Categorias

O que aprendi como worldpacker na Argentina

Estudante de turismo, tenho como sonho viajar o mundo, conhecer diversos países e culturas distintas. Como o orçamento não ajudava, dei início a essa aventura sendo voluntária Worldpacker e vou contar um pouco do que aprendi.


Ad048d3f77bf7a18abde97a9cb2e6e8b

Mislene

Mislene,27 anos , Estudante de Turismo,apaixonada pela vida,por pessoas e viagens!!Carrego no pei...

Jul 19, 2018

bandeira da Argentina

Troquei minhas habilidades por hospedagem em um hostel chamado Lacandona ,em Córdoba, na Argentina, por onde fiquei por 30 dias.

Trabalhava na recepção, cinco horas por dia, e o restante do tempo livre aproveitava para passear, conhecer a cidade e de noite sempre ia para balada ou barzinhos.

A cidade é muito animada! Tinha festa todas as noites.

As músicas eram contagiantes e em todos os lugares sempre tinha muito reggaeton, a maneira como eles dançam me deixou encantada!!

Me apaixonei pela cidade, pelas pessoas, pela música.

Amei cada detalhe da viagem e sempre recomendo para todo mundo com quem converso!

1. Relação com o anfitrião

A dona do hostel era bem atenciosa e me deixava à vontade para trabalhar. Depois de três dias, e com menos vergonha, eu já consegui ficar sozinha na recepção, atender telefone, responder whatsapp e email.

Uma certa noite tive uma situação engraçada: uma hóspede me pediu uma bebida, eu olhei o menu, vi o valor, entreguei a garrafa de bebida e recebi o dinheiro. Horas mais tarde chegou a anfitriã eu a informei que tinha vendido uma garrafa de Fernet. No meio da conversa descobri que aquele valor cobrado era a dose da bebida e não a garrafa inteira!

Fiquei morrendo de vergonha, mas ela foi bem atenciosa e disse que eu não tinha problema, já que a mesma não havia me avisado!

Hoje eu dou risada, mas na hora foi bem constrangedor.

2. Cultura local

Antes de viajar comecei a estudar espanhol e pensei que sabia um pouco do idioma, porém, quando cheguei lá tive um choque de realidade!

Não conseguia entender uma palavra do que me diziam, mal consegui pedir um suco de laranja e sanduíche de presunto e queijo. Tive que recorrer à mímica para fazer meu pedido, rs!

Agora falando um pouco sobre a cultura e o povo argentino, senti pouca diferença em relação ao Brasil.

Percebi que eles comem de forma mais saudável que nós brasileiros. Sempre comem muita salada e quase nada de fritura, exceto batata frita e milanesa, que era a paixão de todos com quem tive a oportunidade de conviver.

Estranhei também o atendimento em lojas por onde passei, achei eles menos atencioso e um pouco frios se comparado a brasileiros, mas nada muito impactante!

Sala de convivência do Hostel Lacandona

3. Convivência

Nesses 30 de viagens pude conhecer pessoas de diversos países, conviver e compartilhar quase tudo. Fiquei em um quarto com até seis pessoas, foi muito desafiador e estimulante.

Pude melhorar também minha auto confiança. Tive que aprender a me virar sozinha, pegar táxi, metrô e fazer compras sem falar muito bem o espanhol.

Tive um aprendizado muito rápido do idioma e me dei conta disso quando estava no aeroporto de volta para o Brasil. Me lembrei de quando cheguei no país e não sabia comprar um sanduíche.

Na volta minha mala foi extraviada e tive que passar por diversos departamentos até que resolvessem meu problema. Tudo isso em espanhol!

Foi muito gratificante essa melhora tão significativa.

Me fez tão bem essa viagem que não perco uma oportunidade de falar sobre isso e já motivei três amigos a terem essa mesma experiência e, em breve, também vão estar vivendo isso!

Como eu disse no início, essa foi apenas minha primeira experiência! Já estou me preparando para as próximas férias da faculdade e quero passá-la viajando e acumulando histórias.



Ad048d3f77bf7a18abde97a9cb2e6e8b

Mislene

Mislene,27 anos , Estudante de Turismo,apaixonada pela vida,por pessoas e viagens!!Carrego no pei...

Jul 19, 2018


Gostou? Não esqueça de deixar MisleneCristina saber :-)


Comentários