Todas as dicas do que fazer em Florianópolis

Conhecida como um dos principais destinos brasileiros, Florianópolis é uma cidade cheia de riquezas naturais e históricas, por isso, confira tudo o que fazer por lá.


F695d4617003e7d1bdea16b121f8f968

Amanda Teló

Jul 11, 2019

Descobri que a vida só vale a pena se for vivida. Vivida com equilíbrio, com intensidade e com amor. Viajar é uma das formas mais puras de experien...

Dicas de atrações e como economizar em Florianópolis

Florianópolis é a capital de Santa Catarina e uma das cidades mais bonitas do Brasil. O apelido "ilha da magia" não é à toa, já que viajar para Florianópolis te proporciona muitas opções do que fazer, como praias paradisíacas, trilhas, comidas típicas e muita história.

Ligada ao continente por uma ponte (agora duas, já que a principal está em reforma), Floripa tem mais de 675,4km² de área e 477.798 habitantes. Conhecer Florianópolis foi uma experiência única, já lá eu conheci pessoas vindas de várias partes do mundo, vi praias de uma beleza que eu esperava encontrar apenas no Nordeste e ainda pude presenciar uma cidade cheia de vida que deixa aquele gostinho do "espero voltar em breve".

Confira esse guia com dicas do que fazer em Florianópolis:

1. Como chegar até Floripa

Chegar até Florianópolis é relativamente simples, a cidade possui entrada por terra, céu e mar.

Para chegar de forma aérea, tem o Aeroporto Hercílio Luz, que fica localizado no sul da Ilha, há aproximadamente 12km do centro da cidade. Existem vôos diretos de várias capitais do Brasil e alguns vôos internacionais. Ao chegar pelo aeroporto, é possível alugar carros, pegar um uber ou começar a andar de ônibus. Mais abaixo você encontra mais informações sobre o transporte em Floripa.

Por terra é possível chegar de carro através da BR-101 e BR-282. Floripa também não fica longe de algumas grandes cidades. Por exemplo, ela está a apenas 300 km de Curitiba e 700 km de São Paulo.

Ônibus também é uma boa opção, já que várias empresas operam até Floripa e chegam até o Terminal Rodoviário Rita Maria, que fica no centro da cidade.

2. Quanto custa comer em Florianópolis

Florianópolis é a cidade mais turística de Santa Catarina, recebendo mais de 4 milhões de turistas por ano. Então, se acostume com a ideia dela ser cara, inclusive, segundo pesquisa da ABBT, ela é a cidade mais cara para comer fora no país. Se gasta em média R$ 43,35 por dia, sendo que a média nacional é de R$ 34,84 por dia.

Para economizar vale a pena procurar restaurantes menos badalados, mais longe das praias e também comprar em mercados e fazer sua própria comida, já que os preços em mercados não são tão diferentes do padrão sul do Brasil.

3. Quando viajar para Florianópolis

Floripa é também uma cidade lotada, principalmente nas altas temporadas. Se é isso que procura, dezembro, janeiro e fevereiro são os meses ideais, já que o sol é forte e a água quente na maioria das praias.

Se seu objetivo é pegar uma praia mais vazia e economizar na viagem, experimente ir em outubro, novembro, março ou abril. Inclusive o comecinho do outono costuma ser a época mais estável climaticamente falando. Nessa época do ano o grande volume de pessoas já passou e os engarrafamentos diminuem ou até somem em algumas regiões.

Viajar para lá é bom durante todo o ano, já que existem milhares de Floripas dentro Floripa. Tem passeios para todos os gostos e toda época é uma boa época para conhecer a Ilha da Magia.


Praia do Matadeiro, Florianópolis

4. Como funciona o transporte

Por ser tão extensa, os lugares mais famosos são consideravelmente bem distantes um dos outros. Por exemplo, Floripa tem aeroporto e o mesmo fica a 12 km do centro. O centro fica a 30 km dos Ingleses, no norte da ilha, e o norte da ilha fica a 50 km do sul da ilha.

Apesar de receber muitos turistas, a cidade não tem uma boa mobilidade urbana. As ruas são estreitas e é comum pegar horas de engarrafamento, ainda mais na alta temporada. O ideal para se locomover mais rapidamente pela ilha é ir de carro, mas também existe a opção de ônibus, através do sistema integrado de transportes. Floripa possui seis terminais, que atendem toda a região da ilha e os horários e valores atualizados você pode ver aqui.

Com os ônibus é possível fazer integração, ou seja, pegar mais de um com uma única passagem se usar o cartão magnético, mas se prepare: se locomover assim é bem demorado e desgastante, mas é um meio para economizar bastante.

Além disso, na cidade existem várias empresas de transporte, como Uber, 99Pop e Táxis comuns. O valor de um trecho do aeroporto até o centro fica por volta de R$20* de Uber e R$ 40 nos táxis (esse é um preço já tabelado).

*esse é um valor padrão, mas está sujeito às alterações de preços dinâmicos dos aplicativos.

5. Hospedagens

Por tudo ser longe, é de extrema importância saber que tipo de passeio você procura e se hospedar o mais perto dele. O valor vai variar de acordo com o local escolhido, do tipo de coisas que você não se abre mão e da quantidade de pessoas hospedadas no mesmo lugar.

Sobre os locais, além da distância, Florianópolis tem muitos morros, então tome cuidado com os eles. As vistas são lindas, mas nem todo morro é tranquilo e pacífico. Em alguns o uber não sobe pelo medo (principalmente os que ficam próximos ao centro), em outros o carro não sobe pela inclinação e em outros quem não sobe é você, já que é muito cansativo subir e descer andando.

A área com melhor estrutura para turistas e mais fácil acesso aos outros lugares é a Barra da Lagoa. Localizada na área central da ilha, é o point preferido dos turistas europeus e de quem procura praias calmas para banho, praias agitadas para surf, troca cultural e muitos restaurantes.

Lá também é possível encontrar diversos hostels, inclusive alguns que estão na plataforma da Worldpackers, como esse na Beira da Lagoa da Conceição.

6. História


Florianópolis é uma cidade cheia de história

Além de praias e natureza, Floripa é cheia de cultura. É possível se conectar profundamente com a cultura e a história local, já que só na ilha tem mais de 15 museus e muitos outros locais históricos, como a praça XV de Novembro. Ela fica localizada no centro histórico e possui uma figueira centenária.

De frente com a praça você encontra o museu mais clássico de Florianópolis, o Museu Histórico. Conhecido também como o Palácio Cruz e Souza, foi a residência dos Presidentes da Província durante o Império e gabinete do governador até 1984. Abriga diversas exposições e uma arquitetura única. O valor da entrada é de 5 reais e ele é aberto todos os dias, menos na segunda-feira.

Indo mais pra baía, você encontra o bairro de Santo Antônio de Lisboa, vila de pescadores e local que conta em suas construções a história do desenvolvimento da ilha. Lá é possível ver diversas construções feitas de conchas e óleo de baleia, já que essa era uma das práticas dos moradores conseguirem ganhar a vida.

Nessa região você também encontra comidas e doces típicos portugueses. Nos finais de semana ainda pode visitar a feira das alfaias, que é realizada na Praça Roldão da Rocha Pires, e contemplar o artesanato local.

Para quem ama história, Floripa oferece o Museu de Arqueologia Costão do Santinho, um museu a céu aberto, gratuito. Ele possui diversas pinturas rupestres feitas em rochas, contando a história de civilizações pré-históricas que habitaram a região há cerca de cinco mil anos.

Para quem ama astronomia, o planetário da UFSC é aberto ao público e oferece a oportunidade de ver através de telescópios o nosso céu. Ele funciona todos os dias a noite, das 18h até 22h.

Em Florianópolis também existe uma filial do projeto TAMAR, projeto que revolucionou a luta pela preservação de espécies ameaçadas de extinção. Lá é possível conhecer nove tartarugas de quatro espécies diferentes, ver a alimentação das tartarugas e outras atividades interativas através de visitas guiadas. O Centro de Visitantes é aberto diariamente e o ingresso custa R$ 15 inteira e R$7,50 a meia entrada.

A quase três séculos a navegação era importante para conquistar terras e riquezas, e em Florianópolis podemos ver com clareza a história portuguesa de conquistas. Eles usavam a ilha para reabastecimento e reparação de embarcações e, por isso, construíram diversas fortalezas que seguem firmes até hoje. As mais famosas são chamadas de "triângulo defensivo na ilha norte" e são as fortalezas de Santa Cruz, São José da Ponta Grossa e Santo antônio de Ratones.

Além desses, existe o Museu de Arte de Santa Catarina, Museu da Polícia Militar, Museu do Homem Sambaqui, Museu de História Natural de Florianópolis, Museu da Imagem e Som, Museu de Arqueologia e Etnografia e vários outros. Dá pra passar dias só visitando museus.

7. As praias paradisíacas de Florianópolis

Como viajar para Florianópolis e não conhecer as praias? A ilha tem tanta praia que não existe um consenso de quantas são exatamente. Alguns dizem 42, outros mais de 100, mas a certeza é que tem praia para todos os gostos.

A Ilha é dividida em regiões. No sudeste podemos encontrar praias mais naturais, no norte temos os locais mais baladas com festas 24 horas por dia, já no centro temos as áreas mais turísticas e estruturadas.

  • Ilha do Campeche - o caribe brasileiro

No sudeste temos a Ilha do Campeche, o chamado caribe brasileiro. Ela possui um dos mais ricos ecossistemas do sul do país e é hoje uma área de proteção ambiental, podendo receber apenas 800 pessoas por dia. É possível atravessar para ilha, custa 150 reais e te proporciona quatro horas lá.


Ilha do Campeche 
  • Praia do Matadeiro - a história do pescador

Também desse lado da ilha temos a Praia do Matadeiro. Ela é muito procurada por surfistas e também é local de partida de barcos de pesca. É um pouco mais tranquila, já que para ter acesso a ela é necessário fazer uma trilha leve de cinco minutos saindo da praia da Armação.

  • Praia da Joaquina - esportes para todos os gostos

Você ama esportes? Então a Praia da Joaquina é a sua praia! O público da Joaquina é feito de jovens e esportistas, ela tem ondas tão altas que já sediou eventos internacionais de surf. Além disso, a praia tem muitas dunas e, graças a isso, nasceu lá a modalidade de sandboard, o surfe na areia.

Como eu não sei surfar, pra mim o sandboard foi sensacional. Você cai um pouco nas primeiras descidas, mas depois se acostuma e tem uma experiência magnífica. O difícil é subir as dunas andando até o topo. As dunas da Joaquina são consideradas as melhores do sul do Brasil.

  • Praia da Galheta - nudismo a céu aberto

Viajar para Florianópolis pode te proporcionar mais essa experiência única: conhecer uma praia de nudismo. Para chegar na Galheta você faz uma pequena trilha leve de dez minutos saindo da Praia do Mole e indo para a esquerda.

O público dessa praia é composto principalmente por jovens e estrangeiros que gostam dali só pela liberdade da experiência. Não é um passeio que eu aconselho fazer sozinho, nesses locais sempre tem pessoas mal intencionadas.

Quando eu fui não passei por nenhuma situação de desconforto, mas por ser uma experiência diferente acabei não tendo coragem de ficar toda nua. Porém, não deixei a timidez tomar totalmente a conta e tirei apenas a parte de cima do biquíni e te digo: a liberdade desse momento é algo que vale a pena viver.

  • Jurerê Internacional - a Miami brasileira

Jurerê fica no norte da ilha e foi construído para se parecer com Beverly Hills. O padrão é tão alto que o bairro já ganhou visibilidade no mundo todo, sendo considerado The Place to Be pelo The New York Times em 2009.

Cheio de mansões, super planejado e limpo, em Jurerê Internacional você se depara com carros importados, festas 24 horas, helicópteros, muito luxo e gente jovem e rica.

  • Praia da Lagoa - o local Good Vibes

A praia mais internacional de Florianópolis, ela é a preferida dos turistas europeus e pelo público mais tranquilo, roots e good vibes. É uma praia que tem ondas boas para surfe e também águas mansas para mergulho. As dunas são tombadas como patrimônio natural de Floripa.

Lá também é possível encontrar alguns locais históricos, como a Pedra do Frade. Ela até hoje inspira grandes estudos por ser um local que foi utilizado pelos povos primitivos como observatório astronômico. Além disso, a partir dela você pode chegar nas piscinas naturais.

  • Piscinas naturais

Andando alguns minutos através de uma trilha leve que sai da praia da Barra da Lagoa, é possível chegar nas piscinas naturais. As piscinas naturais são uma fenda na costa, com água calma e cristalina. É bem tranquilo chegar até elas, você só precisa atravessar a ponte sob o canal da Barra da lagoa, virar a esquerda e pegar a trilha leve que leva 15 minutos de caminhada.

A vista das pedras é privilegiada e o nado muito calmo, só tenha cuidado para não ir em dias de chuva, já que fica impossível se locomover pelas pedras se elas tiverem escorregadias.

8. Trilhas

Em uma cidade com uma preservação tão grande da natureza, não surpreende que se encontre uma infinidade de trilhas para todos os gostos. No aplicativo wikiloc você pode encontrar mais de 800 trilhas mapeadas. Se gostar desse tipo de aventura, Florianópolis é um prato cheio.

9. Mirantes


Florianópolis é uma cidade cheia de opções 

Assim como trilhas, Florianópolis tem milhares de mirantes, que são lugares altos de observação. Alguns dos mais famosos são:

  • Mirante do Morro da Cruz

O principal da cidade, localizado na região central, a 285 m de altitude, no topo do morro também conhecido por Morro do Antão. De lá é possível ter uma vista panorâmica do centro de Florianópolis, incluindo as baías Norte e Sul e as três pontes, assim como os bairros do continente, os municípios de São José, Palhoça e Biguaçú e os morros que rodeiam a região metropolitana da Grande Florianópolis.

  • Praça Hercílio Luz

Localizada na cabeceira da Ponte Hercílio Luz, ao lado do Parque da Luz, o mirante da Praça proporciona uma vista linda da ponte Hercílio Luz, que liga Floripa ao continente e que ficou famosa pelas queimas de fogos nas viradas de ano. Da praça Hercílio Luz é possível ter uma visão das três pontes que fazem a ligação ilha-continente.

  • Mirante Ponto de Vista

A melhor vista natural e panorâmica de Florianópolis e ainda o mirante mais preparado para turistas, com estacionamento, restaurantes e lojas. Fica na Rod. Jorn. Manoel de Menezes (SC-406), entre a Praia Mole e a Barra da Lagoa.

Além desses vale visitar o mirante da Praia Brava, Morro das Pedras e Morro da Lagoa.

10. Para comer e se divertir

Restaurantes, feiras, baladas e entretenimento é o que não falta em Florianópolis. Na rua principal da barra na lagoa, por exemplo, você encontra um restaurante ao lado do outro, para todos os gostos. Alguns dos meus locais favoritos são:

  • Books and beers

Localizado na Barra da Lagoa, é um bar que combina livros, cervejas artesanais, iluminação aconchegante e muita decoração interessante. O Books and Beers é separado em dois andares, sendo o primeiro mais aconchegante para beber e ler e o segundo mais agitado, com tv, garçons e uma área extensa que proporciona a vista da Lagoa da Conceição.

Além disso, é uma boa pedida para dias frios, porque, além de ter um ambiente aconchegante, eles oferecem cobertinhas para os clientes que preferem sentar nas áreas externas.

  • Afonso Hamburgueria

Localizado no centro, é mais um dos locais com luz baixa e ambiente aconchegante. O Afonso é hamburgueria, cervejaria e choperia. Lá você é recebido com uma garrafa de água filtrada e, se tiver frio, o local possui aquecedores nas partes externas.

  • Paixão de verão

Localizado nos Ingleses, no norte da ilha, o restaurante Paixão de Verão é um restaurante clássico da ilha da magia. Ele fica em frente a praia, com uma vista privilegiada, e oferece carnes, massas, pescados e cervejas artesanais.

  • Feirinha da Lagoa

Ao sair do Book and Beers, você se aproxima da feirinha da lagoa. Ela fica do lado do centro cultural Bento Silvério e conta com mais e 125 expositores, com artesanatos de todos os tipos e comidas de várias partes do mundo. Um lugar que exala cultura! No domingo a feira fica aberta das 17h às 23h e fora da temporada das 15h às 20h.

  • Ribeirão da Ilha

Não é um restaurante específico, mas é um local. Ribeirão da Ilha fica no sul da ilha e é um dos bairros mais tradicionais da cidade. Foi lá que os primeiros portugueses atracaram quando chegaram em Santa Catarina e hoje a região é a maior produtora de ostras do país. Então se você ama ostras, essa é uma oportunidade para provar direto da fonte.


A ponte que liga o continente com a Ilha

Um bônus: viajar para Florianópolis gratuitamente

Você sabia que todo brasileiro tem direito a viajar de graça através dos aviões da FAB (Força Aérea Brasileira)? Sim, é possível, e você só precisa estar em uma cidades que tem base e se inscrever para isso. A notícia boa é que Florianópolis é uma dessas base, então se você tiver em qualquer outra cidade que tem também, é possível viajar até lá gratuitamente.

A FAB fica ao lado do aeroporto Hercílio Luz, no sul da ilha. As cidades que possuem base da FAB são: Canoas/RS; Santa Maria/RS; Pirassununga/SP; Rio de Janeiro/RJ; São Paulo/SP; Brasília/DF; Campo Grande/MS; Belém/PA; Boa Vista/RR; Manaus/AM; Porto Velho/RO; Fortaleza/CE; Natal/RN; Recife/PE e Salvador/BA.

Na sua viagem para Floripa, além de poder economizar pegando uma carona com a FAB, você também pode hospedar-se em troca de trabalho usando a Worldpackers. Aqui você encontra várias oportunidades de voluntariado em Florianópolis.

Viajar para Florianópolis é uma experiência memorável e que te proporciona conhecer praias paradisíacas, áreas e projetos de preservação, fazer trilhas, conhecer a história de Santa Catarina e do país, socializar com pessoas de todo o mundo e curtir a cidade com todos os tipos de entretenimento que uma cidade grande pode proporcionar.

Também é caro, provavelmente você pegará trânsito e o deslocamento costuma ser demorado graças às grandes distâncias. É preciso colocar na balança e ver se Floripa é o destino que você quer agora, mas uma coisa eu te garanto: Floripa vai ter surpreender! 


F695d4617003e7d1bdea16b121f8f968

Amanda Teló

Jul 11, 2019

Descobri que a vida só vale a pena se for vivida. Vivida com equilíbrio, com intensidade e com amor. Viajar é uma das formas mais puras de experien...


Deixe seu comentário aqui

Escreva aqui suas dúvidas e agradecimentos ao autor