Guia Buenos Aires: o que fazer, atrações e dicas para economizar

A capital da Argentina esbanja opções de atrativos, seja museus, parques, restaurantes ou atrações históricas. Confira esse guia com dicas do que fazer em Buenos Aires!


D671652476d582a62dc05741c77eb424

Aline Fernanda

Jul 05, 2019

Encontrando respostas em cada experiência mundo afora! Blogueira de Viagem | Viajante Solo | Escritora | Terapeuta Holística | Vegetariana | Apaix...

O guia completo para conhecer Bue

Encontrar o que fazer em Buenos Aires não é tarefa difícil e, além disso, há alternativas para atender todos os estilos de viajantes. Andar pelas principais ruas da capital portenha é como voltar no tempo e reviver grandes momentos da história do país, manifestados através de imponentes monumentos e belas construções, característica que rendeu à cidade o título de “Europa da América do Sul”.

Buenos Aires é a maior cidade da Argentina, com três milhões de habitantes, e um dos mais importantes destinos turísticos do país, recebendo anualmente cerca de seis milhões de turistas. 

Entre os pontos turísticos mais visitados estão a Casa Rosada, Caminito, Puerto Madero e o Cemitério da Recoleta. Além disso, na capital mundial do tango, a dança típica de coreografia complexa está por toda a parte, em praças públicas espalhadas pela cidade ou nos belos teatros que oferecem grandes espetáculos que reúnem história, arte e gastronomia portenha.

Por isso, confira as minhas dicas do que fazer em Buenos Aires:

1. Como chegar e se deslocar na cidade


Há várias formas de chegar em Buenos Aires

Dá para chegar em Buenos Aires via aérea, terrestre ou fluvial. Há três aeroportos na região metropolitana  Aeroporto Internacional Ministro Pistarini (Ezeiza), Aeroporto Internacional Jorge Newbery (Aeroparque) e o Aeroporto El Palomar (EPA). O primeiro fica mais afastado do centro, a cerca de 32 quilômetros, mas é considerado o principal aeroporto da cidade. Já o segundo é menor, mas está localizado nas proximidades da área central. O terceiro, há pouco tempo atuando de forma comercial, fica na cidade de El Palomar e vem operando com voos low cost.

Por meio terrestre, o Terminal de Ônibus Retiro (rodoviária de Buenos Aires) é o principal ponto de chegada e muitas empresas de ônibus que operam na América do Sul oferecem linhas que vão até lá. 

Recomendado avaliar o custo benefício, considerando que é possível conseguir passagens áreas com bons preços em determinadas épocas do ano. 

O visitante que estiver no Uruguai pode aproveitar o transporte fluvial para fazer um passeio de barco chegando a Buenos Aires pelo Rio da Prata. As empresas que oferecem o serviço atualmente são Buquebus, Seacat e Colonia Express.

Para se deslocar na capital portenha, partindo dos aeroportos, rodoviária e outros locais da cidade, é possível utilizar metrô, ônibus, táxi, uber, cabify, transporte executivo e remises. As opções mais econômicas, na maioria das vezes, são as linhas do transporte público (metrô e ônibus), porém, para utilizar este serviço é obrigatório adquirir um cartão SUBE em um dos milhares pontos de venda espalhados pela cidade, que inclui kioskos e Centro de Atenção ao Turista. 

No caso das linhas de ônibus, os números indicados servem como referência, mas é recomendado utilizar um aplicativo de mobilidade urbana como Maps.me, Google Maps, Cómo Llego ou Moovit para tomar o ônibus correto, já que lá as linhas possuem mais de uma rota.

Também há bicicletas para alugar em vários pontos da cidade, ou o viajante ainda pode optar por fazer tours autoguiados caminhando, como eu fiz durante visita à cidade.

2. Onde ficar na capital portenha


Buenos Aires é uma cidade com boas opções de bairros para se hospedar

Os bairros mais procurados pelos viajantes para se hospedar em Buenos Aires são o Microcentro (que compreende parte dos bairros San Nicolás e Montserrat), San Telmo, Puerto Madero, Palermo e Recoleta. 

Cada um deles possui características específicas que atendem públicos distintos, com opções de hospedagem para todos os gostos e bolsos distribuídas entre hostels, hotéis, pousadas, apartamentos, entre outros. 

Grande parte dos atrativos turísticos estão localizados no Microcentro, e nesta região também fica fácil deslocar-se para qualquer parte da cidade considerando a grande oferta de transporte. 

Palermo já é o bairro recomendado para quem deseja curtir mais a vida noturna e aproveitar para fazer algumas compras, já a Recoleta é um bairro bonito e ideal para atividades ao ar livre.

Quando estive na cidade fiquei hospedada nas proximidades do Parque Rivadavia, no bairro Caballito, e gostei bastante da localização pela estrutura que oferece, com estação de metrô, supermercados, cafeterias, lojas, restaurantes, farmácia e o próprio parque.

Assim como em outras partes do mundo, na capital portenha os hostels continuam sendo uma das alternativas mais econômicas de hospedagem. Entre os mais bem avaliados estão o Che Juan Hostel BA, no Microcentro, o Malala Hostel, na Recoleta, e o Caravan BA Hostel Boutique, em Palermo. 

Além disso, você pode economizar na hospedagem e curtir por mais tempo a cidade voluntariando através da Worldpackers. São apenas algumas horas de trabalho por dia em troca de acomodação e, em alguns casos, refeições. Na plataforma há mais de 40 oportunidades de voluntariado cadastradas para limpeza, recepção, reparos, entre outras, a maior parte delas oferecidas por hostels bem localizados na cidade.

3. Onde e o que comer em Buenos Aires


O que fazer em Buenos Aires: provar a gastronomia local 

A capital portenha também é referência quando o assunto é gastronomia e há muitas opções de bares, restaurantes, mercados, padarias, cafeterias e feiras onde são oferecidas as delícias da culinária argentina. 

Algumas das opções mais procuradas pelos viajantes são: o bife de chorizo – corte de carne bovina sem osso e de qualidade superior, geralmente servido com batatas e legumes; o choripán – uma espécie de sanduíche onde os ingredientes são pão, linguiça bem temperada, molhos e condimentos; as empanadas – parecidas com um pastel assado, porém a massa é mais apetitosa e o recheio pode ser de carne, queijo, frango ou vegetariano; e as deliciosas medialunas – que se assemelham a croissants, podem ser doces ou salgadas, e levam esse nome por causa de seu formato.

As pizzas também são encontradas com facilidade em todos os bairros da cidade e junto com o choripán, empanadas e medialunas fazem parte do cardápio diário de argentinos e turistas que buscam uma alimentação mais em conta e rápida. 

Caso o visitante deseje comer um prato típico em um dos restaurantes da cidade gastando menos, é recomendado fugir de locais onde um dos atrativos turísticos são os restaurantes, como Puerto Madero, por exemplo. 

Para os viajantes que contam com uma estrutura para cozinhar onde estiverem hospedados, uma sugestão para economizar, que vale para qualquer destino, é realizar compras no supermercado e preparar as suas próprias refeições. Para sobremesa fica como dica um alfajor ou o incrível dulce de leche, que também são uma deliciosa opção para presentear amigos e familiares.

4. Atrativos turísticos em Buenos Aires: o que fazer


O Caminito é uma das opções clássicas do que fazer em Buenos Aires

Quando cheguei na cidade, uma das primeiras coisas que fiz foi conseguir um mapa dos pontos turísticos, o que foi ótimo, pois com base nele montei meus roteiros e, acredite, com o mapa em mãos não precisei nem usar o celular para me localizar. 

Outro ponto positivo é que boa parte dos atrativos da cidade tem entrada franca, então é possível conhecer muitos lugares sem colocar a mão no bolso. 

Fiquei poucos dias na cidade em uma época que chovia bastante, por isso não pude visitar alguns pontos turísticos que gostaria, mas tive a oportunidade de conhecer os principais. 

Em um dos dias de tour autoguiado, tomei o metrô na Estação Acoyte, próximo ao Parque Rivadavia, e chegando ao centro fiz um trajeto de alguns quilômetros caminhando, onde pude conhecer vários pontos turísticos. 

Percorri parte da Avenida de Mayo e toda a região da Plaza de Mayo, onde fica a Casa Rosada, Catedral Metropolitana, Cabildo, Banco de La Nación Argentina, Palacio de Gobierno de la Ciudad Autonoma e importantes monumentos.

Depois andei em direção a Avenida 9 de Julio para conhecer o Obelisco e posteriormente segui para a Recoleta, passando pelo Teatro Porteño, Teatro Colón e Teatro Nacional Cervantes.

Na Recoleta, um dos bairros que mais gostei considerando os que conheci, investi algumas horas, pois há vários atrativos nesse bairro e, por ser um sábado, estava acontecendo a tradicional feira na Plaza Intendente Torcuato de Alvear, bem como atrações artísticas ao ar livre. 

Um dos locais que mais me chamou a atenção foi o Cemitério da Recoleta. As obras de arte em forma de mausoléus são de uma grandiosidade e riqueza nos detalhes difícil de registrar em fotografias ou tentar explicar, o que faz dele um atrativo imperdível. 

Os demais locais que conheci na Recoleta foram a Facultad de Derecho, Floraris Genérica, Museu Nacional de Bellas Artes, Plaza Francia, Plaza Dante e Monumentos.

No final do dia ainda sobrou um tempinho para tomar o metrô e conhecer a Plaza General San Martín, de onde se tem uma bela vista da Torre Monumental.

Abaixo tem uma relação de atrativos turísticos por bairro com informações relacionadas ao transporte público local para que o viajante possa criar o seu próprio roteiro. 

  • La Boca

Atrativos: La Bombonera (Estádio Boca Juniors), Caminito, Museu da Paixão Boquense, Fundação PROA, Museu de Belas Artes Quinquela Martín, Ponte Transbordador, Torre do Fantasma, Teatro da Ribera, Quartel de Bombeiros Voluntários de La Boca, Plazoleta Bombeiros Voluntários de La Boca e Usina de Arte.

Transporte público do centro para o bairro: ônibus linhas 29, 33, 64, 152, 159.

  • Recoleta

Atrativos: o Ateneo Grand Splendid, Parque Carlos Thays, Faculdade de Direito, Monumento Floralis Genérica, Museu Nacional de Belas Artes, Biblioteca Nacional, Praça Mitre, Praça Francia, Praça Intendente Torcuato de Alvear (onde acontece a feirinha da Recoleta), Centro Cultural Recoleta, Basílica de Nossa Senhora do Pilar, Cemitério da Recoleta, Avenida Quintana e La Biela, Avenida Alvear e Hotel Alvear e Palais de Glace.

Transporte público do centro para o bairro: metrô linhas verde (D) e amarela (H) e ônibus linhas 29 e 102, 93, 111 e 59, 111 e 60, 146 e 60.

  • Puerto Madero

Atrativos: Museu de Calcos (relevo) e Escultura Comparada, Fonte das Nereidas, Reserva Ecológica, Monumento ao Tango, Museu do Humor, Faena Arts Center, Barco Museu Fragata Sarmiento, Ponte da Mulher, Barco Museu Corveta Uruguay, Yacht Club Argentino, Museu Nacional da Imigração - MUNTREF, Coleção de Arte Amalia Lacroze de Fortabat, Parque Micaela Bastidas e os famosos restaurantes de Puerto Madero.

Transporte público do centro para o bairro: metrô linha cinza (A) e ônibus linhas 33, 64, 111, 143, 159.


Ponte da Mulher, em Puerto Madero

  • Monserrat

Atrativos Casco Histórico: Monumento a Julio Argentino Roca, Palácio da Legislatura, Manzana de las Luces, Café El Querandí, Colégio Nacional de Buenos Aires, Igreja de San Ignacio Loyola, Livraria Ávila, Museu da Cidade, La Puerto Rico, Farmácia La Estrella, Altos de Elorriaga, Igreja e Convento de San Francisco - Capela San Roque, Museu Etnográfico Juan B. Ambrosetti, Basílica de Nossa Senhora do Rosário, Casa do Virrey Liniers, Ex Sede da Biblioteca Nacional, Ex Casa da Moeda e Galeria Güemes.

Atrativos Avenida de Mayo: Praça de Mayo, Casa Rosada, Antiga Sede do Congresso Nacional, Banco da Nação Argentina, Catedral Metropolitana, Cabildo, Palácio do Governo, Café Tortoni, Palácio Barolo, Praça do Congresso, Congresso Nacional, Academia Nacional de Tango, Clube Espanhol, Hotel Castelar, Teatro Avenida e Teatro Liceo.

Transporte público: há linhas de ônibus e metrô de todos os bairros em direção à área central.

  • Belgrano

Atrativos: a Recova, Paróquia de Imaculada Conceição, Praça General Manuel Belgrano, Museu de Arte Espanhola Enrique Larreta, Barrancas de Belgrano, Bairro Chinês, Museu Casa de Rogelio Yrurtia, Avenida Cabildo e Estadio do River Plate.

Transporte público do centro para o bairro: metrô linha verde (D) e ônibus linhas 29, 111 e 68, 105 e 68, 111 e 152, 111 e 67, 64 e 68.

  • Palermo

Atrativos: Planetario Galileo Galilei, Hipódromo Argentino de Palermo, Jardim Japonês, Rosedal de Palermo, Jardim Botânico, Ecoparque - Ex Zoológico.

Transporte público do centro para o bairro: metrô linha verde (D) e ônibus linhas 29, 64, 105, 111.

  • San Telmo

Atrativos: Passeio de la Historieta, Faculdade de Engenharia, El Viejo Almacén, Casa Mínima, Pasaje San Lorenzo, Zanjón de Granados, Bar Sur, Igreja Dinamarquesa, Galería del Viejo Hotel, Antigua Tasca de Cuchilleros, Casa de Esteban de Luca, Casa de Esteban de Luca, Praça Dorrego, Atelier de Juan Carlos Pallarols, Museu Penitenciário Argentino Antonio Ballvé, Paróquia de San Pedro Telmo, Escola Dr. Guillermo Rawson, Pasaje Defensa, Museu de Arte Moderna de Buenos Aires, Antigo Edifício da Fundação San Telmo, Igreja Ortodoxa Russa da Santíssima Trindade, Parque Lezama, Museu Histórico Nacional, Fábrica Canale, Edifício da Secretaria de Agricultura, Mercado de San Telmo e Casa de Juan Carlos Castagnino.

Transporte público do centro para o bairro: metrô linha azul (C) e ônibus linhas 22, 24, 29, 64, 159.


Feira de Artesanato de San Telmo

  • San Nicolás

Atrativos: Obelisco, Praça Lavalle, Teatro Colón, Teatro Nacional Cervantes, Palácio da Justiça – Tribunales, Calle Corrientes, Teatro General San Martín, Paseo La Plaza, Paseo La Plaza, Mirador Massué e Casa de Domingo Faustino Sarmiento.

Transporte público do centro para o bairro: metrô linhas verde (D) e vermelha (B) e ônibus linhas 24, 29, 50, 111.

  • Retiro

Atrativos: Galerias Pacífico, Calle Florida, Estação de Trem de Retiro, Edifício Kavanagh, Plaza Hotel Buenos Aires, Cenotáfio aos Caidos nas Malvinas, Palácio San Martín, Centro Naval, Torre Monumental, Círculo Militar - Ex Palácio Paz, Igreja e Convento de Santa Catalina de Siena, Basílica do Santíssimo Sacramento e Administração de Parques Nacionais.

Transporte público do centro para o bairro: metrô linhas lilás (E) e azul (C) e ônibus linhas 130, 24 e 100, 93, 24 e 67, 111 e 100, 50 e 67.

5. O tango


O que fazer em Buenos Aires: assistir a uma apresentação de tango

O tango é uma dança melancólica e sensual lindamente interpretada desde o final do século XIX por dançarinos portenhos. Em Buenos Aires, capital mundial do tango, há muitas casas que oferecem shows de tango, entre elas Madero Tango VIP, Esquina Carlos Gardel, Señor Tango, Tango Porteño, Piazzola Tango e Café Tortoni.

Além disso, é possível apreciar apresentações de forma gratuita em praças públicas. Quando estive em Buenos Aires, assisti a uma linda exibição na Praça Francia na Recoleta, não com o mesmo glamour das casas de shows, mas com a grandeza dos passos dessa linda dança, marca registrada da cultura local.

6. Visite Buenos Aires e surpreenda-se

Não há como se decepcionar em uma visita a Buenos Aires e a prova disso são os relatos de tantas pessoas que dizem ter vontade de retornar após a primeira viagem. 

Algumas dicas não são apenas para destinos específicos, mas sim para economizar em todas as viagens! Se você quer se tornar um especialista no assunto, pode fazer o curso da Worldpackers de Como Viajar Barato e aprender todas as dicas para viajar mais e gastar menos.

Na cidade de povo acolhedor, que recebe seus visitantes com um mate e cumprimentos simpáticos com beijinhos no rosto e abraços apertados, é impossível não se sentir a vontade e acima de tudo feliz por ter a oportunidade de vivenciar seu pluralismo cultural, mesmo que por poucos dias.


D671652476d582a62dc05741c77eb424

Aline Fernanda

Jul 05, 2019

Encontrando respostas em cada experiência mundo afora! Blogueira de Viagem | Viajante Solo | Escritora | Terapeuta Holística | Vegetariana | Apaix...


Deixe seu comentário aqui

Escreva aqui suas dúvidas e agradecimentos ao autor