O que é viver em comunidade e como vivenciar isso num voluntariado

Fortalecer a colaboração é essencial para o futuro do planeta e, principalmente, o nosso. Essas experiências de voluntariado em ecovilas te ensinam o que é viver em comunidade enquanto viaja.

7min

O que é viver em comunidade

Após a pandemia, cada vez mais pessoas têm tido vontade viver em comunidade, dividindo espaço e responsabilidades com pessoas que apresentam os mesmos valores, especialmente no meio rural. 

Em grandes centros urbanos, nosso estilo de vida costuma ser bem focado no indivíduo. No entanto, no fundo ninguém consegue viver totalmente sozinho no mundo. Precisamos uns dos outros para fazer muita coisa, mesmo que às vezes a gente não perceba. 

Por exemplo, para comprar uma passagem de ônibus e fazer uma viagem, precisamos que toda a comunidade envolvida no processo esteja funcionando em conjunto - desde a equipe da rodoviária até o motorista do ônibus. 

E tudo na nossa sociedade funciona assim. Para comer legumes e frutas, precisamos que a comunidade de produtores rurais esteja prosperando. Quando ficamos doentes, precisamos recorrer à comunidade de profissionais da saúde, e assim por diante.

O que é viver em comunidade?

Compartilhar a nacionalidade ou idioma com um grande grupo de pessoas já pode ser considerado como fazer parte de uma comunidade. Podemos pensar também em comunidades globais, como os mochileiros que se encontram por aí e já sentem identificação imediata uns com os outros.

Além disso, existem comunidades que se formam por outras semelhanças, como a comunidade LGBT, ou uma comunidade de brasileiros vivendo no exterior. Esse tipo de comunidade é formada por grupos minorizados ou pessoas que possuem alguma causa em comum.

O ser humano tem uma natureza gregária e, por isso, comunidades diversas se formam no mundo todo, a partir do compartilhamento de um espaço ou simplesmente da união das necessidades e sonhos de um grupo. No entanto, a vida moderna muitas vezes nos afasta desse conceito.


crianças brincando juntas

Por que viver em comunidade?

Existe um provérbio africano que diz: "é preciso uma aldeia inteira para se educar uma criança". Desde muito pequenos, precisamos da vida coletiva para aprender a andar, falar, comer, fazer atividades básicas e aprender sobre a vida em sociedade de forma geral.

Com o crescimento da urbanização nas últimas décadas, foi ficando cada vez mais difícil se sentir como parte dessa tal "aldeia". Nas grandes cidades, onde o solo é coberto pelo asfalto e o céu fica atrás dos prédios, muita gente se esquece também que é parte integrante de um organismo vivo, o planeta Terra.

Durante a pandemia de Covid-19, a necessidade de pensar na coletividade e na preservação do planeta se tornou ainda mais evidente. Agora que o mundo está lentamente se recuperando, nos resta aproveitar essa oportunidade para vislumbrar novas maneiras de viver.

Essa busca por uma vida em comunidade pode ter a motivação de economizar dinheiro, dividindo custos com outras pessoas. Mas viver em configurações coletivas vai muito além disso.

Compartilhar moradia e vivências com os outros é uma forma de autoconhecimento, um grande exercício de empatia e um resgate de um lado da nossa sociedade que parece ter se perdido.

Essa maneira de viver pode acontecer em meios urbanos e rurais, pois depende mais da vontade dos participantes que do espaço. No entanto, acaba por ser mais aplicada em áreas rurais. Entre outras razões, porque a própria natureza da gestão de uma propriedade rural, como uma ecovila, envolve o viver coletivo.

Leia também: 


mulheres dançando em roda num lugar com muito verde

O que é necessário para viver bem em comunidade?

Para nós aqui na Worldpackers, viver em comunidade envolve cuidar do planeta e também uns dos outros. Mas o que isso significa na prática? Na vida em comunidade, temos a oportunidade de estar em contato com pessoas de culturas, idiomas e origens diferentes.

Por isso, um dos elementos fundamentais para viver em comunidade é respeitar o próximo e suas crenças, ouvir o que o outro tem a dizer com empatia e compartilhar conhecimentos de forma humilde, com a mente e o coração abertos.

A vida compartilhada demanda entrega e autoconhecimento. Às vezes algo que incomoda no outro pode ser um sinal do que precisamos melhorar em nós mesmos.

Nesse sentido, a convivência em comunidades acolhedoras, com pessoas dispostas a crescer juntas, pode ser uma enorme fonte de evolução pessoal para todos os envolvidos.

Se não sabe por onde começar, vamos sugerir algumas opções de voluntariado para começar a experimentar o que é viver em comunidade.

6 experiências para viver em comunidade no Brasil

Podemos experimentar a vivência coletiva das mais diversas formas usando o voluntariado em viagens, também conhecido como work exchange ou troca de trabalho por hospedagem.

A Worldpackers é uma comunidade de mais de 3 milhões de viajantes, criada no Brasil, que conecta anfitriões que precisam de ajuda e voluntários que querem ajudar. As vagas estão disponíveis nos quatro cantos do país e também mundo afora.

Por exemplo, você pode trocar algumas horas do seu dia colaborando com uma ecovila, ajudando com plantio de árvores, bioconstrução, hortas ou até mesmo criando arte com materiais recicláveis.

Em troca da sua ajuda, você vai aprender novas habilidades, conhecer pessoas de origens diferentes e ainda economizar na sua viagem. 

Gostou da ideia? Conheça seis anfitriões da Worldpackers que oferecem ótimas oportunidades para aprender a viver em comunidade. 

1. Romã Ashram

Você pode experimentar a vida em comunidade em meio à natureza no Romã Ashram, um centro de terapias holísticas na região de Águas de São Pedro, uma pequena cidade no interior de São Paulo. 


voluntária no ashram Romã, em São Paulo

Além das paisagens lindas, no local é possível fazer voluntariado em troca de aulas de yoga, oficinas, ajudando na cozinha vegana e muitas outras atividades. A colaboração da comunidade é essencial para manter esse espaço funcionando.

2. Morada da Libélula - Comunidade Escola das Estrelas

Para quem está buscando ativamente criar uma nova vida, um voluntariado ecológico na Morada da Libélula pode ser uma ótima opção. A anfitriã descreve com maestria o que se pode esperar dessa experiência: brincar de viver com auto responsabilidade e atenção ao ser, estar e permanecer. 

Através de experiências que incentivam a conexão com nós mesmos e com os outros, como práticas de Kemetic Yoga, Aromaterapia, Reiki, Cacau sagrado, Tarot, Radiestesia, Radionica e dança, você terá todo o apoio para buscar a reconexão com o essencial. 


permacultura está entre os aprendizados dos voluntariados, além da experiência de viver em comunidade

Morada da Libélula cultiva aprendizados, transformações e despertares para os voluntários e moradores. Quem a visita pode aprender sobre bioconstrução, preservação da natureza, permacultura, yoga e muito mais.

3. Comuna Floresta

Muito elogiada pelos voluntários, a ecovila ComUna Floresta vai além do "eco" na palavra ecovila, trabalhando diariamente para a cura e regeneração do planeta. A ideia do espaço é permitira a criação coletiva de uma nova realidade vivendo em conexão e harmonia com a natureza.


a comuna floresta é uma ótima opção para quem busca uma experiência de viver em comunidade

Os voluntários na Comuna Floresta aprendem sobre a parte prática da vida em ecovila, como os aspectos de manutenção da agrofloresta, composteira, bioconstrução e hortas, mas também sobre contabilidade aberta e gestão comunitária, por exemplo.

Outro ponto interessante da experiência de viver em comunidade neste espaço é que você pode aprender sobre práticas de autoconhecimento através da espiritualidade, sendo acolhido independentemente de sua religião.

4. Pangeia Ecoeduca

Como eles mesmos se definem, esse é "um projeto da nova era". Se você sonha em fazer parte da restauração do nosso planeta e da construção de novas ideias sobre viver em comunidade, a Pangeia Ecoeduca é o seu lugar.


jovem planta mudas em voluntariado ecológico

Lá você pode cuidar da ecovila junto com outros voluntários, gerar vida nova na forma de mudas de árvores e hortaliças, aprender sobre bioconstrução e outros detalhes da gestão de uma comunidade rural. Talvez essa seja a oportunidade que faltava para sua transformação pessoal.

5. Sítio Ypuca

O Sítio Ypuca fica em Casimiro de Abreu, no meio da mata atlântica do estado do Rio de Janeiro.  Principalmente para quem mora em uma grande capital, onde o contato com a natureza foi perdido, fazer voluntariado em um local como esse pode despertar sentimentos de conexão e pertencimento, muito além do aprendizado prático.


o Sítio Ypuca, no Rio de Janeiro, é outro bom lugar para voluntariar numa comunidade

6. Projeto Sustentabilidade Integral

Desde os anos 70, quando Bill Mollison e David Homgren cunharam o termo Permacultura na Austrália, ecologistas do mundo todo nos avisam sobre a necessidade de olhar para a sustentabilidade.

O projeto sustentabilidade integral procura aplicar os princípios da permacultura na vida em comunidade. É realizado pelos moradores da Ecovila @sustentar__te, que fica em Embu Guaçu, no estado de São Paulo. 

Apesar de ser pertinho do caos da capital (apenas 46 km), esse local entrega a experiência oposta: paz e sossego.


voluntários praticam yoga em uma comunidade de permacultura em São Paulo

Durante sua estadia, o voluntário também poderá desfrutar de alguns atrativos naturais na região, como o Parque da Várzea, com trilhas de bike, escalada e cachoeiras na proximidade. Também dá para ir conhecer cidades culturais como Embu das Artes e São Lourenço da Serra. 

Os membros da ecovila acreditam na força do coletivo e no sonho de se viver em uma sociedade mais justa e equilibrada. Afinal, como disse Raul Seixas: "um sonho que se sonha só é só um sonho, mas sonho que se sonha junto é realidade". 

Viver em comunidade: uma decisão para a vida

O individualismo parece ter tomado conta do imaginário coletivo brasileiro nos últimos anos, mas cabe a cada um de nós reverter esse quadro. 

Quando estamos presos no ciclo de pagar boletos e cuidar da vida corrida, viver em comunidade pode parecer um sonho distante, mas não é. Ouse sonhar com um mundo novo!

É importante lembrar que você não precisa largar tudo para se tornar um Worldpacker e viver em uma comunidade em qualquer lugar do mundo. 

Talvez você não possa mudar completamente sua vida e viver em uma comunidade alternativa de forma permanente. Ainda assim, até uma experiência de curta duração pode trazer de volta sentimentos de conexão e pertencimento, trazendo aprendizados que podem ser aplicados no seu dia a dia e plantando a semente para uma transformação futura. 

Gostou dessas ideias? Crie um perfil gratuitamente na comunidade Worldpackers e comece a salvar suas vagas de voluntariado favoritas! 



Deja tu comentario aquí

Escriba aquí sus preguntas y saludos al autor

Más sobre el tema