voluntária deitada em pedra na Chapada Diamantina

Compartilho aqui meus gastos numa viagem de 45 dias à Bahia, para a Ilha de Boipeba e para a Chapada Diamantina.

Moreré

Meu primeiro destino foi o vilarejo de Moreré, na Ilha de Boipeba.

Fui Worldpacker no Hostel Moreré Camping do Cajueiro por duas semanas ajudando com limpeza e administração.

Você pode ver o relato completo da experiência aqui.

Agora vamos para os gastos:

  • Transporte

Quando encontrei o anfitrião na Worldpackers, fiquei encantada com o lugar e já fui me aplicando. Só depois de confirmada a viagem que fui ver COMO chegaria até lá.

Confesso que foi uma surpresa quando percebi que precisaria pegar um avião, um uber, uma balsa, um ônibus, uma lancha rápida e um quadriciclo até meu destino final.

Ou seja, meus gastos com transporte para o destino 1 foram:

- Avião São Paulo - Salvador: R$250

- Uber Aeroporto - Balsa: R$39

- Balsa: R$5

- Ônibus intermunicipal: R$27

- Lancha rápida: R$44

- Quadriciclo: R$20

TOTAL: R$385 para chegar até meu anfitrião.

Dica 1: Se o dinheiro está curto, é melhor você ver quanto custa para chegar até o seu anfitrião ANTES de se aplicar.

Eu indico o site Rome2Rio que já mostra as alternativas disponíveis e quanto custa cada uma. Isso é importantíssimo caso você precise pegar um avião para chegar até seu anfitrião, já que o preço das passagens pode mudar todo dia.

  • Alimentação

O hostel onde fiquei não oferecia nenhuma refeição, mas nos dava a possibilidade de cozinhar lá.

Outra coisa que descobri quando cheguei à Moreré é que a comida é super cara.

Estávamos em uma ilha e o transporte até ali era bem difícil, então fazia sentido as coisas serem caras e escassas. Cheguei a pagar R$1 em um ovo.

Sim, complicado, mas cozinhando praticamente todos os 15 dias eu gastei R$436.

Dica 2: Quem precisa economizar cada centavo deve procurar por anfitriões que ofereçam pelo menos uma refeição e a possibilidade de cozinhar no local. Fique esperto: supermercados em cidades pequenas e de difícil acesso podem ser bem mais caros do que os das capitais. Na dúvida, já leve de casa alguns alimentos coringas para economizar.

  • Diversão

Moreré é super pequena então dá para conhecer todas as praias a pé.

Fiz dois passeios maiores, de um dia inteiro: para a vila de Velha Boipeba (fui a pé e voltei de quadriciclo por R$20) e para a Ponta dos Castelhanos, um lugar muito lindo no lado sul da ilha. Para este último precisaria de um guia, mas meu anfitrião me levou e não tive que pagar nada! 

Moreré tem poucos bares e restaurantes, o que ajudou a economizar. Devo ter gastado só uns R$20 em algumas cervejinhas.

Dica 3: Se você é aquela pessoa que não abre mão de uma cerveja, cuidado! É bem fácil extrapolar e gastar uma fortuna com isso. Estabeleça um limite diário de gastos e respeite-o! 

Hostel Moreré Camping do Cajueiro

Salvador

Depois de 15 dias lindos em Moreré foi hora de ir para o meu próximo destino: Chapada Diamantina!

Para ir de Moreré até Lençóis era um pouco complicado e eu precisava sacar dinheiro. Nem Boipeba nem Lençóis tem o meu banco, então decidi passar uma noite em Salvador para comprar algumas coisinhas e passar no banco.

- Hospedagem em hostel parceiro da Worldpackers (que me deu desconto de 10%): R$40

- Uber (um vício perigoso para o bolso): R$34

- Alimentação em Salvador: R$35

- Ônibus para Lençóis: R$92

No total gastei em Salvador R$201.

Dica 4: SEMPRE cheque se existe banco ou caixa eletrônico para você sacar dinheiro caso vá para alguma cidade pequena. Quanto menor a cidade, menores as chances de aceitarem cartão de crédito/débito como método de pagamento e maior a necessidade de ter dinheiro vivo. 

voluntária com Chapada Diamantina ao fundo

Lençóis

  • Transporte

Lençóis tem várias cachoeiras e poços perto, então dá para ir andando e sem pagar taxa de visitação. Para os atrativos mais afastados, o ideal é pegar carona.

A grande vantagem de ser Worldpacker no Viela Hostel é que você ajuda na recepção, ou seja, está sempre conversando com todos os hóspedes. Muitos deles vem de carro e aí basta um pouco de cara de pau para pedir uma carona.

Aluguei carro somente em duas ocasiões e sempre dividindo com mais gente, o que sai bem em conta também.

Total transporte para 30 dias: R$160.

  • Alimentação

Em Lençóis fiquei no Viela Hostel, que oferece café da manhã. Banana da terra, batata doce, ovos, tapioca, frutas, cuscuz... uma delícia!

A cozinha é super equipada e acaba sendo o espaço comum entre os hóspedes, então era sempre muito bom cozinhar ali.

Para a minha sorte, o supermercado em Lençóis tinha preços justos e feira duas vezes por semana.

Quando você é Worldpacker, você descobre muitas coisas conversando com as pessoas locais.

Por exemplo, em Lençóis tem um serviço de motoboy que você paga R$20 e ele traz um sacolão cheio de frutas, verduras e legumes da feira, entregue diretamente na sua casa. 

Como o hostel trabalha com três voluntários por vez, era possível dividir esse valor, cozinhar todo mundo junto e fazer refeições ótimas e baratíssimas!

Isso sem falar que a maioria dos hóspedes compram comida para cozinhar no hostel, mas quando sobra, eles deixam para trás. Pacotes de macarrão, arroz, manteiga, molho de tomate… tudo isso surge nas prateleiras do hostel naturalmente! Uma vez que o hóspede foi embora, vira propriedade dos Worldpackers. 

Total alimentação para 30 dias: R$364.

  • Diversão

Como turista você paga no mínimo R$100 por cada passeio que for fazer com uma agência. Como Worldpacker, é difícil você ter que pagar por esse tipo de coisa.

Em primeiro lugar, pegar carona com os hóspedes é uma ótima forma de economizar e fazer novas amizades. 

Além disso, você conhece muita gente local e conversa vai, conversa vem, você descola vários rolês de graça ou pagando muito pouco.

Um belo dia estava eu na recepção quando chegou um guia, o querido Seu Flor, para conversar com alguns hóspedes que estavam indo para o Vale do Pati, um passeio de trekking de quatro dias pelas paisagens mais lindas da Chapada. 

Seu Flor veio falar comigo, disse que estava indo com um grupo grande e perguntou se eu queria ir junto. Na faixa. Esse passeio custa no mínimo R$800 e eu paguei somente R$120 referente à acomodação no Vale. 

Esse convite irrecusável foi algo que eu realmente não esperava e que eu só consegui por ser uma Worldpacker.

Fiz um passeio pelas principais cachoeiras da região com a outra voluntária do hostel, um hóspede e um amigo que mora em Lençóis. Alugamos um carro, ficamos na casa de amigos de amigos, cozinhamos e o rolê que custaria uns R$600 com agência saiu por R$150.

Então é importante saber que, mesmo lugares que são teoricamente caros, podem sair bem mais em conta quando você viaja como um Worldpacker, ou seja, devagar e conhecendo bem os nativos.

Total diversão 30 dias: R$356.

Abaixo fiz uma tabela com os gastos divididos por tipo, destino e também a média de gasto por dia.

Lembre-se que isso serve como base, mas que é possível fazer essa mesma viagem gastando menos ainda ou ter mais conforto. Aí vai do seu orçamento!

tabela de gastos na Bahia



5ba4569023967183263586c34261c4f2

Camila

Já está com o pé na estrada para uma grande viagem ao redor do mundo em 2018. Já foi worldpacker ...

+ Ver mais

Out 16, 2018


Gostou? Não esqueça de deixar Camila saber :-)


Deixe seu comentário aqui

Escreva aqui suas dúvidas e agradecimentos ao autor