Quer saber como ser uma pessoa diferente? Vá viajar

Somos da geração que não tem medo do novo, queremos viver as experiências da vida com verdade e intensidade. Vamos bater um papo sobre isso?


02277874cf0dcc32c73d0dbe70426f2f

Mai 09, 2019

Graduando do curso de Comunicação Social, vegano, amante do cinema brasileiro e nômade digital.

Dicas de como ser uma pessoa diferente

Nós somos filhos da Geração Z, aqueles que sonhavam com a casa própria, o carro do ano e um emprego estável. A Geração Y é aquela juventude de 20 até 34 anos que nasceu junto com a internet e que preza por experiências, muitos deles sonham em meter o pé na estrada em busca de autoconhecimento e como ser diferente daquilo que a sociedade em geral impõe.

Parece que a geração Y está em busca de uma só jornada, a verdadeira liberdade para trabalhar com o que realmente gosta. Queremos viajar pelo mundo e estudar aquilo que a gente realmente tem interesse, independentemente do que isso seja.

O ano sabático é aquele momento que você tira quando você se sente totalmente sufocado pela realidade estável que está a sua volta, tudo parece mais do mesmo e nada parece verdadeiro. Tudo o que você quer é dar um tempo de tudo e meter o pé na estrada para se sentir vivo!

Viajar pelo mundo significa absorver cultura, conhecer pessoas em uma verdadeira troca de aprendizado. Um ano viajando é o tempo necessário para realizar diversos tipos de trabalhos voluntários durante o caminho, buscando entender quem você é.

O que eu percebi nesse tempo viajando é que você se despede da pessoa que a sociedade quer que você seja. Sabe a melhor parte disso tudo? É que você renasce. É através da transmutação e das novas possibilidades que você descobre quem você é.

Mudar não é fácil, é um processo doloroso, viajar sozinho é um constante desafio de autoconhecimento, às vezes você se sente perdido, sem chão, sem certezas, mas são nesses momentos de questionamento profundo que você acaba percebendo que não saber é diferente de estar buscando. Agora eu te pergunto, caro leitor, você está preparado para se entregar à essa mudança?

Preparado para descobrir como ser uma pessoa diferente?


Como ser diferente: viajar

Porque um ano sabático é bom:

  • O convívio com pessoas e culturas diferentes;
  • Você é livre para fazer todas suas escolhas, sem ninguém intrometer em suas decisões;
  • Hora de desenferrujar a segunda língua ou até mesmo aprender uma nova;
  • O aprendizado diário te faz mais consciente a cada dia;
  • O sabatismo pode acabar tornando-se sua profissão.

O que você deve saber antes de ir:

  • Primeiro passo para partir: vontade de se conhecer;
  • Tem que ter bastante coragem para ir e estar disposto a conhecer um novo mundo, a saudade de casa é grande;
  • Bastante atenção na saúde física e mental;
  • Os perrengues por dinheiro tem tendências a aumentar;
  • Manter o foco.

Histórias reais para que você perceba que não está sozinho nessa vontade de mudar:

Trouxe aqui o depoimento de uma grande amiga que se jogou no mundo depois de perceber que o que ela queria mesmo era contar histórias. Raquel Pryzant é estudante de jornalismo e vive em São Paulo, ela se considera uma nômade digital.

Desde 2017, Raquel viaja pelo mundo produzindo os melhores conteúdos para seu portal, o Sola No Mundo, onde ela busca por histórias e culturas, compartilhando entrevistas e reportagens de suas viagens.

‘’Cada vez que coloco a mochila nas costas meu coração bate mais forte. Essa sensação, que se repete até hoje, confirma que estou no caminho certo. Por isso encarei a vida de viajante e procurei alinhar meu trabalho com períodos de viagem. Tive que abrir mão de algumas comodidades e ter muita paciência’’.

Segundo Raquel, o maior perrengue que ela passou foi em sua primeira viagem sozinha para a cidade de São Jorge, localizada na Chapada dos Veadeiros (GO), onde decidiu acampar em uma das épocas mais frias do ano.

"Duas dicas principais: a primeira é pesquisar bastante, isso vai te dar muita segurança. A segunda, na verdade, são 20. Vinte segundos de coragem. É isso que você precisa para comprar uma passagem, entrar num avião, conversar com alguém num bar ou pular de paraquedas".

Outra história é da Morgana Lux, formada em audiovisual ela decidiu viajar pelo mundo em busca do documentário perfeito depois que terminou a faculdade! O que ela não esperava era descobrir que essa viagem não era sobre um documentário somente, mas sobre uma série sobre mulheres e os lugares onde elas vivem. Morgana conta como foi difícil desapegar do emprego fixo e se jogar nessa aventura.

"Eu tinha o emprego perfeito, o apartamento dos sonhos e uma vida ótima, mas existia um vazio dentro de mim, uma vontade incessante de dizer algo relevante e contar histórias. Decidi então viajar em busca de construir um documentário à la Glauber Rocha, uma ideia na cabeça e uma câmera na mão. 

Descobri no meio do caminho como eu tinha medo de desapegar da minha vida estável e como só faltava a coragem mesmo de descobrir quem eu realmente era e qual meu propósito na Terra. Eu pensava 'não é possível, eu tenho que fazer alguma coisa da minha existência', então peguei minha mochila e só fui", conta Morgana.

Logo Morgana descobriu sua vontade de falar sobre mulheres. Durante sua viagem pelo sertão nordestino conheceu diversos tipos de mulheres fortes e independentes e percebeu que ninguém falava sobre elas! 

A videomaker percebeu como o convívio com essas pessoas mudava quem ela era e como ela descobriu uma força interna grande o suficiente para começar uma série documental sobre mulheres no sertão. Hoje ela continua viajando e trabalhando com isso.

Conclusões

Você não precisa viajar necessariamente para perceber que a vida é mais que ter um bom emprego, uma casa própria e o carro do ano. Teóricos, poetas, filósofos e todo tipo de gente já escreveu e discutiu sobre esses assuntos a séculos atrás. O importante é querer descobrir o porque você está aqui.

Estamos vivendo um momento histórico onde a nossa geração e as que estão vindo têm uma incessante necessidade pela liberdade, e dentro disso vem o propósito de vida.

Estamos nos questionando e, principalmente, percebendo que a vida é curta demais para viver infeliz com seu cotidiano. E tá tudo bem se algumas pessoas não entendem isso ou não conseguem fazer o mesmo, cada um tem o seu tempo. Viajar para se encontrar é uma escolha que requer muita coragem e força de vontade.

Assim como tudo na vida, o autoconhecimento é uma grande estrada sem fim, que no começo pode parecer árdua e dolorosa, e de fato ela é, mas só quem vive e aceita esse caminho sabe como vale a pena acordar um dia e ter orgulho de ser quem é, de estar vivendo algo que você escolheu para si e ter noção de que tudo o que você está colhendo é algo que você plantou cuidadosamente com as próprias vontades e escolhas.

Viemos para viver em liberdade, nada melhor que começar metendo o pé na estrada! E não se preocupe, você não está sozinha, a Worldpackers pode te dar todo o apoio necessário para você se jogar nessa aventura.

Se você tiver vontade de cair nesse mundão para um ano sabático, a Worldpackers, além de diversas oportunidade de voluntariado pelo mundo, também oferece alguns ebooks e cursos que vão te ajudar. 


02277874cf0dcc32c73d0dbe70426f2f

Mai 09, 2019

Graduando do curso de Comunicação Social, vegano, amante do cinema brasileiro e nômade digital.


Gostou? Não esqueça de deixar Thiago saber :-)


Deixe seu comentário aqui

Escreva aqui suas dúvidas e agradecimentos ao autor