver essenciais para essa etapa do plano envolvem datas & prazos, orçamento, e documentações; ora você estará focada em um dos itens, ora em outro e não necessariamente nessa ordem.

Entenda que esse plano será algo vivo, dinâmico, passível de ajustes, alterações e que até durante e/ou após a viagem será utilizado, pois tudo aqui é interdependente.

O Calendário

planejando-sua-viagem

Você já tem ideia do tipo de projeto que deseja participar, já verificou algumas oportunidades na Worldpackers, e agora é estabelecer, ainda que previamente, quando você pretende viajar e por quanto tempo.

Quando você pretende partir?

Vai depender de conciliar férias do trabalho, pegar uma licença ou sair do emprego ou mesmo se você não tem esse tipo de restrição.

E por quanto tempo?

Uma semana, um mês, um ano? Enfim, cada caso é um caso.

É razoável pensar que nas viagens curtas, você esteja vinculado a apenas um único projeto; eventualmente dois.

Para períodos mais longos, ex.: seis meses, a tendência é que você passe por vários projetos.

Ainda falando nos prazos, é importante destacar também que essa programação está vinculada diretamente ao seu orçamento.

Por mais vantagens e benefícios que eles te proporcionem, mais tempo e mais projetos também incorrem em despesas adicionais, ainda que mínimas.

Então é importante articular isso muito bem, pois pode ocorrer de você ficar alguns dias livres, sem vínculos com projetos e nesses casos você terá que organizar também, principalmente com deslocamentos, hospedagens e refeições.

A grana

Entendo que esse ponto é bem sensível para questões de planejamento, salvo para aqueles que não precisam se preocupar com recursos financeiros, seja por uma questão social, um patrocínio etc. – no meu caso e acredito que para a maioria dos viajantes esse item pode direcionar boa parte do seu plano como um todo.

Naturalmente antes de estabelecer qualquer valor, você já deve ter avaliado alguns locais, além das datas e prazos.

Quando fiz meu plano eu considerei os seguintes itens:

  • Passagens aéreas: dependendo das localizações, talvez esse seja o item que consome a maior parte do orçamento. Os valores aqui podem ser bastante influenciados se incluir múltiplos destinos, o prazo (antecipação) entre a data da compra e da viagem. Seguem algumas dicas:

      • Nem sempre comprar com muita antecipação é vantajoso; pior ainda se for uma data já bem próxima da viagem; se você ainda tem um bom tempo pela frente, analise o histórico e monitore os preços;
      • Há muitos websites para pesquisar/comprar passagens e eventualmente alguns internacionais ou das próprias companhias aéreas podem ser úteis nesses comparativos; porém não deixe de verificar se é um website confiável;
      • Antecipar ou postergar a partida em um, dois ou três dias pode trazer uma condição financeira muito mais favorável para a compra de passagens e o mesmo vale para o retorno;
      • Esteja atento às regras da companhia aérea quanto às possíveis e eventuais necessidades de alteração. Geralmente isso envolve multas e taxas adicionais;
  • Despesas pessoais: muita coisa pode ser contemplada aqui, da mesma forma que dependendo do projeto/host, esse tipo de despesa também pode variar, tais como:
      • Itens de higiene pessoal e medicamentos “básicos”; embora você possa levar alguns na sua mala, em viagens mais longas pode ser necessário ter que comprar no local/redondezas (nesse caso faça previamente uma pesquisa de preços na Internet);
      • Despesas com comunicação (telefone/internet): importante avaliar, principalmente, a disponibilidade de wi-fi e dados de internet para você se comunicar com familiares e/ou amigos que estão te acompanhando de longe;
  • Refeições: pelo que vejo em boa parte dos projetos, as refeições geralmente estão incluídas; porém isso não é regra e também pode variar entre ter apenas uma ou todas (três) refeições por dia. Para o caso de ter refeições parciais, verifique se existe a possibilidade de utilizar a estrutura do local para preparar suas refeições e, se for o caso, dos preços nos mercados;
  • Lazer/entretenimento: normalmente você terá um ou dois dias livres por semana para conhecer, explorar e até “turistar”. Muito legal, mas esteja também precavido para isso e considere as despesas com:
      • Deslocamentos e transportes;
      • Refeições (uma vez que você não estará no local do projeto) OU porque as refeições proporcionadas pelos hosts são apenas para os dias que você está atuando lá;
      • Hospedagens no caso de, por exemplo, ficar uma noite fora;
      • Tickets e ingressos para museus, parques, shows, etc.;
      • Seja o que for, é possível pesquisar antes e fazer uma estimativa;
  • Compras: algo muito particular, mas pode ser vantajoso quando comparado com os preços no Brasil;
  • Seguro viagem/saúde: irei abordar detalhes técnicos sobre isso em outro item, mas ele também envolve custos, algumas vezes representam um percentual sensível do orçamento. Cada local, país tem regras específicas quanto ao seguro e os valores são influenciados em razão dos locais e da duração da viagem. É aquilo que a gente paga, mas não quer utilizar;
  • Reserva para imprevistos: imagine que você fez um planejamento criterioso, pesquisou e estimou os valores acima do que possivelmente são e que ao final esse orçamento ficou em $100.00. Minha dica aqui seria então de levar $120.00; essa diferença de 20% será sua margem de segurança para imprevistos. Sugiro ainda que independente do total, você divida isso entre dinheiro (cash) e cartões (de viagem/crédito).

Documentações

planejando-sua-viagem-documentacao

Conforme já comentado anteriormente, os itens são interdependentes e não há uma ordem fixa para seguir, além de que o plano é dinâmico, e isso faz muito sentido quando falamos sobre as documentações.

Dependendo de seus objetivos, esse é o tipo de requisito que deve ser priorizado no seu planejamento.

Assumindo a hipótese de se aplicar para um projeto internacional da Worldpackers, você terá que se atentar principalmente para tudo que for obrigatório.

De nada adianta se candidatar, e até ser aceito para um projeto/host dos EUA para o mês que vem, se o seu passaporte não estiver em dia e/ou ainda não possuir o visto.

Sendo assim, no que tange a documentação, é importante considerar:

  • Passaporte/vistos/autorizações: cada país possui suas regras que podem variar de acordo com o país de origem.
      • Passaporte: mesmo que seu passaporte ainda esteja dentro do período de validade para a viagem que você está se programando, pode ser que você necessite de um novo. Muitos países exigem que o passaporte tenha seis meses de validade após a data final da viagem;
      • Vistos: alguns países exigem vistos para você “entrar”; portanto verifique o caso do local que deseja ir. Além disso, há diversos tipos de vistos (turismo, estudo, negócios, trabalho, etc.), avalie como a atividade de intercâmbio cultural e um projeto da Worldpackers é categorizado;
      • Autorizações: eventualmente você não necessite de um visto, mas talvez de uma autorização que pode ser emitida pela internet na página oficial da imigração do país de destino;
  • Seguro viagem/médico: para alguns locais também é recomendável ou obrigatório fazer um seguro viagem/médico. Esse tipo de seguro irá contemplar eventuais despesas de saúde, medicamentos, roubos/furtos, extravios, estadias e até bilhetes aéreos. É claro que quanto maior a cobertura, mais caro ele fica. Você pode contratar em um banco ou corretora de seguros presencialmente ou mesmo pela internet. A dica é também verificar uma empresa/seguradora idônea e que tenha um convênio e assistência efetiva para o local que você for;
  • Atestado de saúde e certificados de vacinação: cada país também faz exigências nesse sentido e que podem variar de acordo com a origem (país) do visitante. Alguns países, por exemplo, exigem que você tenha tomado a vacina contra a febre amarela;
  • Declarações diversas: particularidades e exigências diversas podem existir entre os países. Nesse sentido é importante pesquisar e verificar se há necessidade de emitir uma declaração adicional sobre um determinado item específico. É comum, mas geralmente já durante a viagem e junto aos agentes de imigração, demonstrar ou declarar que você dispõe de recursos financeiros para ficar no país de destino até o respectivo retorno.

Quando eu fui viajar, em linhas gerais, a rota foi estabelecida para um período de três meses fora do Brasil, visitando dois países e também me aplicando em dois projetos. E particularmente eu documentei todas essas informações acima.

No meu caso, eu montei um documento Word/PDF e coloquei as seguintes informações:

  • Sumário: fiz um resumo dos objetivos da viagem, citando em grandes linhas o tempo estimado e os locais/países;
  • Sobre: Foto, dados e informações pessoais, e Contatos (do Brasil);
  • Documentos: incluí os dados dos meus principais documentos inerentes à viagem
  • Declaração de saúde/certificados: alguns sites tem esse tipo de serviço; trata-se de um formulário que você preenche e assina de forma autônoma; não há qualquer vínculo ou obrigação com empresas médicas ou seguradoras. Também incluí aqui uma cópia do certificado da vacina da febre amarela;
  • Seguros: coloquei uma cópia da apólice, bem como todos os canais de contato com a empresa seguradora;
  • Bilhetes aéreos: cópias de todos os bilhetes aéreos; ponto a ponto até o retorno. Em alguns países, você é obrigado a comprovar que tem uma data de retorno programada;
  • Locais e Hosts: montei um quadro com o endereço do local, nome/e-mail/telefone dos hosts e data de chegada e partida de cada projeto que eu participei.

Fiz esse documento em português e em inglês. Imprimi duas cópias e as coloquei em pastas separadas (uma em minha mala; a outra em minha mochila/bagagem de mão).

Também enviei por e-mail aos hosts e aos meus contatos/referências (familiares); e tanto em minha carteira como no celular eu tinha sempre à mão os telefones de contato dos familiares, dos hosts e da seguradora.

Considerações finais

É obrigatório fazer tudo isso?

Não. Alguns itens são mandatórios; outros eu considero recomendáveis.

Vai de cada um avaliar tudo de uma forma ampla e ao mesmo tempo detalhada, ponderando suas experiências prévias, os locais que você pretende viajar, orçamento e custos, e o que mais entender como relevante ou não para você.

O plano, principalmente durante a viagem, precisa ser seguido integralmente?

Absolutamente não, pois você irá se deparar com situações que podem fugir um pouco da ideia inicial; mas será um importante guia para embasar sua tomada de decisão quando for necessário corrigir algo – eu passei por uns perrengues, mas consegui resolvê-los rapidamente graças ao planejamento.

Posso afirmar que as informações aqui constantes resumem como foi a elaboração do meu plano.

Não quero, tampouco posso dizer que ele irá funcionar para qualquer pessoa ainda que ela fosse fazer o mesmo tipo de viagem; sempre haverá espaço para contemplar outras situações que são muito particulares.

Todavia acredito que será útil e servirá de base para o seu plano, mesmo que seja para fazer algo totalmente diferente, pois dessa forma você terá ao menos verificado a necessidade deles e terá convicção do que irá seu útil no seu caso!

E que todos tenham excelentes viagens e experiências como as que eu tive!!!


Fac4bba5897ede6287d6e301d453ce81

Marcelo

Ousadia, desafios, limites, serenidade, experiência e saúde: tudo junto e misturado!

Set 17, 2018


Gostou? Não esqueça de deixar Marcelo saber :-)


Deixe seu comentário aqui

Escreva aqui suas dúvidas e agradecimentos ao autor